Gripe A

GaiaNet

Boletim Ecológico

Editor – Rui Martins Iwersen

.

A campanha nacional de vacinação contra gripe deste ano será realizada de 22 de abril a 9 de maio, sendo 26 o dia de mobilização nacional. A novidade deste ano é a ampliação da faixa etária para crianças de seis meses a menores de cinco anos. No ano passado, o público infantil foi de seis meses a menores de dois anos. (…)

O público-alvo da campanha é de 49,6 milhões de pessoas e a meta do Ministério da Saúde é vacinar 80% desta população, considerada de risco para complicações por gripe. Além das crianças de seis meses a menores de cinco anos, integram este grupo pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional. As pessoas portadoras de doenças crônicas não-transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais também devem se vacinar. Para esse grupo não há meta específica de vacinação. (…)

Fonte: Ministério da Saúde; saude.gov.br

.

02 de abril de 2014

Saúde amplia vacinação contra gripe para crianças de até cinco anos

Shutterstock

Brasília – O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (2) que vai ampliar o público-alvo da vacinação contra a gripe este ano, incluindo crianças menores de cinco anos. Até 2013, a vacina era aplicada gratuitamente apenas em crianças de seis meses a menores de dois anos. A meta do ministério é vacinar 49,6 milhões de pessoas durante esta 16ª campanha de vacinação, que será realizada entre os dias 22 de abril a 9 de maio. (…)

A meta deste ano é atingir 80% dos grupos prioritários para vacinação. Ao todo, foram disponibilizadas 53,5 milhões de doses da vacina.

Além da inclusão de crianças menores de cinco anos de idade, o aumento da meta se deve à atualização no número de pessoas dos outros sete grupos prioritários: gestantes, idosos a partir de 60 anos, indígenas, presidiários, profissionais da saúde, doentes crônicos e mulheres até 45 dias após o parto. (…)

Leia mais em: http://zip.net/blmY7H

.

28 de outubro de 2013

Orientações do Ministério da Saúde

Materiais informativos e educativos – Influenza

O Ministério da Saúde está distribuindo 680 mil materiais informativos e educativos para orientação aos profissionais da área e também à população, como cartazes sobre tratamento e prevenção da gripe, display de mesa sobre tratamento, filipeta orientando a diluição do oseltamivir para crianças, algoritmo de atendimento. As peças citadas podem ser conferidas nos links abaixo.

Materiais Influenza 2013 disponiveis para download:

::. Cartaz lavar as mãos
::. Cartaz população
::. Cartaz profissional de saúde
::. Display 
::. Filipeta
::. Folheto

 Ministério da Saúde

Esplanada dos Ministérios Bloco G
Brasilia-DF / CEP: 70058-900
Telefone: 3315-2425

Fonte: http://www.saude.gov.br

.

25 de julho de 2013

Gripe A no Rio Grande do Sul

Gripe A matou 27 pessoas no RS este ano

Porto Alegre – A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul confirmou mais quatro mortes associadas à Gripe A nesta quinta-feira, 25. Com isso, os óbitos vinculados às cepas H1N1 e H3N2 do vírus influenza chegam a 27 em 2013.

As vítimas incluídas na lista são um homem de 24 anos e uma mulher de 77 anos, ambos de Porto Alegre, uma mulher de 57 anos, de Farroupilha, e uma mulher de 66 anos, de Santa Cruz do Sul. Todos tinham ao menos duas das comorbidades mais comuns a esses casos, como imunodepressão, obesidade, cardiopatia, pneumopatia ou doença neurológica.

Desde o início do ano, o Estado registrou 1.957 casos de síndrome respiratória aguda grave, com 136 óbitos. O total inclui 322 casos provocados pelo vírus influenza. Desses, 223 são da cepa A (H1N1), com 24 óbitos, 83 da A(H3N2), com três óbitos, e 16 da B, sem óbitos.

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/ciencia/2013/07/25/gripe-a-matou-27-pessoas-no-rs-este-ano.htm

.

03 de julho de 2013

Mortes por gripe A

Número de mortes por gripe A quadruplica em São Paulo

São Paulo – O número de pessoas que morreram em decorrência da gripe A (H1N1) quadruplicou nos últimos 51 dias em São Paulo. O total de mortes passou de 55, em 12 de maio, para 215, de acordo com dados atualizados da Secretaria de Estado da Saúde – a alta é de 290%. Em todo o Brasil, o vírus já matou pelo menos 339 pessoas.

(…) O Estado teve confirmados 1.367 pacientes infectados com H1N1 desde 1.º de janeiro. Desse total, 663 ou 60% dos casos foram registrados na Grande São Paulo. A capital soma o maior número de mortes: 101 até agora. A secretaria ressalta que 70% das vítimas que morreram apresentavam alguma comorbidade, como doenças crônicas relacionadas ao coração. (…)

(…) Neste ano, 6.095 pacientes com SRAG foram confirmados, já somados os 1.367 casos de H1N1 – número que representa 78% de todo o País. Dessa lista, além das mortes por influenza A, constam ainda outras 26 vítimas do influenza A ou B, conhecida como gripe comum. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/ciencia/2013/07/03/numero-de-mortes-por-gripe-a-quadriplica-em-sp.htm

.

27 de junho de 2013

Vacina contra gripe pode ter evitado 13 milhões de casos da doença nos EUA de 2005 a 2011

O maior número de casos evitados ocorreu entre 2010 e 2011: nesse intervalo de tempo, cinco milhões de casos de gripe, 2,1 milhões de visitas médicas e 40.400 hospitalizações foram prevenidas pela vacinação.

Nos Estados Unidos, recomenda-se a vacinação contra gripe para todos os indivíduos acima dos seis meses de idade; no Brasil, há recomendação apenas para pessoas que fazem parte do grupo de risco.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Influenza Illness and Hospitalizations Averted by Influenza Vaccination in the United States, 2005–2011

Instituição: Centro de Prevenção e Controle de Doenças, EUA

Dados de amostragem: taxas de hospitalização durante as temporadas de gripe nos Estados Unidos durante o período de 2005 a 2011

Resultado: Os pesquisadores chegaram à conclusão de que a vacinação contra gripe nos Estados Unidos pode ter evitado 110.000 hospitalizações e 13 milhões de casos de gripe no país durante o período analisado.

Segundo um estudo realizado por pesquisadores do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, sigla em inglês), a vacinação contra o vírus influenza pode ter impedido 110.000 hospitalizações e 13 milhões de casos de gripe no país durante o período de 2005 a 2011.

Os responsáveis pelo trabalho, publicado no periódico PLOS ONE nesta quarta-feira, calcularam o número de casos da enfermidade que teriam acontecido nos Estados Unidos se não houvesse vacinação. Para isso, basearam-se em fatores como as taxas de hospitalização durante as temporadas de gripe e a eficácia da vacina. De acordo com essa análise, o maior número de casos evitados ocorreu entre 2010 e 2011: nesse intervalo de tempo, cinco milhões de incidências de gripe, 2,1 milhões de visitas médicas e 40.400 hospitalizações foram prevenidas pela vacinação.

Desde 2010, os Estados Unidos recomendam a vacinação anual contra o vírus da gripe para todos os indivíduos acima dos seis meses de idade, o que transforma o país no único do mundo a ter recomendação universal de vacina contra a gripe. “Os Estados Unidos têm a recomendação universal, mas não distribuem a vacina. Lá, as pessoas são asseguradas e compram a vacina”, explica Marcos Boulos, professor de moléstias infectuosas e parasitárias da Faculdade de Medicina da USP.

Fonte: veja.abril.com.br

.

12 de junho de 2013

São Paulo confirma 168 mortes pela gripe A em 2013

O Estado de São Paulo, que concentra a maioria dos casos do vírus H1N1 – a gripe A – no Brasil, confirmou nesta terça-feira (12) 168 mortes causadas pelo vírus entre os meses de janeiro e junho deste ano.

O boletim mais recente da Secretaria de Saúde demonstra que 30,8% das mortes causadas pela gripe A ocorreram na cidade de São Paulo.

No total, foram confirmados 4.157 casos da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) no Estado, sendo que 778 foram provocados pelo vírus H1N1, entre eles 168 dos pacientes que morreram infectados. (…)

O Rio Grande do Sul também confirmou hoje as primeiras duas mortes na região. Em Minas Gerais, a cidade de Uberaba registrou a quarta vítima pela mesma doença.

Em Roraima há duas suspeitas de morte pela gripe A, o que pode elevar o número de mortes no país e ultrapassar os 176 casos. Além disso, outros Estados ainda não apresentaram seus respectivos balanços.

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/ciencia/2013/06/12/sao-paulo-confirma-168-mortes-pela-gripe-a-em-2013.htm

.

01 de junho de 2013

Influenza A subtipo H1N1

Influenza A subtipo H1N1 também conhecido como A (H1N1), é um subtipo de Influenzavirus A e a causa mais comum da influenza (gripe) em humanos. A letra H refere-se à proteína hemaglutinina e a letra N à proteína neuraminidase. Este subtipo deu origem, por mutação, a várias estirpes, incluindo a da gripe espanhola (atualmente extinta), estirpes moderadas de gripe humana, estirpes endêmicas de gripe suína e várias estirpes encontradas em aves. (…)

Em Abril de 2009, um surto de H1N1 matou mais de 100 pessoas no México, e pensava-se existirem mais de 1500 indivíduos infectados em todo o mundo em 26 de Abril de 2009. O Centers for Disease Control and Prevention nos Estados Unidos avisou que era possível que este surto desse origem a uma pandemia.2 . (…)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

.

29 de maio de 2013

Tratamentos para a Gripe A em Santa Catarina

Santa Catarina recebe 80 mil tratamentos de Tamiflu

O antiviral deve ser tomado nas primeiras 48 horas após o início da doença. O medicamento é oferecido gratuitamente na rede pública de saúde

A prescrição e o acesso rápido ao Fosfato de Oseltamivir, medicamento conhecido comercialmente como Tamiflu é uma das principais recomendações do Protocolo de Tratamento de Influenza 2013, manual que orienta e atualiza a conduta dos profissionais de saúde no manejo da doença.  (…)

Ao estado de Santa Catarina foram enviadas, neste ano, 80 mil caixas de Oseltamivir, sendo 70 mil caixas na fórmula para adultos (75 mg), 5 mil caixas de 30 mg e 5 mil de 45 mg para uso pediátrico. Além disso, o estado possui em estoque 20.608 tratamentos para adultos, 392 caixas de 30 mg e 392 de 45 mg(fórmula infantil). Técnicos do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde monitoram os almoxarifados estaduais e, caso haja necessidade ou novas solicitações, mais remessas serão enviadas.

O medicamento é oferecido gratuitamente na rede pública e reduz complicações e óbitos pela doença. (…) Para retirar o antiviral, basta apresentar a prescrição médica emitida tanto por médicos da rede pública como da rede privada. (…)

Fonte: Ministério da Saúde – portalsaude.saude.gov.br

.

27 de maio de 2013

Tratamento da Gripe A

Ministério da Saúde já enviou aos estados 1 milhão de caixas de Tamiflu

do UOL

Todos os estados estão abastecidos com o Fosfato de Oseltamivir, medicamento conhecido comercialmente como Tamiflu.  O Ministério da Saúde mantém estoque estratégico do remédio. Só neste ano, foram enviados às secretarias estaduais 1.074.180 tratamentos do medicamento na fórmula adulto (75mg) e 151.300 caixas de uso pediátrico.

Antes desta distribuição, no entanto, os estados já possuíam estoque de 720.280 caixas para adultos e 87.666 para crianças. Cada caixa contém 10 comprimidos, suficientes para um tratamento completo.

(…) O medicamento é oferecido gratuitamente na rede pública e reduz complicações e óbitos pela doença. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, recomenda aos estados e municípios que facilite o acesso ao medicamento. Para isso, sugeriu que o antiviral seja disponibilizado em todas as unidades de saúde, nas UPAs, nos prontos socorros, facilitando o acesso ao tratamento. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/ciencia/2013/05/27/ministerio-da-saude-ja-enviou-aos-estados-1-milhao-de-caixas-de-tamiflu.htm

.

22 de maio de 2013

Ministério da Saúde anuncia ações para enfrentamento da gripe  

O Ministério da Saúde está adotando uma série de medidas para o enfrentamento da influenza deste ano. Além da campanha nacional de vacinação, que imunizou mais de 32 milhões de pessoas e ultrapassou a meta de 80% do público-alvo, diversas ações em curso visam à prevenção e a redução do número de casos e óbitos por agravamento da doença.

As medidas foram anunciadas nesta terça-feira (21) pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e abrangem deste a disponibilização de R$ 30 milhões para a preparação da rede ambulatorial e hospitalar ao tratamento de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), como a distribuição de 1,2 milhão de tratamentos de oseltamivir (tamiflu). Os recursos foram repassados aos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. (…)

Fonte: Ministério da Saúde – saude.gov.br

.

18 de maio de 2013

Gripe A em São Paulo

Gripe A já matou 28 pessoas na capital paulista em 2013

Estadão Conteúdo 

São Paulo – A vacinação contra a gripe no Estado de São Paulo termina nesta sexta-feira, 17. A capital paulista, no entanto, vai prolongar o período de imunização por mais duas semanas.
Na cidade, 28 pessoas morreram até hoje, em decorrência da gripe A (H1N1), também conhecida como gripe suína, desde o começo deste ano. O número representa 60,8% dos 46 óbitos registrados em todo o Estado até terça-feira, 14. Além das mortes, a capital apresenta 252 casos confirmados de gripe A de 1º de janeiro até esta sexta-feira. Em todo o ano passado, foram registradas apenas 48 notificações do vírus influenza A (H1N1), com nove óbitos.(…) Até o último balanço da Secretaria Municipal de Saúde, 1,8 milhões de doses foram aplicadas na capital. A pasta informou que as vacinas ficam disponíveis até o dia 29 maio em todas as Unidade Básica de Saúde (UBS) da cidade.(…) Além de medidas de higiene, uma forma de prevenção contra doença é tomar a vacina.

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/ciencia/2013/05/17/gripe-a-ja-matou-28-pessoas-na-capital-paulista-em-2013.htm

.

07 de maio de 2013

Mortes por Gripe A

Duas mortes por gripe A foram confirmadas em São José dos Campos, no Estado de São Paulo; uma mulher de 50 anos e um homem de 54 anos.

TV Globo News; Jornal da Globo News; Edição das Dez; 07 de maio de 2013

.

06 de maio de 2013

Mudanças climáticas e sanitárias

Em Joinville, no norte do Estado de Santa Catarina, foi registrado o primeiro caso de Gripe A (H1N1). Desde o início do outono, 5 casos de gripe A foram registrados no Estado.

Rede Globo de Televisão; RBS TV; RBS Notícias; 06 de maio de 2013

A cidade do Rio de Janeiro foi assolada hoje por uma forte ventania; árvores foram derrubadas e casas destelhadas. Os ventos chegaram a 92 quilômetros por hora.

Em Vitória, no Espírito Santo, ventos de até cem quilômetros por hora,”como um furacão”, causaram grandes estragos na cidade. “O lixo subia como redomoinho!”. !Olha a poeira subindo!”

Rede Bandeirantes de Televisão; Jornal da Band; 06 de maio de 2013

Rui Iwersen, editor

.

26 de abril de 2013

Prorrogado o prazo de vacinação contra a gripe

Primeiros casos de Gripe A de 2013

A Campanha de Vacinação contra as gripes, entre as quais está a Gripe A (H1N1) ou Gripe Suína, deveria encerrar-se hoje, mas foi prorrogada por mais dez dias. O Ministério da Saúde esperava vacinar cerca de 32 milhões de pessoas de grupos considerados de risco, e só vacinou até hoje 17 milhões de pessoas.

Segundo dados oficiais, o 5º  caso de Gripe A foi confirmado no Estado de São Paulo, o que mostra a utilidade da vacinação no período que antecede o inverno,

Rui Iwersen, editor

.

14 de abril de 2013

Vacinação contra a gripe começa na segunda-feira

São Paulo – Começa na segunda-feira (15), em todo o Brasil, a campanha nacional de vacinação contra a gripe. Neste ano, o período de vacinação ocorre entre 15 a 26 de abril, segundo comunicado do Ministério da Saúde.

A meta é vacinar 32 milhões de pessoas, o equivalente a 80% do grupo prioritário: idosos com 60 anos ou mais, crianças de seis meses a dois anos, indígenas, gestantes, pessoas privadas de liberdade e profissionais de saúde. “Também receberão a vacina mulheres no período de até 45 dias após o parto (em puerpério) e os doentes crônicos, que terão o acesso ampliado a todos os postos de saúde e não apenas aos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIEs)”, informa o ministério.

Fonte: AE

Rui Iwersen, editor

.

12 de abril de 2013

Vacinação inicia segunda

Segunda feira, dia 15, começa a campanha de vacinação contra a gripe. O Ministério da Saúde pretende imunizar 40 milhões de brasileiros.

Em santa catarina as doses já chegaram. Santa Catarina recebeu mais de 1,5 milhão de vacinas, que estarão disponíveis em todas as Unidades de Saúde do Estado.

Apesar de muitos mitos, a Vigilância Epidemiológica do Estado tranquiliza as pessoas. A vacina é eficaz para todos os tipos de gripe existentes na região.

Este ano foram incluídas os doentes crônicos  e as mulheres até 45 dias após o parto.

Fonte: RBS; Jornal do Almoço

Rui Iwersen, editor

..

26 de março de 2013

Campanha de vacinação contra as gripes começa dia 15 de abril

Ministério da Saúde pretende vacinar 31,3 milhões contra a gripe

Da Agência Brasil

Brasília –  O Ministério da Saúde pretende vacinar este ano 31,3 milhões de brasileiros contra a gripe. O número representa 80% de um total de 39,2 milhões de pessoas que integram os chamados grupos prioritários – gestantes, idosos com mais de 60 anos, crianças entre seis meses e dois anos, profissionais de saúde, índios, população carcerária e doentes crônicos. (…)

A Campanha Nacional de Vacinação começa no dia 15 de abril e segue até o dia 26 do mesmo mês. No dia 20 de abril (sábado), todos os 65 mil postos de saúde do país vão funcionar para um dia de mobilização. Ao todo, 240 mil profissionais de saúde devem participar da ação, além de 27 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais. (…) O secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, destacou que a vacina é segura e só é contraindicada para pessoas com alergia severa a ovo. (…)

“A vacina contra a influenza é o melhor método que temos para reduzir o risco de casos graves e de internação”, disse Padilha. “É importante que a gente mantenha altas taxas de cobertura vacinal”, completou. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2013/03/26/ministerio-da-saude-pretende-vacinar-313-milhoes-contra-a-gripe.jhtm

Rui Iwersen, editor

.

18 de março de 2013

Mutação do vírus da gripe A

“Uma nova forma de vírus da gripe suína, resistente ao Tamiflú, foi descoberta na Austrália. Os pesquisadores calculam que este novo vírus representa 3% dos vírus da gripe A circulantes no país”.

TV Globo News; Jornal da Globo News; 18 de março de 2013

Rui Iwersen, editor

.

01 de março de 2013

Benefícios da vacina

Vacina contra gripe pode reduzir nascimentos prematuros

do UOL Notícias e The New York Times

Mulheres grávidas que receberam a vacina contra a gripe durante a pandemia da influenza em 2009 reduziram o risco de dar a luz a bebês prematuros, de acordo com um novo estudo.

Normalmente, as taxas de vacinação contra a gripe entre as mulheres grávidas têm sido entre 13 e 18% em nível nacional nos Estados Unidos. Mas um incentivo das autoridades de saúde durante a temporada de 2009 levou as taxas de vacinação contra a gripe A (H1N1) até cerca de 45% nos Estados Unidos, o que permanece desde então.

Algumas grávidas têm se mostrado relutantes em receber a vacina contra a gripe por preocupação com a saúde do feto, mas o estudo mostrou que a vacinação contra a gripe não é apenas segura, mas protege, disse Saad Omer, da Escola Rollins de Saúde Pública da Universidade Emory, o autor principal do estudo. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2013/03/01/vacina-contra-gripe-pode-reduzir-nascimentos-prematuros.jhtm

Rui Iwersen, editor

.

21 de fevereiro de 2013

Transmissão das gripes

Pessoas com gripe lançam vírus para bem mais longe do que se pensava

 do UOL Notícias  e The New York Times

A temporada de gripe intensa deste ano nos EUA foi suficiente para fazer com que todos desejassem manter distância de quem estava tossindo ou espirrando. Mas a distância de um braço talvez não seja suficiente. O senso comum diz que a gripe é transmitida principalmente por meio de contato próximo com pessoas ou ao tocar superfícies contaminadas.

Um estudo recente de cientistas da Escola de Medicina Wake Forest, entretanto, mostrou que pessoas gripadas podem lançar partículas de vírus para bem mais longe do que se pensava: quase dois metros de distância. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2013/02/21/gripados-lancam-virus-para-bem-mais-longe-do-que-se-pensava.jhtm

Rui Iwersen, editor

.

13 de fevereiro de 2013

Nova gripe

Novo vírus fatal de gripe ‘pode ser transmitido por contato humano’

da Folha.com e BBC NEWS

Terceiro caso no país de gripe fatal foi contraído por contato de paciente com parente próximo, disseram autoridades As autoridades sanitárias do Reino Unido disseram nesta quarta-feira ter evidências de que uma doença respiratória aguda parecida com a Sars –que foi objeto de um alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2003– seja capaz de se alastrar por contato humano.

A doença é transmitida através do contato com animais, mas, se houver possibilidade de transmissão através do contato humano, o risco para a população é maior, explicaram as autoridades.

(…) No mundo, foram diagnosticados onze casos da doença desde os primeiros diagnósticos, no fim do ano passado. Cinco pacientes morreram. No Reino Unido, onde três casos foram registrados, duas pessoas que contraíram o vírus haviam viajado do Oriente Médio para a Europa. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2013/02/13/novo-virus-fatal-de-gripe-pode-ser-transmitido-por-contato-humano.jhtm

Rui Iwersen, editor

.

30 de janeiro de 2013

Estudo mostra que chineses são mais vulneráveis à gripe

Paris – Quase um quarto dos chineses étnicos possui uma variante genética que aumenta em seis vezes seu risco de adoecer gravemente quando infectados com o vírus da gripe, segundo estudo publicado esta terça-feira (29).

Cientistas da China e da Grã-Bretanha analisaram dados hospitalares chineses durante a pandemia de gripe provocada pelo vírus H1N1 entre 2009 e 2010. Pacientes que tinham a pequena variante se mostraram seis vezes mais propensos a tratar formas severas da infecção em comparação com os pacientes com um tipo genético diferente, descobriram os pesquisadores. A variante se baseia em uma única mudança no código de um gene chave do sistema imunológico. O gene IFITM3 (proteína transmembrana induzida por interferon 3) determina como as células combatem o vírus influenza, causador da gripe. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2013/01/30/estudo-mostra-que-chineses-sao-mais-vulneraveis-a-gripe.jhtm

Rui Iwersen, editor

.

23 de janeiro de 2013

Vacina em crianças

Distúrbio do sono incurável afeta cerca de 800 crianças que tomaram vacina contra H1N1 na Europa

do UOL Notícias com Reuters e Folha.com

Cerca de 800 crianças europeias desenvolveram narcolepsia – uma doença incurável que causa crises de sono incontroláveis durante o dia – após terem recebido a vacina Pandemrix, contra o vírus da gripe H1N1 (‘gripe suína’), produzida pela GlaxoSmithKline.

A jovem Emelie Olsson, de 14 anos, é uma delas. Ela tem dificuldade de se manter acordada durante o dia e perde aulas com frequência por causa do problema. Ao acordar, ela às vezes fica paralisada, com falta de ar e sem conseguir pedir ajuda. Além disso, ela tem pesadelos e alucinações. Países como a Finlândia, a Noruega, a Irlanda e a França também registraram aumento nos casos de narcolepsia em crianças após a implementação da vacina. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2013/01/22/disturbio-do-sono-incuravel-afeta-cerca-de-800-criancas-que-tomaram-vacina-contra-h1n1-na-europa.jhtm

Rui Iwersen, editor

.

16 de janeiro de 2013

Gripe A no Hemisfério Norte

Governo nega que gripe nos EUA deva cancelar viagem

São Paulo – O governo brasileiro divulgou nesta segunda-feira orientações para quem está ou planeja visitar os Estados Unidos devido ao aumento de casos de gripe. A Agência Brasil informa que, segundo o Ministério da Saúde, “os sorotipos virais que estão circulando, de maneira predominante nos EUA e no Canadá, são o influenza H3N2 e o influenza B”.

De acordo com o governo, a vacina aplicada em países do Hemisfério Sul, incluindo o Brasil, no primeiro semestre do ano passado, protege contra os dois tipos. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2013/01/14/governo-nega-que-gripe-nos-eua-deva-cancelar-viagem.jhtm

Rui Iwersen, editor

.

14 de janeiro de 2013

Surto de gripe coloca NY em estado de emergência de saúde pública

do UOL Notícias e BBC

A gravidade do surto de gripe que atinge 47 Estados norte-americanos fez com que o governador de Nova York, Andrew Cuomo, declarasse estado de emergência de saúde pública no Estado, informa o site da rede BBC.

Cerca de 20 mil casos de gripe foram registrados no Estado de Nova York neste inverno, mais de quatro vezes o número de casos do mesmo período do ano passado. Na semana passada, 7,3% das mortes nos Estados Unidos foram causadas por pneumonia e gripe, percentual imediatamente acima do nível considerado epidemia, informou o Centro para o Controle de Prevenção de Doenças (CDC, pela sigla em inglês). Os únicos Estados onde não há uma epidemia da doença são Califórnia, Havaí e Mississippi.

Rui Iwersen, editor

.

12 de novembro de 2012

Pesquisadores intensificam busca por vacina antigripe “universal”

da Folha.com e New York Times

Com a intensificação da temporada da gripe no hemisfério Norte, os médicos têm um novo arsenal de vacinas à sua disposição. Elas geralmente protegem bem, mas por pouco tempo. “Na história da imunologia, é a única [vacina] que atualizamos a cada ano”, diz Gary Nabel, diretor do Centro de Pesquisa de Vacinas do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos. É assim desde o advento da vacina antigripe, na década de 1950. No entanto, estudos recentes trazem esperanças de uma mudança.

Nabel e outros especialistas anteveem uma época em que as vacinas sazonais contra a gripe serão substituídas por uma imunização duradoura. “Essa é a meta: duas doses quando você é jovem e depois reforços mais tarde”, afirmou Nabel. Essa vacina seria de grande valia na luta contra surtos sazonais de gripe, que matam cerca de 500 mil pessoas por ano. Mas Sarah Gilbert, da Universidade de Oxford, argumenta que ela poderia trazer um benefício ainda maior. “A vacinação universal trará fim à ameaça de uma pandemia de influenza”, escreveu ela em um recente estudo. (…)

Meses antes da temporada de gripes, eles precisam intuir quais cepas serão dominantes. Os laboratórios então combinam fragmentos de proteínas dessas cepas para criar uma nova vacina. (…) Gilbert e seus colegas estão tentando produzir uma vacina, baseada nos linfócitos T, que possa localizar esse alvo. Os cientistas já descobriram que, quando as células T aprendem a reconhecer proteínas de um tipo de vírus, elas conseguem atacar muitos outros tipos. (…)

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2012/11/12/pesquisadores-intensificam-busca-por-vacina-antigripe-quotuniversalquot.jhtm

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

05 de setembro de 2012

Estratégia de combate à gripe suína é revista no Sul

 do UOL Notícias e O Estado de S. Paulo

Florianópolis – O elevado número de mortes na Região Sul em decorrência da gripe suína levou dois Estados a revisar sua estratégia de combate à doença. Até o dia 20 de agosto, o país registrou 2.398 casos da doença e 307 mortes. Desse total, 1.786 pessoas adoeceram e 177 morreram na Região Sul.

Em Santa Catarina, que teve 755 casos confirmados e 74 óbitos, a Secretaria de Estado da Saúde planeja uma aproximação mais estreita com os médicos para sensibilizá-los sobre o tratamento correto, com o oseltamivir, conhecido pela marca Tamiflu. Um dos motivos apontados para o aumento das mortes é de que profissionais trataram os pacientes de maneira tradicional, evitando o uso do antiviral. “Vamos realizar eventos com os profissionais para explicar o procedimento correto e conscientizar sobre a importância do medicamento. Essas conferências também estarão disponíveis na internet e poderão ser acessadas por todos os médicos”, diz Fábio Gaudenzi, diretor de Vigilância Epidemiológica (Dive). (…) No RS, o governo estadual está fazendo uma auditoria de cada um dos 63 óbitos registrados neste ano no Estado para identificar eventuais falhas de pacientes, famílias, médicos ou estrutura de atendimento. (…)

Em nota divulgada também nesta terça-feira, o Ministério da Saúde informa que “o secretário Jarbas Barbosa reiterou que o foco da política do ministério é a ampliação do acesso oportuno ao oseltamivir, a exemplo da experiência adotada pelo Chile durante a pandemia da doença em 2009”. Segundo a nota, “para o secretário, não faz sentido a discussão em torno do uso da vacina em outros grupos além dos já contemplados pela campanha do Ministério da Saúde quando estudos apontaram que a grande maioria dos óbitos no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina neste ano foi causada pelo acesso tardio ao oseltamivir, ao contrário do protocolo de tratamento estabelecido pelo Ministério da Saúde”.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

10 de agosto de 2012

Pesquisadores estudam vacina contra todas as gripes

Pesquisadores dos Estados Unidos, Holanda e Hong Kong podem ter achado um caminho para o desenvolvimento de uma vacina universal contra gripe. O almejado produto, se um dia vier a ser criado, poderia não somente imunizar contra todos os tipos de vírus que causam a doença como acabar com a necessidade, ao menos na teoria, de as pessoas terem de tomar uma dose de uma nova vacina todos os anos.

O grupo descreveu três anticorpos humanos que protegeram camundongos contra diferentes linhagens de influenza tipo B – um grupo de vírus bem menos letal que o tipo A (o da gripe suína) e, por isso mesmo, menos estudado. Mas ele merece atenção porque, de tempos em tempos, pode ser responsável por mais casos que o tipo A e ser mais grave em crianças. Anteriormente essa mesma equipe de cientistas já havia encontrado anticorpos que neutralizaram as cepas de influenza A. A expectativa é que essas descobertas, combinadas, possam providenciar informações-chave para o desenho da tão esperada vacina universal. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

,

09 de agosto de 2012

RS [Rio Grande do Sul] registra mais duas mortes por gripe A

Porto Alegre – A gripe A causou a morte de mais duas pessoas no Rio Grande do Sul, de acordo com o boletim divulgado nesta quinta-feira pela Secretaria Estadual de Saúde do Estado. No total, o Estado registra até o momento 55 mortes pelo vírus H1N1 no ano e 435 pessoas diagnosticadas com a doença (ante 415 reportados no documento anterior, divulgado na segunda-feira, dia 6).

Santa Catarina, que registra o maior número de mortes por gripe A no ano, também divulgou novo balanço da doença. O boletim da Diretoria de Vigilância Epidemiológica do Estado reportou mais uma morte pela doença, registrada no dia 26 de julho. São 73 vítimas do vírus H1N1 no ano e 752 pessoas infectadas.

.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

05 de agosto de 2012

Novo boletim confirma tendência de queda no número de óbitos por gripe A

 UOL Notícias e Agência Brasil

O Ministério da Saúde registra 254 mortes de pacientes por infecção com o vírus Influenza H1N1 desde janeiro até 29 de julho passado. Um boletim atualizado obtido nesta sexta-feira (3) pela Agência Brasil confirma a tendência de queda do número de óbitos nas últimas semanas. O pico do número de mortes por influenza A (H1N1) – gripe suína, a infecção provocada pelo vírus, ocorreu na 25ª semana do ano, entre os dias 17 e 23 de junho, quando 46 pessoas morreram. Nas três semanas seguintes, o total de mortes caiu, sucessivamente, para 36, 28 e 18. Como ainda há óbitos em investigação, esses números devem sofrer alterações nos próximos dias.

Das 254 mortes verificadas no país, 154 (60,6%) ocorreram na Região Sul e 70 (27,6%), na Região Sudeste. O Centro-Oeste registrou 17 mortes. O Nordeste teve sete. E o Norte, seis. Estado com maior número de mortos (72) pelo vírus, Santa Catarina não registra novos óbitos desde o dia 23 de julho. O Rio Grande do Sul também já detectou uma tendência de queda do nível de mortalidade da doença. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

01 de agosto de 2012

Pernambuco tem a primeira morte por gripe A em 2012

da Folha.com

A Secretaria de Saúde de Pernambuco confirmou a primeira morte por gripe A este ano no Estado. A vítima é uma mulher que morava em Salgueiro (a 520 km de Recife). Ela morreu em junho, após contrair a doença em uma viagem a Alagoas. O diagnóstico só foi confirmado nesta terça-feira (31).A mãe da mulher também adoeceu no mesmo período, mas sobreviveu. Os dois casos são os únicos confirmados de gripe A em Pernambuco neste ano. Até 27 de julho, 11 casos da doença haviam sido notificados no Estado. (…)

 Rui Iwersen, editor

.31 de julho de 2012

Região Sul registra 153 mortes de pacientes com o vírus H1N1

A Secretaria de Saúde do Paraná confirmou hoje (30) a ocorrência de mais oito mortes de pacientes com o vírus Influenza H1N1. A Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul também informou mais uma morte. Com esses dados, sobe para 153 o total de mortes causadas este ano pela doença na região Sul – 72 em Santa Catarina, 48 no Rio Grande do Sul e 33 no Paraná.

O Paraná contabiliza 986 casos da doença confirmados em laboratório desde janeiro; Santa Catarina, 741 e o Rio Grande do Sul, 383. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

30 de julho de 2012

Mortes de pacientes com o vírus Influenza H1N1 na Região Sul sobem para 144

26/07/2012 –  UOL Notícias e Agência Brasil, em Curitiba

O total de pacientes com o vírus Influenza H1N1 mortos este ano chegou a 144 na Região Sul do país. Nesta quinta-feira (26), a Secretaria de Saúde de Santa Catarina confirmou mais dez mortes – nove delas ocorridas antes do último dia 19. A décima morte aconteceu no dia 23. Outra morte foi confirmada pela Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul.
Essas 11 mortes não estão contabilizadas no balanço do Ministério da Saúde divulgado ontem, que contém dados das secretarias estaduais de Saúde até dia 21 e que contabilizava 210 óbitos em todo o país.

Das 144 mortes registradas em 2012 na região, 72 ocorreram em Santa Catarina, 47 no Rio Grande do Sul e 25 no Paraná, que divulgará novo boletim na segunda-feira (30). Em todo o país, de janeiro até o último dia 21 de julho, houve 210 mortes causadas pela Influenza A (H1N1) – gripe suína. Esse número corresponde a 10,2% do registrado em 2009, quando 2.060 pessoas morreram no Brasil em razão da doença. (…)

Rui Iwersen, editor

.

27 de julho de 2012

O PARADIGMA DO TRATAMENTO DA GRIPE

Há séculos a população mundial é assolada pelo vírus influenza. No século XX passamos por várias pandemias, com milhões de mortes. Progressivamente, a gripe acabou sendo banalizada e sua potencial gravidade não adequadamente valorizada.

Em 2009, com o surgimento de um novo subtipo com potencial pandêmico, o Influenza A (H1N1), a gripe tornou-se um assunto com grande importância novamente. Mas a cultura geral ainda é de que gripe não se trata, que não é doença com potencial de gravidade. Porém, estima-se 500.000 óbitos por gripe no planeta a cada ano.

Com o aumento do conhecimento e surgimento de novas tecnologias, hoje o enfrentamento da gripe é baseado em três pilares:

  1. Redução da transmissão do vírus com as medidas de etiqueta da tosse e lavagem das mãos, com consequente redução de circulação viral.
  2. Proteção das faixas mais vulneráveis para doença grave com vacina (pacientes portadores de doenças crônicas devem ser encaminhados pelo médico com receituário indicando a vacina às unidades de saúde municipais).
  3. Tratamento precoce com o antiviral específico dos casos graves ou com fatores de risco para doença grave.

As equipes de saúde precisam estar alerta para identificar rapidamente os pacientes com síndrome gripal – SG – (febre, tosse e dor de garganta, podendo estar acompanhados de cefaleia, mialgia, artralgia e sintomas catarrais), medicando prontamente com oseltamivir os portadores de fatores de risco (menores de 2 anos, gestantes em qualquer idade gestacional, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas,  população indígenas). A critério do médico examinador outros pacientes podem ser tratados. Lembramos que a melhor ação da medicação ocorre nas primeiras 48 horas de doença, fato que reforça a necessidade de avaliação e tratamento precoce. (…) Todos os pacientes com SG e que apresentarem sinais de gravidade, sobretudo dispneia, hipoxemia ou alterações radiográficas pulmonares, requerem atenção redobrada, com início imediato de oseltamivir, realização de exames complementares para definição da conduta, encaminhamento para unidade com suporte adequado e medidas de vigilância epidemiológica (coleta de secreção nasofaríngea para determinação de agente etiológico e notificação do caso internado de Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG – definida como febre, tosse e dispneia).

Com tais medidas há uma redução importante na progressão para doença grave e consequentemente redução nos óbitos. (…)

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina mantém em seu site www.dive.sc.gov.br links para os protocolos de conduta e demais informações pertinentes.

Fábio Gaudenzi de Faria

CREMESC 10.944

Médico Infectologista e Diretor de Vigilância Epidemiológica SES/SC

Fonte: E-CREMESC, Conselho Regional de Medicina de Santa Catarina

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

23 de julho de 2012

Região Sul confirma mais dez mortes por gripe A

– Folha.com

A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul confirmou nesta segunda-feira mais oito mortes devido à gripe A (H1N1). O total de mortos no Estado em consequência da doença subiu para 46. No Paraná, a Secretaria da Saúde confirmou mais duas mortes em decorrência da gripe, ambas na região metropolitana de Curitiba. O Estado contabiliza 25 mortes pela doença desde o início do ano.
Já Santa Catarina é o Estado com mais mortes em 2012 no país –62. Ao todo, são 133 mortes em toda a região Sul. (…)Mulheres são a maioria entre as vítimas. A faixa de idade com mais mortos é a entre os 40 e os 59 anos. Há também quatro crianças que tinham de três meses a quatro anos de idade. Metade não tinha nenhum fator de risco, como cardiopatia ou diabetes. Dois dos mortos tinham sido vacinados, segundo a secretaria. Outros seis estão sob investigação. Os demais não tomaram a vacina. (…)
.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet

..

19 de julho de 2012

Santa Catarina tem mais 10 mortes por gripe A

do UOL Notícias

Um novo boletim divulgado nesta quinta-feira pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina aponta que o vírus H1N1 foi responsável pela morte de mais 10 pessoas neste ano, alcançando o total de 62 vítimas e 685 casos diagnosticados.
Entre as vítimas, apenas uma não apresentava outras doenças associadas e duas eram pacientes maiores de 65 anos. O relatório não informa se os pacientes estavam vacinados. O novo boletim mostra ainda que Santa Catarina segue com o maior número de mortes associadas à gripe A neste ano.
O Rio Grande do Sul registrava 33 mortes até a última segunda-feira e o Paraná somava 23 mortes no período. Mesmo com o novo boletim de SC, o Paraná é o Estado com o maior número de casos diagnosticados, 760. (…)
.
 Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.,..

18 de julho de 2012

Gripe A já matou 159 pessoas no Brasil este ano

do UOL Notícias

        Brasília – Pelo menos 159 pessoas morreram no País neste ano vítimas da gripe suína. Dados oficiais divulgados nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde mostram que a maioria dos óbitos, 104, ocorreu nos Estados da Região Sul. Santa Catarina registrou 55 mortes, o que garante ao Estado o título de campeão em óbitos decorrentes da gripe. (,,,) O total de pacientes hospitalizados no País e confirmados com gripe suína soma até agora 1.449 pessoas. Mais uma vez a Região Sul também contabilizou a maioria dos casos, com 1.117 internações. Em São Paulo, foram registradas 170 internações e 24 mortes por causa da gripe.Ao divulgar os números, o Ministério da Saúde ressaltou que foram disponibilizados a todos os Estados e municípios o medicamento Oseltamivir, vendido como Tamiflu. Segundo o Ministério, todos os Estados e municípios têm estoque do medicamento que é usado no tratamento da doença e reduz a possibilidade de evolução para um caso mais grave ou morte. O medicamento pode também ser comprado nas farmácias sem a necessidade da retenção da receita médica. (…)
.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet.

..

16 de julho de 2012

Mortes por gripe A no Paraná sobem para 23 casos

UOL Notícias

O Paraná voltou a registrar mortes em decorrência da gripe A, alcançando 23 vítimas do vírus H1N1 neste ano, conforme boletim divulgado nesta segunda-feira pela Secretaria Estadual de Saúde do Estado. No boletim anterior, divulgado na segunda-feira passada, as mortes somavam 14 casos, assim como no boletim prévio.

Ainda segundo o documento, o Paraná assume liderança de pacientes diagnosticados, 760. São 172 a mais do que apontado no levantamento da segunda-feira passada, crescimento de quase 30% no número de pessoas contaminadas pelo vírus.
.
.

Sobe para 33 número de mortes por gripe A no RS

Porto Alegre – O Rio Grande do Sul já soma 33 mortes em decorrência da gripe A neste ano, segundo boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde na tarde desta segunda-feira. São quatro novas vítimas da doença desde o levantamento anterior, do dia 12 de julho.O Estado também ultrapassou a marca das duas centenas de casos de pessoas infectadas pelo vírus H1N1 no ano. São 218 casos confirmados, ante 192 diagnósticos que constavam do boletim do final da semana passada. O número, no entanto, é bem menor do que os 635 casos confirmados e 52 mortes em Santa Catarina, conforme dados contabilizados até o dia 10 de julho.
.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

14 de julho de 2012

Santa Catarina tem 52 mortes causadas pela gripe A

do UOL Notícias

Santa Catarina registra 52 mortes pela gripe A desde o início do ano, de acordo com boletim divulgado na última quinta-feira (12) pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica do Estado (Dive), com dados contabilizados até o dia 10. Foram seis novas mortes confirmadas desde a última divulgação, cinco delas em pacientes com outras doenças associadas, para um total de 635 casos da doença registrados pelo departamento desde janeiro.

Santa Catarina é o Estado com o maior número de infectados pelo vírus H1N1 no país, superando o Paraná, que tem 588 casos diagnosticados e 14 mortes. No Rio Grande do Sul, são 192 casos confirmados e 29 vítimas fatais da doença. Os dados são divulgados pelas secretarias de Saúde dos Estados.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

13 de julho de 2012

Metade dos mortos por gripe A em Santa Catarina teve tratamento tardio, diz ministério

do UOL Notícias e Agência Brasil, em Curitiba

Dos primeiros 28 pacientes que morreram este ano em Santa Catarina após contrair a influenza A (H1N1) – gripe suína, 14 tiveram acesso tardio ao medicamento antiviral oseltamivir, conhecido pelo nome comercial Tamiflu. Eles tomaram o remédio mais de cinco dias após o início dos sintomas. A conclusão faz parte de um estudo divulgado hoje (13) pelo Ministério da Saúde. Os técnicos do ministério analisaram as primeiras 28 das 52 mortes causadas pela doença no Estado.

A eficácia do antiviral é maior nas primeiras 48 horas desde o surgimentos dos sintomas. “Se antes tínhamos indícios, agora temos informações concretas de que o tratamento, no momento adequado, ainda não está sendo adotado em todos os serviços”, disse o diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch. “Consideramos de fundamental importância que os profissionais prescrevam e forneçam, o mais rápido possível, o antiviral”, alertou.

(…) A síndrome gripal se caracteriza pelo surgimento simultâneo de febre, tosse ou dor de garganta, somados à dor de cabeça, dor muscular ou nas articulações. O medicamento foi retirado esta semana da lista de substâncias sujeitas a controle especial. Com a medida, o Tamiflu passou a ser comercializado nas farmácias com receita médica simples, e não mais em duas vias. O antiviral também está disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS).

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

11 de julho de 2012

Casos de gripe A no Sul passam de 1.300

O avanço no número de casos de gripe A nos Estados da região Sul levou a uma mudança de estratégia na prevenção e combate ao vírus. Ao invés de focar apenas na vacinação, secretarias de Saúde dos três Estados disseminam orientação para que a gripe não seja tratada em casa, levando os pacientes a tomarem, o mais rápido possível, o antiviral adequado para o vírus H1N1, o Oseltamivir, conhecido com o nome comercial de Tamiflu.

Segundo o Ministério da Saúde, esse protocolo existe desde o final do ano passado, mas o aumento de número de casos da gripe A fez com que as secretarias agilizassem mais recentemente a distribuição do medicamento nas unidades de atendimento. Além disso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) soltou na terça-feira (10) uma notificação dispensando o uso de receita controlada para a administração do antiviral Tamiflu. Agora, para comprar a medicação ou retirá-la no posto de saúde, as pessoas só precisam apresentar uma receita simples do médico. Isso deve facilitar ainda mais o tratamento de pessoas gripadas.

Ao todo, os três Estados somam 1.333 casos diagnosticados, com 84 mortes. Santa Catarina apresenta o maior número de doentes, com 600 casos confirmados e 47 mortes em decorrência da gripe A. Na segunda-feira, a secretaria de saúde gaúcha informou que o Estado soma 23 mortes pela doença. Os dados globais mais recentes do Ministério da Saúde sobre a doença em 2012 são de 3 de julho e apontam 1.099 pessoas contaminadas, com 110 mortes. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

,

.

Informações sobre a Gripe A (H1N1) de 2009 a junho de 2012

.

11 de maio de 2009

Editorial

A relação da Gripe Suína, da Gripe Humana, da Gripe Aviária, da Influenza A (H1N1), da Dengue, da Febre Amarela, da Doença de Chagas, da AIDS e de outras doenças com a globalização social e com as alterações climáticas e ambientais globais são evidentes. A Dengue, por exemplo,  já chegou na Argentina.

Os micro-organismos, especialmente os vírus, são altamente mutantes e, portanto, adaptáveis a novos ecossistemas e a novas condições ambientais e climáticas. As alterações ambientais produzidas pelo Homem, destruindo ou transformando os habitats naturais de muitas espécies de micro-organismos e de seus transmissores (como os mosquitos, barbeiros, ratos, aves e porcos, por exemplo), produziu, produz e produzirá novas espécies de vírus, bactérias e fungos, que podem ser patogênicas para aves, porcos, humanos e outras espécies animais ou vegetais.

Estes fenômenos são compreensíveis. Afinal, “a humanidade está extinguindo uma espécie a cada 13 minutos”.

No Antropoceno, era planetária dominada pela espécie Homo sapiens, a espécie que sobrevive tenta viver. Os vírus, para sobreviver ao Homem e conviver com o Homem e seus animais e vegetais domesticados e confinados, sofrem mutações.

Atualmente, globalizada social, cultural e economicamente, a Humanidade tem interesse em evitar toda e qualquer epidemia com possibilidade de globalização, o que caracterizaria uma pandemia.

Nesta página publicaremos notícias da evolução da epidemia de Gripe A.

Apresentamos hoje, a partir de BOL Notícias, síntese, trailer e fotos do filme “A Terra”. Coproduzido em parceria por BBC, Discovery Channel e Disney Nature, o filme de Alastair Fothergill e Mark Linfield é, na verdade, um prolongamento mais ambicioso da série “Planeta Terra” (2006), dirigida pelos mesmos cineastas e premiada com o Emmy. Mais,

Rui Iwersen, editor

.

11 de maio de 2009

Na matéria Perigo! Gripe Suína, a revista Época de 4 de maio de 2009 faz um histórico da epidemia desde o século XX. Diz a revista em seu artigo: “Segundo a revista New Scientist, a pandemia era previsível. Desde 1998, quando uma gripe suína matou milhões de porcos nos Estados Unidos, o vírus H1N1 vem circulando pelo rebanho suíno americano. Um em cada 5 funcionários das fazendas de porcos no país apresenta reagentes para gripes suínas, diz a revista, sinal de que foi contaminado por uma forma branda de vírus. Da mesma forma, o vírus da gripe humana deve ter infectado porcos. E os corpos dos animais se tornaram um criadouro de novas versões do H1N1. Em 2004, o médico Richard Webby, do Hospital Infantil St. Jude, de Memphis, Tennessee, disse que ‘a rápida evolução do vírus suíno tem o potencial para a emergência de uma pandemia de gripe na América do Norte’. Foi o que aconteceu”.(Conteúdo extra em www.epoca.com.br)

No dia 25 de abril, em uma teleconferência, a chefe da Organização Mundial da Saúde, Margaret Chan, alertou os países membros que “os surtos de gripe suína no México e nos Estados Unidos têm o potencial para causar uma pandemia mundial, mas é cedo demais para afirmar se isso vai ocorrer. Ela tem potencial de pandemia porque está infectando pessoas”, disse ela. “A nova cepa de gripe – uma mistura de vírus das gripes suína, humana e aviária, que já matou pessoas, entre casos suspeitos no México, e infectou pessoas nos Estados Unidos – ainda é pouco compreendida e a situação está evoluindo rapidamente”. Na quarta-feira, dia 29, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que a pandemia já chegou ao nível 5 de alerta em uma escala até 6 criada pela OMS em 2005, pois já haviam casos da doença confirmados em grande parte na América do Norte e Europa, além de mortes no México e nos EUA. O nível 4 de alerta é quando constata-se que “o microorganismo é transmissível entre humanos e que a doença pode se espalhar”; o nível 5 significa que “O contágio atinge pelo menos duas regiões diferentes. A epidemia se alastra”; e o nível 6 é quando “a epidemia torna-se global, com contágio generalizado”.

Segundo a Enciclopédia virtual Wikipédia ( www.wikipedia.org ), a contaminação se dá da mesma forma que a gripe comum, por via aérea, contato direto com o infectado, ou indireto (através das mãos) com objetos contaminados. Não há contaminação pelo consumo de carne ou produtos suínos. Cozinhar a carne de porco a 70 graus Celsius destrói quaisquer microorganismos patogênicos. Não foram identificados animais (porcos) doentes no local da epidemia (México). Trata-se, possivelmente, de um vírus mutante, com material genético das gripes humana, aviária e suína.

Hoje, conhecido o agente etiológico da “Nova Gripe” (virus com material genético das gripes humana, aviária e suína) e registrados pela OMS cerca de 3.500 casos da Influenza A (H1N1) em 29 países de 3 continentes, sendo 6 casos confirmados no Brasil, publicamos um resumo do material esclarecedor e tranquilisador – Para Entender a Influenza: Perguntas e Respostas – publicado em seis de maio de 2009 pela Assessoria de Imprensa do Ministério da Saúde em seu site – Portal da Saude (www.saude.gov.br).

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

watermark.php (7)4

Para entender a influenza: perguntas e respostas

.

Ministério da Saúde; Portal da Saúde.

O que é a Influenza A (H1N1)?

É uma doença respiratória aguda (gripe), causada pelo vírus A (H1N1). Este novo subtipo do vírus da influenza, assim como a gripe comum, é transmitido de pessoa a pessoa principalmente por meio de tosse ou espirro e de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas.

Há tratamento para Influenza A (H1N1) no Brasil?

Sim. Há um medicamento antiviral (fosfato de oseltamivir) indicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e disponível na rede pública de saúde que será usado apenas por recomendação médica, a partir de um protocolo definido pelo Ministério da Saúde. Ninguém deve tomar o medicamento sem indicação médica. A automedicação pode mascarar sintomas, retardar o diagnóstico e até causar resistência ao vírus.

O Brasil tem estoque de medicamento para tratamento de pacientes?

Sim. O Ministério da Saúde conta com estoque estratégico suficiente para tratamento de casos de influenza A (H1N1). Para uso imediato, há 6.250 tratamentos adultos e 6.250 pediátricos, que estão sendo enviados aos estados de acordo com a necessidade. Além disso, o governo brasileiro possui, acondicionada em tonéis, matéria-prima para 9 milhões de tratamentos. O medicamento bruto está pronto para ser transformado em cápsulas. O inicio do processamento será indicado pelo Ministério da Saúde, conforme a necessidade.

O que é uma pandemia?

Uma pandemia ocorre quando surge um novo vírus [ou outro microorganismo] contra o qual a população não está imunizada – não há vacina pronta, nem o corpo das pessoas conhece o vírus. Assim, muitos são atingidos, resultando em uma epidemia que se espalha em diversos países. Fatores como o incremento do fluxo de pessoas entre países, a urbanização e o crescimento populacional contribuem para acelerar esse processo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) divide seus países membros em seis regiões: África, Américas, Sudeste Asiático, Europa, Mediterrâneo Oriental e Pacífico Ocidental. Além disso, possui fases de alerta para pandemia, em uma escala de 1 a 6. O alerta 5 da OMS, fase em que nos encontramos no momento, é quando há transmissão sustentada do vírus, de homem para homem, em pelo menos dois países de uma dessas regiões. O organismo internacional eleva o nível de alerta para a fase 6 quando há uma transmissão sustentada do vírus, de homem para homem, em pelo menos duas dessas regiões.

Como o Brasil está se preparando para uma pandemia de Influenza A (H1N1)?

O Brasil está bem preparado para uma possível pandemia. Isso porque o governo brasileiro já havia começado a estruturar sua rede de vigilância para influenza há nove anos (em 2000). Por causa de uma então possível pandemia de gripe aviária, em 2003, o governo brasileiro constituiu um comitê técnico para a elaboração do plano de preparação brasileiro para o enfrentamento de uma pandemia de influenza. Esse plano está pronto há mais de dois anos e começou a ser colocado em prática no momento em que o Brasil foi notificado pela OMS dos casos de Influenza A (H1N1), em 25 de abril passado. O Brasil conta com 54 centros de referência, em todo o Brasil, preparados para tratar possíveis doentes. Estas unidades se enquadram em parâmetros exigidos pela OMS para o atendimento a essa doença, com área livre para isolamento de contato, equipamentos de proteção individuais para acompanhamento, exames e tratamento dos casos.

Rui Iwersen

18 de maio de 2009

62ª Assembleia Mundial de Saúde, OMS, Genebra, Suiça

Apesar de pressão, OMS mantém nível 5 de alerta mundial da gripe suína

Do UOL Notícias; www.noticias.uol.com.br

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) Margaret Chan afirmou, nesta segunda-feira (18), que ainda não irá aumentar o nível de alerta mundial da gripe suína, que permanece em nível 5 (em uma escala que vai de 1 a 6). (…) Chan disse que, apesar do momento de incerteza, a OMS continuará com o alerta 5 anunciado mês passado. A diretora também falou, durante a Assembleia Geral da OMS, que ninguém pode prever quando o alerta irá mudar. O risco, segundo Chan, é que ocorra uma mutação no vírus da gripe suína, conforme ele se misture com outros vírus, se tornando ainda mais perigoso. De acordo com o último balanço divulgado pela OMS, são 8.480 casos da doença em 39 países, incluindo 72 mortes. Nos Estados Unidos foram registrados 4.714 casos, incluindo quatro mortes. O país é o mais atingido pela doença até o momento. O México, considerado epicentro da doença, registrou 2.895 casos da doença, incluindo 66 mortes.

.

OMS adverte que pandemia da gripe ainda é possível

Da Efe

Genebra – A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, pediu hoje aos países que não baixem a guarda perante a gripe suína e advertiu que a possibilidade de uma pandemia ainda existe. Após dizer que ninguém sabe “quanto durará” a incidência de casos leves, lembrou que, enquanto essa nova gripe estiver circulando pelo mundo, não se pode descartar o risco de que se combine com outros vírus. “Estamos em um momento de grande incerteza”, declarou Chan ao inaugurar a Assembleia Mundial da OMS.

.

Brasil e México pressionam OMS na Suíça por mais inovações tecnológicas para conter o vírus da gripe suína

Do UOL Notícias; www.noticias.uol.com.br

Brasil e México pressionaram nesta segunda-feira [18] a OMS (Organização Mundial da Saúde) para que as inovações tecnológicas que permitam melhorar a detecção do vírus da gripe suína – o A (H1N1) – sejam tratadas como bens públicos. Os dois países defenderam que o mesmo ocorra com o desenvolvimento de medicamentos, vacinas e insumos para o diagnóstico durante a abertura oficial da 62ª Assembleia Mundial de Saúde, em Genebra, na Suíça. As informações são do Ministério da Saúde. O Brasil também defendeu que a OMS coordene esforços para expandir a capacidade de produção de vacinas, antivirais e kits de diagnóstico. E que essa produção seja feita a preços acessíveis. Para o ministro José Gomes Temporão (Saúde), o Brasil está comprometido com novos acordos que permitam a partilha de informações sobre o vírus e o acesso às vacinas. “A rápida propagação da nova gripe mostra que a saúde é definitivamente um problema global e exige respostas coordenadas e de cooperação”, discursou.

Rui Iwersen, editor

.

02 de junho de 2009

Brasil apresenta 23 casos confirmados, dos quais 7 autóctones, isto é, contraidos no próprio pais.

Rui Iwersen, editor

.

11 de junho de 2009

OMS eleva nível de alerta para 6

De Rui Iwersen, GaiaNet

A Organização Mundial da Saúde (OMS) eleva para 6 o nível de alerta contra a epidemia da gripe causada pelo vírus Influenza A (H1N1), o que significa pandemia, ou epidemia global. A OMS anuncia o registro de 30.000 casos da Nova Gripe em 74 paises e 144 mortes. Nos EUA, com cerca de 5.000 casos confirmados, ocorreu a 6ª vítima da epidemia. Em Nova York 11 escolas estão fechadas. No Japão sobe o número de casos autóctones. No Brasil foram registrados até agora 52 casos.

Segundo o Ministro da Saúde do Brasil, “a política do Ministério da saúde não muda. Manteremos vigilância, diagnóstico e tratamento da doença”. O Ministério da Saúde tem antivirais suficientes para 12.500 tratamentos.

Para o Presidente da ONU, Bankin Mun, “as medidas [de controle da epidemia] devem ter critérios científicos”.

A letalidade da doença mostra-se de 0,5% e é considerada baixa.

.

OMS declara que gripe suína atingiu nível de pandemia

Folha Online

A OMS (Organização Mundial da Saúde) informou nesta quinta-feira (11) aos países-membros a existência de uma pandemia (epidemia generalizada) de gripe suína –como é conhecida a Gripe A (H1N1). O motivo foi a abrangência da doença, que já atingiu diversas regiões do mundo, e não a periculosidade do vírus. A decisão de passar do nível 5 para o atual nível 6, o máximo na escala de alerta de pandemias, foi tomada depois que o número de casos aumentou nos Estados Unidos, na Europa, na América do Sul e em outras regiões.

Rui Iwersen, editor

.

15 de junho de 2009

Registrada a primeira morte por Gripe A na Argentina. Brasil tem 74 casos confirmados da doença.

Rui Iwersen, editor

.

16 de junho de 2009

Diretora da OMS diz que pandemia de gripe suína é “moderada”

BOL Noticias com Associated Press e Reuters.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) elevou nesta quinta-feira (11) para 6 o nível de alerta por causa da gripe suína, como é conhecida a gripe A (H1N1), mas afirmou que trata-se de “uma pandemia moderada”. “Pandemia significa extensão [do vírus]. Mas um maior nível de alerta pandêmico não significa necessariamente que vamos ver um vírus mais perigoso ou que muita gente vá ficar gravemente doente”, disse, em entrevista coletiva, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan. O anúncio, aguardado nos últimos dias, é a confirmação científica de que um novo vírus da gripe surgiu e rapidamente se espalhou pelo globo, e não que o vírus se tornou mais perigoso. (…) Na última quarta-feira [10], a organização relatou que 74 países informaram sobre 27.737 casos da doença, incluindo 141 mortes.

.

Virus isolado e sequenciado no Brasil

BOL Notícias; www.noticias.bol.com.br

Hoje o Instituto Adolfo Lutz, ligado ao governo do Estado de São Paulo, anunciou que conseguiu isolar e sequenciar o vírus da gripe suína –como é chamada a gripe A (H1N1)– e detectou uma nova “estirpe” da doença no Brasil. Os técnicos brasileiros perceberam um padrão diferente para o vírus daquele que foi registrado pelo CDC (Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos) com base em amostras retiradas de pacientes da Califórnia.

Mesmo com mutação do vírus da gripe detectada em São Paulo, eficácia de vacina persiste.

A vacina contra a gripe suína anunciada pela Novartis na última sexta-feira (12) não perderá sua eficácia com a mutação detectada após isolamento e sequenciamento do vírus pelo Instituto Adolfo Lutz, anunciado nesta terça-feira.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

18 de junho de 2009

Sanofi-Aventis doará 100 milhões de vacinas contra gripe para a OMS.

Companhia afirmou que vai reservar 10% de sua produção para ajudar a OMS na luta contra a pandemia.

Boletim Olhar Vital (UFRJ), Edição 176. Com AP e Efe

TRENTON, EUA – A farmacêutica francesa Sanofi-Aventis planeja doar milhões de doses da vacina da gripe suína para a Organização Mundial da Saúde (OMS) usar em países pobres, disse seu chefe executivo Christopher Viehbacher nesta quarta-feira, 17. Viehbacher afirmou que sua companhia está fazendo uma “doação flexível” de um total de 100 milhões de doses da vacina contra a gripe suína e aviária. A companhia a comprometeu-se, em junho do ano passado, a doar 60 milhões de doses da vacina contra a gripe aviária, a cepa H5N1 da influenza. Discursando durante a Cúpula de Saúde do Pacífico, uma reunião de autoridades globais da ciência, indústria, medicina e saúde pública, Viehbacher disse que quer apoiar o pedido da diretora-geral da OMS, Margaret Chan, por ações conjuntas contra a pandemia de gripe. “Tempos excepcionais exigem respostas excepcionais. Precisamos agir com responsabilidade e todos temos que fazer a nossa parte”, disse. Viehbacher afirmou que uma vez que sua companhia inicie a produção da vacina, ela reservará 10% de sua produção para ajudar a OMS na luta contra a pandemia em países em desenvolvimento. A Sanofi também planeja vender sua produção adicional da vacina a preços mais baixos para países em desenvolvimento, conforme a capacidade de produção permitir. A farmacêutica rival, GlaxoSmithKline PLC, do Reino Unido também afirmou que irá fazer isso e se ofereceu para doar 50 milhões de doses da vacina contra a gripe suína para a OMS.

Outra gigante farmacêutica, a Novartis, disse na segunda-feira, 15, que não fará doações de vacina para os países pobres combaterem a pandemia de gripe suína. O laboratório argumentou que os países em desenvolvimento ou os países doadores deveriam cobrir os custos da vacina, segundo reportagem do Financial Times. “Se você quer que a produção seja sustentável, tem de criar incentivos financeiros”, disse ao jornal o presidente da Novartis, Daniel Vasella. Ele acrescentou que avaliará a possibilidade de vender a vacina com desconto para os países de baixa renda. As declarações são uma resposta a Margaret Chan, diretora-geral da OMS, que na semana passada declarou que a gripe suína se tornou uma pandemia. Ela havia pedido que os fabricantes de vacina mostrassem “solidariedade” e doassem vacinas para os pobres.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

20 de junho de 2009

De GaiaNet

Confirmados 49 novos casos de Gripe A no Brasil, subindo para 180  o número de casos brasileiros da Nova Gripe. 184 casos suspeitos estão sob observação.

.

21 de junho de 2009

O Ministério da Saúde anunciou hoje o registro de 35 novos casos de Gripe A (H1N1) no Brasil, aumentando para 215 o número de casos confirmados e para 221 o número de casos suspeitos em observação.

.

22 de junho de 2009

Globo News, Em Cima da Hora, 17 horas, www.g1.com.br/globonews

Registrados 25 novos casos de Gripe A (H1N1), subindo para 240 o número de casos confirmados no Brasil. No estado de São Paulo, onde concentra-se cerca da metade dos casos brasileiros, 3 escolas já determinaram antecipação das férias escolares por terem alunos doentes.

.

Vale recomenda quarentena a 90 funcionários no Rio após caso de gripe suína.

BOL Notícias, 19h20

A Vale isolou um andar inteiro da empresa no edifício Santos Dumont, localizado na Rua Santa Luzia, no centro do Rio, após a confirmação de que um consultor que presta serviços à empresa foi diagnosticado com o vírus da gripe suína –a chamada a gripe A (H1N1)– na última sexta-feira (19). Desde então, cerca de 90 funcionários da empresa que trabalham no 30º andar do edifício estão em quarentena domiciliar, e só devem retornar ao trabalho na próxima segunda-feira (29). (…) O rapaz –que não teve o nome divulgado– havia retornado recentemente de uma viagem à Argentina. (…) “O fechamento do andar é uma recomendação do Ministério da Saúde. Até o dia 29, as pessoas que trabalham no 30ª andar estão em quarentena [de 10 dias para a Gripe A] em casa”, informou a Vale, em nota. (…)

Segundo o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, há 240 casos confirmados de gripe suína no Brasil. Destes, 30 são no Estado do Rio de Janeiro.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

23 de junho de 2009

Suspeita de gripe faz prefeitura [de São Gabriel] decretar emergência.

UOL Notícias; www.noticias.uol.com.br

A prefeitura de São Gabriel, no Rio Grande do Sul, decretou situação de emergência, suspendeu as aulas em todas as escolas e também eventos que reúnam muitas pessoas, como festas e shows. A decisão foi tomada hoje em meio à suspeita de que 18 moradores do município, que tem 60 mil habitantes, tenham sido contaminados pelo vírus da gripe A H1N1. Nenhum dos casos está confirmado, mas o prefeito Rossano Gonçalves (PDT) explicou à Rádio Gaúcha que considerou necessário tomar a medida preventiva porque 17 pessoas que apresentaram os sintomas tiveram contato com um morador do município que chegou de Buenos Aires na quinta-feira passada ou com pessoas que estiveram com ele depois daquele dia. (…)

.

Ministério da Saúde recomenda adiar viagens para Argentina e Chile devido à gripe suína.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, recomendou na tarde desta terça-feira [23], durante a inauguração de um novo prédio do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, que sejam adiadas as viagens para países com risco de contaminação pela gripe suína –gripe A (H1N1)–, entre eles Argentina e Chile. Mais cedo, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo recomendou que viagens para a América do Sul sejam evitadas.

Ministério da Saúde (WWW.saude.gov.br)

Ocorrências de casos humanos de influenza A (H1N1).

1. CASOS NO BRASIL

O Ministério da Saúde informa que foram confirmados 94 NOVOS CASOS de infecção pelo vírus Influenza A (H1N1): 50 em São Paulo, 17 em Minas Gerais, 13 no Rio de Janeiro, quatro em Santa Catarina, dois na Bahia, dois no Espírito Santo, dois no Paraná, um em Alagoas, um em Goiás, um no Rio Grande do Sul e um em Sergipe. Com os novos casos, o total acumulado de confirmados no país chega a 334. PARA TODOS OS CASOS, estão sendo realizados busca ativa e monitoramento de todas as pessoas que estabeleceram contato próximo com esses pacientes. O Ministério da Saúde acompanha, ainda, 218 CASOS SUSPEITOS no país. As amostras com secreções respiratórias dos pacientes estão em análise laboratorial.

2. EVOLUÇÃO DE CASOS CONFIRMADOS E ÓBITOS NO MUNDO

Até o momento, 100 países têm casos confirmados e divulgados da doença, de acordo com informações dos governos ou da Organização Mundial da Saúde (OMS).  Segundo a OMS, Estados Unidos, México, Canadá, Austrália, Chile e Argentina são considerados os países com transmissão sustentada. De um total mundial de 53.317 casos, os Estados Unidos ocupa o 1º lugar com 21.449 (com 67 mortes) e o México o 2º lugar com 7.624 casos (com 113 mortes).

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

24 de junho de 2009

18 mortes pela Gripe A na Argentina.

Confirmada hoje a 18ª  morte por Influenza A (H1N1) na Argentina, que tem 1.294 casos confirmados da doença. O Chile, com 5.186 casos de Gripe A, tem 7 mortes. No Brasil foram confirmados mais 65 casos hoje, elevando para 399 o número total de Influenza A (H1N1) no pais. Escolas de vários estados, que apresentaram casos da Nova Gripe, estão antecipando as férias de julho para evitar a disseminação do virus.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

26 de junho de 2009

Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde

Ocorrências de casos humanos de infecção por Influenza A (H1N1)

No site do Ministério da Saude (WWW.saude.gov.br) estão registrados 66.697 casos no mundo, com 306 óbitos, o que representa letalidade de 0,46%. O Brasil tem 422 casos registrados, 260 no estado de São Paulo, 65 em Minas Gerais, 52 no Rio de Janeiro, 43 em Santa Catarina e os demais em outros estados da Federação. Deste total nacional, 295 são casos importados e 117 autóctones.

Recomendações sobre a suspensão temporária de atividades

Em estabelecimentos de ensino, creches, ambientes de trabalho (empresas, indústrias), asilos, quartéis, ambientes prisionais, quando a investigação epidemiológica identificar a ocorrência de agregado de casos suspeitos de Influenza A(H1N1), com vínculo epidemiológico (temporal e espacial), pode ser adotada pela vigilância em saúde local a suspensão temporária de atividades. (…)

Telefone e links

Disque Saúde: 0800-61-1997

Sites oficiais Nacionais:

Ministério da Saúde: www.saude.gov.br

Secretaria de Vigilância em Saúde: www.saude.gov.br/svs

ANVISA: www.anvisa.gov.br

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: www.agricultura.gov.br

.

28 de junho de 2009

Ministério da Saúde confirma a primeira morte por gripe suína no Brasil.

Do UOL Notícias; www.noticias.uol.com.br

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, confirmou na tarde deste domingo (28) a primeira morte no Brasil em decorrência da gripe suína, a chamada gripe A (H1N1). O caso foi registrado em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Trata-se do caminhoneiro Vanderlei Vial, de 29 anos, que esteve na Argentina a trabalho e retornou no dia 20 ao Brasil. (…) Temporão disse ainda que o índice de letalidade da doença ainda é considerado baixo. “No início, [o índice] era de 2%, caiu para 0,5% e agora se aproxima de 0,4%. Está em queda. No Brasil, a maioria dos casos tem sintomas leves. Há uma percepção em todo mundo da queda da letalidade”, falou. O ministro ressaltou que não existem evidências que esse novo vírus esteja se misturando a outros. Ele confirmou mais 36 novos casos da doença, elevando para 627 as pessoas infectadas no Brasil.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet
.
.
30 de junho de 2009
.
Ministério da Saude ( WWW.saude.gov.br)

Novo vírus Influenza A (H1N1) no mundo

Até 30 de junho de 2009, segundo os dados da OMS e dos países afetados, foram registrados casos em todos os continentes do mundo, com as seguintes características:

Total de casos confirmados: 75.860 em 117 países;

Total de óbitos: 331

Taxa de letalidade mundial: 0,44% (intervalo: 0,02% a 2,74%)

Os Estados Unidos tem 27.717 casos da Gripe e 127 óbitos.

.

Globo News, Jornal das 10 (www.g1.com.br/globonews)

Na Argentina, com 1587 casos, 26 óbitos e letalidade de 1,64%, a Província de Buenos Aires decretou Estado de Emergência Sanitária e as autoridades decretaram a antecipação das férias escolares.

O Brasil, com 55 novos casos, apresenta agora 680 casos de Gripe A, 1 óbito e letalidade de 0,15%. O estado do Rio Grande do Sul, com 45 novos casos e 1 óbito, tem agora 85 casos, sendo o segundo colocado no Brasil, atras somente do estado de São paulo, com 308 casos.

No Brasil, foram registrados 55 novos casos, totalizando hoje 680 o número de Gripe A.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

01 de julho de 2009

Ministério da Saúde  ( WWW.saude.gov.br)

Influenza A (H1N1)

1. CASOS NO BRASIL

1.1 – O Ministério da Saúde informa que foram confirmados 14 NOVOS CASOS de infecção pelo vírus Influenza A (H1N1), nos estados do Rio Grande do Sul (5), São Paulo (4), Minas Gerais (3), Maranhão (1) e Rio de Janeiro (1).

1.2 – Com os novos casos, O Ministério da Saúde registra um total de 694 CASOS CONFIRMADOS da doença. Vale lembrar que esses casos são o resultado acumulado desde os primeiros registros de infecção no Brasil, no dia 8 de maio. A quase totalidade desses pacientes já recebeu alta ou está em processo de recuperação.

2. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS NO BRASIL

2.1   – Dos 694 casos confirmados, 428 (61,7%) foram de pessoas que se infectaram no exterior e 176 (25,4%), de transmissão autóctone (ocorrida dentro do território nacional). Outros 90 casos permaneciam em investigação.

2.2   – Os principais locais de provável infecção dos casos importados foram Argentina (269 casos), Estados Unidos (82) e Chile (41).

2.3   – Todos os casos autóctones têm vínculos epidemiológicos com pacientes procedentes do exterior. Desse modo, o Ministério da Saúde considera que, até o momento, a transmissão no Brasil é limitada, sem evidências de sustentabilidade da transmissão do vírus de pessoa a pessoa.

3. TOTAL MUNDIAL

A OMS registra 77.882 casos no mundo, 334 óbitos e letalidade de 0,43%. Segundo a OMS ou informações de sites oficiais dos governos, a transmissão do vírus entre pessoas é considerada sustentada nos Estados Unidos, México, Canadá, Chile, Argentina, Austrália e Reino Unido

.

2 de julho de 2009

Ministério da Saude

Influenza A (H1N1)

1. CASOS NO BRASIL

1.1 – O Ministério da Saúde informa que foram confirmados 44 NOVOS CASOS de infecção pelo vírus Influenza A (H1N1), nos estados do Rio de Janeiro (14), Rio Grande do Sul (9), Minas Gerais (8), São Paulo (6), Distrito Federal (3), Paraná (2) e Santa Catarina (2).

1.2 – Com os novos casos, o Ministério da Saúde registra um total de 737 CASOS CONFIRMADOS da doença. Vale lembrar que esses casos são o resultado acumulado desde os primeiros registros de infecção no Brasil, no dia 8 de maio. A quase totalidade desses pacientes já recebeu alta ou está em processo de recuperação.

2. Casos no Mundo

Segundo a OMS, o total mundial é de 79.844 casos, 336 óbitos e letalidade de 0,42%. Os Estados Unidos tem 27.725 casos e 127 óbitos. O México tem 9.028 casos e 119 óbitos. Na América do Sul, o Chile tem 7.342 casos e 14 óbitos e a Argentina 1.587 casos e 26 óbitos.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

3 de julho de 2009

Em três semanas, percentual de casos da gripe suína contraídos dentro do Brasil cresce cinco vezes.

Do UOL Notícias

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou nesta sexta-feira (3), durante entrevista coletiva sobre a gripe suína, que o número de casos autóctones (aqueles transmitidos dentro do território nacional) aumentou de 6% para 30% em apenas três semanas no Brasil. Segundo Temporão, a principal causa deste aumento é o grande número de pessoas viajando ao exterior. O ministro, entretanto, reitera que não existe no país transmissão direta, ou seja, todos os casos têm vínculos epidemiológicos com o exterior. O Ministério da Saúde divulgou novos números da gripe nesta sexta. Mais 19 casos foram confirmados, elevando o total de pessoas contaminadas pelo vírus H1N1 para 756 no Brasil.

Rui Iwersen, editor

.

4 de julho de 2009

Número de casos de gripe suína sobe para 812; governo muda padrão para exames

UOL Notícias; www.noticias.uol.com.br

O Ministério da Saúde confirmou neste sábado mais 56 casos de gripe suína –a gripe A (H1N1)– no Brasil, o que eleva o número de infectados para 812. Nesta sexta-feira (3), o governo modificou o padrão para a realização de testes e anunciou que somente passarão por exames laboratoriais pacientes considerados graves ou vindo de áreas com surtos localizados. (…) Até ontem, o ministério acompanhava 1.414 casos suspeitos da doença no país. As amostras com secreções respiratórias dos pacientes estão em análise laboratorial. Outros 1.203 casos foram descartados. Os números divulgados na tarde deste sábado se referem a informações repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde até as 9h de hoje.

Perfil epidemiológico

Até ontem, dos 756 casos confirmados, 454 (60,1%) foram de pessoas que se infectaram no exterior e 177 (23,4%), de transmissão autóctone –ocorrida dentro do território nacional. Outros 125 casos permaneciam em investigação até ontem. Segundo o ministério, os principais locais de provável infecção dos casos importados foram Argentina (287 casos), Estados Unidos (88) e Chile (42). (…)

Buenos Aires

BOL Fotos

.
Argentinos com máscaras de proteção contra o vírus H1N1 esperam em fila para votar nas eleições legislativas do país do lado de fora de uma escola em Buenos Aires.
.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet
.
.
6 de julho de 2009.
MINISTÉRIO DA SAÚDE; Influenza A (H1N1); 06/07/2009

1. CASOS NO BRASIL

1.1 – O Ministério da Saúde informa que foram confirmados [hoje] 20 NOVOS CASOS de infecção pelo vírus Influenza A (H1N1), nos estados do Rio Grande do Sul (7), Paraná (6), Goiás (3), São Paulo (3) e Rio Grande do Norte (1).

1.2 – Com os novos casos, o Ministério da Saúde registra um total de 905 CASOS CONFIRMADOS da doença. Vale lembrar que esses casos são o resultado acumulado desde os primeiros registros de infecção no Brasil, no dia 8 de maio. A quase totalidade desses pacientes já recebeu alta ou está em processo de recuperação.

2. CASOS CONFIRMADOS E ÓBITOS NO MUNDO

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), até 6 de julho, foram registrados 94.512 casos da nova gripe em 122 países. O número de óbitos foi de 429, com uma taxa de letalidade de 0,45%. Os países com maior número de casos de Gripe A são: EUA apresentam 33. 902 casos e 170 óbitos; México 10.262 casos e 119 óbitos; Canadá 8.883 casos e 29 óbitos; Reino Unido 7.447 casos e 3 óbitos; Chile 7.376 casos e 14 óbitos; Argentina 2.485 casos e 6 óbitos; (…) Brasil 905 casos e 1 óbito.

IMPORTANTE:

• Nesta semana, a atualização dos casos confirmados ocorrerá na segunda, quarta e sexta-feira, tendo como base as informações do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN), registradas pelas Secretarias de Saúde dos Estados, Municípios e do Distrito Federal.

• A partir da próxima semana, este boletim [do Ministério da Saude] será publicado semanalmente, às quartas-feiras, com a análise do perfil epidemiológico dos casos registrados. Esta mudança visa adequar o processo de monitoramento ao novo protocolo divulgado pelo Ministério da Saúde.

10 dias sem espetáculos públicos na Argentina.

TV Globo News; Jornal das Dez; 22 horas.

Autoridades argentinas decidem fechar por 10 dias as casas de espetáculos (como teatros e cassinos) para evitar aglomerações e o aumento do número de casos de Gripe A no pais.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

8 de julho de 2009

Ministério da Saude; 08/07/2009 , às 16h36

1. CASOS NO BRASIL

1.1 – O Ministério da Saúde informa que foram confirmados 72 NOVOS CASOS de infecção pelo vírus Influenza A (H1N1), nos estados de São Paulo (42), Rio de Janeiro (11), Rio Grande do Sul (7), Bahia (3), Maranhão (2), Pernambuco (2), Acre (1), Ceará (1), Paraná (1), Paraíba (1) e Rio Grande do Norte (1).

1.2 – Com os novos casos, o Ministério da Saúde registra um total de 977 CASOS CONFIRMADOS da doença.

3. CASOS CONFIRMADOS E ÓBITOS NO MUNDO

3.1 – Segundo a última atualização da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 6 de julho, havia 94.512 casos da nova gripe, em 122 países, até aquela data. O número de óbitos foi de 429, com uma taxa de letalidade de 0,45%.

Obs.: a partir de hoje o Ministério da Saude apresentará 1 boletim por semana, às quartas-feiras.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

10 de julho de 2009

Garota de 11 anos é primeira vítima fatal de gripe suína em SP; casos no país passam de mil.

UOL Notícias; http://www.noticias.uol.com.br

Uma menina de 11 anos que morreu no dia 30 de junho é a primeira vítima fatal da influenza A (H1N1) no Estado de São Paulo, informou a Secretaria da Saúde do Estado nesta sexta-feira (10). Este é o segundo óbito relacionado à doença no Brasil – o primeiro foi um caminhoneiro do Rio Grande do Sul. Nesta sexta-feira (10), o Ministério da Saúde confirmou 52 novos casos de infecção nos Estados de São Paulo (13), Minas Gerais (11), Rio Grande do Sul (11), Rio de Janeiro (9), Pará (3), Tocantins (3), Alagoas (1) e Pernambuco (1). Até agora, são 1.027 casos confirmados da doença. (…)

Caso de Osasco (SP)

A menina foi internada em um hospital privado de Osasco com fortes dores abdominais e vômito, mas, como não apresentava o quadro da doença, voltou para casa. No dia seguinte, apresentou febre de 39ºC, tosse, dores no corpo e vômito. No dia 30, voltou ao hospital, onde teve uma parada cardiorrespiratória e morreu. A gripe suína só foi confirmada após a morte, porque o irmão, de sete anos, apresentou os sintomas. Os pais da menina e uma outra criança, contato próximo da família, também tiveram a doença confirmada, mas passam bem. (…)

Rui Iwersen, editor

.

13 de julho de 2009

Rio Grande do Sul confirma mais uma morte por gripe suína.

UOL Notícias; 13/07/2009

A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul confirmou mais uma morte por gripe suína –chamada gripe A (H1N1). O órgão fará um comunicado oficial às 16h30, onde dará mais informações sobre a vítima da doença.

O Ministério da Saúde ainda não confirmou se a morte do Rio Grande do Sul foi contabilizada pelo órgão. (…)

14 de julho de 2009

Confirman 137 muertes por Gripe A en el país [Argentina]

UOL Notícias, Buenos Aires

Sólo Estados Unidos, con 211 muertes, supera a la Argentina en cantidad de fallecimientos por la Gripe A. El país superó las 124 víctimas fatales de México. Las provincias más afectadas por la enfermedad son Buenos Aires con 69 muertes y Santa Fe con 42.

El Gobierno nacional confirmó esta tarde 43 nuevos casos fatales de gripe A en el país, donde el virus H1N1 de la enfermedad ya causó la muerte de 137 personas en el lapso de un mes.

El Ministerio de Salud de la Nación indicó además en su parte oficial número 64 que del total de fallecidos, 69 son residentes de la provincia de Buenos Aires, 42 de Santa Fe y 11 de la Capital Federal, los tres distritos más afectados. Los casos letales confirmados por el Gobierno aumentaron en más de un 45 por ciento en apenas tres días (45,74%), desde el anterior comunicado que divulgó la cartera sanitaria, el sábado pasado, hasta la fecha. El Ministerio confirmó hace prácticamente un mes, el 15 de junio, la primera víctima fatal en el país a causa de la nueva influenza A/H1N1 y hasta las elecciones de fines del mes pasado las autoridades nacionales sólo informaban de 26 fallecidos a causa del mal. En el ámbito internacional, en tanto, “al 13 de julio de 2009, 133 países han confirmado oficialmente 114.008 casos de infección humana por virus influenza A (H1N1), con 609 fallecidos”, según datos de la Organización Mundial de la Salud (OMS).

Amanhã, quarta feira, GaiaNet apresentará o boletim semanal do Ministério da Saude do Brasil, com notícias nacionais e internacionais.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet.

14/07/2009

Governo confirma segunda morte por gripe suína em SP; é a 4ª no país

A Secretaria de Saúde de São Paulo confirmou na noite desta terça-feira a segunda morte em consequência da gripe suína –como é chamada a gripe A (H1N1) no Estado. É a quarta no país –outras duas foram registradas no Rio Grande do Sul.

Em nota, a secretaria informou que a vítima é um homem de 28 anos, que morreu no último dia 10 no Hospital de Clínicas de Botucatu (238 km de São Paulo). Ele começou a apresentar os sintomas –febre, dor de cabeça, náusea, vômito, tosse e congestão nasal– no dia 1 de julho.

Apu Gomes/Folha Imagem

Nos aeroportos, quem apresentar sintomas deve procurar a Anvisa no terminal; passageiros usam máscaras em Guarulhos (SP)

Nos aeroportos, quem apresentar sintomas deve procurar a Anvisa no terminal; passageiros usam máscaras em Guarulhos (SP)

O homem, que não teve o nome divulgado, procurou o serviço médico no dia 4 e foi internado. O quadro clínico se agravou e ele foi encaminhado para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no dia 7. O paciente não resistiu e morreu três dias depois.

De acordo com a Secretaria da Saúde, uma investigação preliminar aponta que o paciente teve contato com argentinos e chilenos que estavam no Brasil. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

15 de julho de 2009

Perfil epidemiológico dos casos confirmados de Influenza A (H1N1) no Brasil.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (www.saude.gov.br)

No Brasil, até 15 de julho de 2009 às 8h, as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde notificaram 6.938 casos, por meio do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan). Destes, foram confirmados 16,9% (1.175).

A análise do perfil epidemiológico destes casos confirmados evidencia os seguintes aspectos:

_ Sexo: 50,7% (592/1175) são mulheres.

_ Idade: 50% com idade inferior a 25 anos, sendo o intervalo variando de

_ Evolução: 0,3% (4/1.175) evoluíram para óbito.

2-Novo vírus Influenza A (H1N1) no mundo

A partir de 06 de julho de 2009, por falta de regularidade de informações dos países em seus sites oficiais, o Ministério da Saúde irá considerar os dados da OMS (www.who.int), como única fonte de informação.

Segundo dados da OMS, foram registrados casos em todos os continentes do mundo, com as seguintes características:

Total de casos confirmados: 119.344 em 122 países;

Total de óbitos: 591;

Taxa de letalidade mundial: 0,50% (intervalo: 0,11% a 4,48%)

3-Informações oficiais adicionais:

• Segundo informações da OMS ou de sites oficiais dos países afetados, o México, os EUA, o Canadá, Chile, Argentina, Austrália e Reino Unido apresentam transmissão sustentada.

• A maioria dos casos confirmados nos países com descrição de sintomas apresenta quadro clínico leve com resposta favorável ao tratamento específico, quando indicado, ou às medidas de suporte clínico. Existe uma maior freqüência de casos mais graves entre pessoas com doenças crônicas preexistentes.

• Acesse os sites da OMS para obter informações sobre todos os países

• OMS: Lista de países

http://www.who.int/csr/disease/swineflu/en/index.html

A utilização de máscaras de proteção é efetiva em ambientes hospitalares e esta prática não tem impacto na diminuição de transmissibilidade quando utilizada pela comunidade em geral, exceto quando indicado pela autoridade de saúde.

Rui Iwersen, Florianópolis, editor de GaiaNet

.

16 de julho de 2009

Temporão confirma circulação do vírus da gripe suína no Brasil; número de mortes sobe para 11.

UOL Notícias; www.noticias.uol.com.br

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou nesta quinta-feira (16) que o vírus da gripe suína está em circulação no Brasil, após o Ministério ter confirmado o primeiro caso de transmissão do vírus dentro do território nacional sem vínculo com o exterior. “No acompanhamento que realizamos diariamente, até então, todos os pacientes confirmados no Brasil mantinham a característica de ter visitado países em que há circulação do vírus ou contato com pessoas que voltaram de viagens internacionais. No dia de hoje, confirmamos o primeiro caso de transmissão da influenza A (H1N1) no Brasil sem esse tipo de vínculo. Trata-se de paciente do Estado de São Paulo que morreu no último dia 30 de junho. Esse caso nos dá a primeira evidência de que o novo vírus está em circulação em território nacional”.

O ministro confirmou ainda que chegou a 11 o número de mortos por gripe A no país: 7 no Rio Grande do Sul, 3 em São Paulo e 1 no Rio de Janeiro. De sete exames que tiveram resultado nesta quinta, o ministro disse que “pelo menos quatro pessoas tinham doenças clínicas preexistentes”, que pioram o quadro. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

17 de julho de 2009

Amanhã, sábado, dia 18 de julho, às 10 horas da manhã, a TV Globo News (canal 40 da Net) apresentará um programa sobre a Gripe A, intitulado “Especial Gripe Suina”. Haverá participação de especialistas e dos telespectadores, que já podem enviar suas perguntas e opiniões ao site WWW.g1.com.br/globonews

Rui Iwersen, editor

.

19 de julho de 2009

Da TV Globo News, Jornal Em Cima da Hora, 21 horas. WWW.g1.com.br/globonews

A Secretaria de Saude do Rio Grande do Sul confirmou hoje mais 4 mortes pela Gripe A no Estado. O Brasil apresenta hoje 15 mortes pela doença, mantendo-se dentro do índice de letalidade registrado pela Organização Mundial de Saude (OMS), em torno de 0,5 % dos casos desta gripe, semelhante ao índice de letalidade da gripe humana comum.

Do Ministério da Saude – www.saude.gov.br

Rui Iwersen, editor

.

20 de julho de 2009

Saúde foca ação em casos graves da gripe suína; país tem 15 mortes.

UOL Notícias

As mudanças recentes no protocolo de atendimento da gripe suína do Ministério da Saúde revelam como a doença vem sendo tratada cada vez mais como epidêmica no Brasil. O objetivo primordial passou a ser evitar mortes — e, não mais, impedir a todo custo a disseminação do vírus pelo país. Com quatro novos casos da doença no Rio Grande do Sul, subiu para 15 o número de pessoas mortas pelo vírus Influenza A (H1N1) no Brasil, desde o dia 28 de junho. (…)

Pandemia

A OMS (Organização Mundial da Saúde) elevou o espalhamento da doença ao nível de pandemia devido ao seu alcance, a despeito das mortes que ela causou. Foram mais de 95 mil pessoas atingidas, em 120 países, com 429 mortes.

Na semana passada, a organização desistiu de contar os casos individuais de gripe suína e não irá mais emitir boletins globais sobre o número de doentes. Segundo a organização, manter a conta de infectados é muito dispendioso, pois o vírus se espalha rapidamente. (…) A pandemia de gripe provocada pela nova variante do vírus A H1N1 poderá atingir entre 35 milhões e 67 milhões de brasileiros ao longo das próximas cinco a oito semanas. De 3 milhões a 16 milhões desenvolverão algum tipo de complicação a exigir tratamento médico e entre 205 mil e 4,4 milhões precisarão ser hospitalizados.

Sintomas

A gripe suína é uma doença respiratória causada pelo vírus influenza A, chamado de H1N1. Ele é transmitido de pessoa para pessoa e tem sintomas semelhantes aos da gripe comum, com febre superior a 38ºC, tosse, dor de cabeça intensa, dores musculares e articulações, irritação dos olhos e fluxo nasal. Para diagnosticar a infecção, uma amostra respiratória precisa ser coletada nos quatro ou cinco primeiros dias da doença, quando a pessoa infectada espalha vírus, e examinadas em laboratório. Os antigripais Tamiflu e Relenza, já utilizados contra a gripe aviária, são eficazes contra o vírus H1N1, segundo testes laboratoriais, e parecem ter dado resultado prático, de acordo com o CDC (Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos).

Rui Iwersen, editor

.

21 de julho de 2009

Aumentam as mortes por gripe suína em São Paulo; total soma 8 no Estado.

BOL Notícias

A Secretaria da Saúde de São Paulo acaba de fechar os números de óbitos no Estado causados pelo vírus H1N1, da gripe suína. Cinco novas mortes foram registradas só nos últimos dez dias. Outras três mortes já tinham sido anunciadas. No total, portanto, oito pessoas não resistiram ao vírus até agora no Estado. Com isso, o número de mortos chega a 20 no país. (…)

TV Globo News; Jornal das 10; 22 horas.

A Organização Mundial da Saude (OMS) registra 700 mortes pela Gripe A.

Amanhã, quarta feira, apresentaremos um resumo do boletim semanal do Ministério da Saude sobre a Gripe A, conhecida como Gripe Suina.

.

Portal da Saude; Ministério da Saude www.saude.gov.br

21/07/2009 , às 20h00

Até setembro, o Ministério da Saúde terá disponível 1 milhão de tratamentos para a Influenza A (h1N1), que serão distribuídos aos estados. O primeiro lote de 50 mil tratamentos contra Influenza A (H1N1), adquiridos pelo Ministério da Saúde, chegou a um dos depósitos do governo federal nesta terça-feira, 21 de julho. Eles serão distribuídos aos 68 hospitais de referência de todo o país para o atendimento aos pacientes com a nova gripe. Uma segunda leva dos remédios, mais 50 mil, será entregue até o dia 15 de agosto. E outros 750 mil tratamentos chegarão até o dia 30 de setembro. O Ministério, por meio do Laboratório de Farmanguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz – RJ), já está produzindo 150 mil tratamentos, que estarão disponíveis para uso a partir do fim do mês. Ao todo, será um milhão de tratamentos. Cada um dos tratamentos é composto por 10 comprimidos de fosfato de osetalmivir, quantidade indicada para uma pessoa. A remessa distribuída no país deve superar o número de casos graves, segundo o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Eduardo Hage. O medicamento é indicado apenas para essa parcela, que representa menos de 5% dos pacientes com os sintomas. “É esperado um aumento da procura pelo remédio agora no inverno, quando a doença atingirá um maior número de pessoas. Receberemos quantidade suficiente para atender essa demanda”, destaca Hage.

PRODUÇÃO PRÓPRIA – O medicamento é considerado o mais eficiente, até o momento, no tratamento de influenza H1N1, sendo recomendado, inclusive, pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O Ministério da Saúde investiu R$ 34,75 milhões na compra dos 800 mil novos tratamentos. O contrato com a Roche foi firmado em junho. O país possui matéria-prima para produzir um total de 9 milhões de tratamentos. O insumo foi adquirido em 2005, na época para uma possível epidemia de gripe aviária. “Estamos com estoque suficiente para enfrentar essa pandemia. Se houver necessidade, produziremos mais medicamentos”, afirmou Eduardo Hage.

Da transformação em comprimidos até a autorização para a sua distribuição, o medicamento fabricado no Brasil passou por testes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que encaminha processo para concessão do registro. Conforme o protocolo do MS – que segue as orientações da OMS, o tratamento é indicado apenas para os pacientes com sintomas graves, fatores de risco e profissionais de saúde que trabalham diretamente com os doentes. O remédio deve ser ministrado nas primeiras 48h do aparecimento de sintomas graves.

Rui Iwersen, editor

.

22 de julho de 2009

Virus se mostra resistente no meio ambiente

Em entrevista aos repórteres do Jornal Bom Dia Brasil, da TV Globo, o Ministro da Saude, José Gomes Temporão, afirmou que “estudos estão mostrando que esse virus [o vírus da Influenza A (H1N1)] pode resistir de 24 a 72 horas no meio ambiente, sobre mesas, maçanetas ou teclados de computadores”, daí a importância do uso de lenços pelos gripados ao tossir ou espirrar e de lavar-se bem as mãos apos usar utensilios públicos, como corrimãos ou maçanetas. Segundo o Ministro, a letalidade desta gripe é semelhante à da gripe comum, em torno de 0,5% dos casos, não representando, por enquanto, um risco extraordinário. A automedicação com antivirais deve ser evitada, para não usar desnecessariamente e, principalmente, para evitar que este virus desenvolva resistência à “única arma que temos”. Os grupos de risco são: crianças, idosos, gestantes e imunodeficientes (como portadores de AIDS ou pessoas que sofreram transplantes e que, por isso, tomam medicações que diminuem a imunidade). O Brasil está desenvolvendo uma vacina, mas ela será usada no inicio do próximo inverno no hemisfério sul, como se faz com a gripe comum.

Do site do Ministério da Saude – www.saude.gov.br

.

Ministério envia 15 mil tratamentos da nova gripe para Rio Grande do Sul

Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais receberão outros 15 mil em até 48h. Distribuição responde às solicitações dos estados. Ao todo, um milhão de tratamentos será encaminhado aos hospitais referência do país até o fim de setembro.

Mulher morre em consequência da gripe suína em Valinhos (SP); país soma 24 mortes.

UOL Notícias; 22/07/2009 – 17h28

A Prefeitura de Valinhos (85 km de São Paulo) confirmou na tarde desta quarta-feira a morte de uma mulher de 27 anos, vítima de gripe suína –como é chamada a gripe A (H1N1). É a segunda morte na região e a 11ª no Estado. No país, o número de mortes chega a 24.

Rui Iwersen, editor

.

23 de julho de 2009

MINISTÉRIO DA SAÚDE ;GABINETE PERMANENTE DE EMERGÊNCIAS; NOTA À IMPRENSA.

Quinta-feira, 23 de julho de 2009, 20h47

1. Conforme divulgado anteriormente, de acordo com último Protocolo de Manejo Clínico e Vigilância Epidemiológica da Influenza, de 8 de julho, baseado em recomendações da Organização Mundial da Saúde, não está mais indicada a identificação individual de cada caso de influenza pelo novo H1N1, mas a notificação, investigação, diagnóstico laboratorial e tratamento dos casos com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e dos grupos de risco para desenvolver formas graves, assim como identificação de novos focos da doença no país.

2. Dentro desse novo cenário, o novo Boletim Epidemiológico da Influenza no Brasil informa que, de 25 de abril a 18 de julho, foram notificados 8.328 casos suspeitos de algum tipo de gripe no país, com maior concentração nas regiões Sul e Sudeste, corroborando com a ocorrência esperada de casos de síndrome gripal para essa estação do ano.

2.1 Desse total, 1.566 (18,8%) foram confirmados para influenza A (H1N1) e 528 (6,34%) para influenza sazonal.

2.2 É importante ressaltar que, dos casos confirmados por gripe comum, 17% dos pacientes apresentaram dificuldade respiratória moderada ou grave, compatível com a definição de síndrome respiratória aguda grave. Até o momento, este índice é menor nos pacientes infectados pelo vírus H1N1: 14,2% apresentaram esse quadro.

2.3 Além disso, a análise dos casos confirmados de síndrome respiratória aguda grave evidencia que esse quadro é mais freqüente em mulheres (55,72%).

2.4 A análise epidemiológica realizada até o momento indica que a faixa etária mais acometida tanto pelo vírus H1N1 quanto pelo vírus da influenza sazonal é a de 20 a 49 anos, com mais de 60% dos casos. (…)

3.1. De acordo com a análise epidemiológica realizada até 22 de julho, a taxa de mortalidade geral é de 0,18/100.000 habitantes. Reiteramos que, com o novo protocolo, a taxa de letalidade (óbitos por casos confirmados) não é mais utilizada como parâmetro para medir a gravidade da gripe, uma vez que, de acordo com o novo protocolo, casos leves não são mais notificados, exceto em surtos.

3.2 Todas as informações foram enviadas pelas secretarias estaduais de saúde até 22 de julho com base nas informações do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN).

Globo News, Jornal das Dez, 22 hs.(www.g1.com.br/globonews)

Dos 8.328 suspeitos de Gripe A (H1N1) no Brasil, 1.566 casos e 29 mortes foram confirmados pelo Ministério da Saude. Segundo o Ministro da Saude, “há 9 milhões de tratamentos estocados na Fio Cruz, no Rio de Janeiro” e “não há razão para pânico”. Os Ministérios da Saude e da Educação divulgaram nota conjunta recomendando que “alunos com sintomas de gripe não retornem das férias até estarem restabelecidos” e que “alguns estabelecimentos escolares poderão ter prorrogação das férias”, o que “está em negociação entre os ministérios”.

Rui Iwersen, editor

.

24 de julho de 2009

OMS confirma que gripe já matou cerca de 800 pessoas.

BOL Notícias; 24/07/2009 – 07h50

Em Genebra

Quase 800 pessoas morreram até agora no mundo por causa do vírus da gripe suína, que já afeta 160 países, confirmou hoje o porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Gregory Hartl.

Hartl disse que os cientistas da OMS “não observaram, por enquanto, nenhuma mudança no comportamento do vírus”, e que o principal problema é sua rápida propagação geográfica e, em certos países, sua concentração em grupos específicos.

A organização recomendou que os países parem de fazer exames de laboratório em todos os suspeitos de ter contraído o vírus, em vista das proporções da propagação da doença, e que concentrem seus recursos na contenção da pandemia e no tratamento dos doentes com sintomas graves.

Além disso, os países devem continuar informando sobre cada morte devido ao vírus A (H1N1) confirmada em laboratório.

Rui Iwersen, editor

.

27 de julho de 2009

Boletins do Ministério da Saude serão semanais

TV Globo News, jornal Em Cima da Hora, edição das 10 – www.g1.com.br/globonews

O Ministério da Saude continuará fornecendo boletins semanais sobre a Gripe A às quartas feiras. As Secretarias Estaduais de Saude tem autonomia para fornecer seus boletins a qualquer dia. O Rio Grande do Sul notificou hoje 5 novas mortes pela gripe. O Brasil tem agora 38 mortes – 16 em São Paulo, 16 no Rio Grande do Sul, 5 no Estado do Rio e 1 no Paraná. No Estado de São Paulo, Osasco, Diadema e Campinas terão suas férias escolares de julho prorrogadas por uma semana. No Rio de Janeiro, foram inaugurados 11 novos Centros de Referência para a Gripe A, aumentando para 18 o seu número. O Estado iniciou tambem o Disque Gripe – 0800 28 10 100 – “para evitar aglomeração de doentes nos hospitais”.

Ministério da Saude; Portal da Saude; www.saude.gov.br

27/07/2009 , às 19h30

NOTA À IMPRENSA

O Ministério da Saúde informa que o Grupo Executivo Interministerial (GEI), integrado por representantes de 16 órgãos do Governo Federal, aprovou nesta segunda-feira (27) as recomendações do MS e do MEC (Ministério da Educação) para o período que marca o fim das férias escolares e o início do segundo semestre letivo no país:

– O GEI recomenda que todos os alunos com sintomas de gripe evitem retornar às aulas até estarem totalmente recuperados. Esses estudantes devem ser acompanhados por um médico.

– Eventuais alterações do calendário escolar ficam sob avaliação dos governos estaduais e municipais, observando as especificidades locais em comum acordo entre os Secretários Estaduais de Saúde e de Educação, o mesmo se aplicando à esfera municipal.

Rui Iwersen, editor

.

28 de julho de 2009

Nordeste registra primeira morte por gripe suína; 46 morrem no Brasil

BOL Notícias; 28/07/2009 – 10h21

A direção do hospital Lauro Wanderley, em João Pessoa (PB), confirmou nesta terça-feira a primeira morte por gripe suína –segunda-feira a primeira morte em decorrência da gripe suína –a chamada gripe A (H1N1)– no Nordeste. Trata-se da 46ª do país.

Caxias do Sul (RS) confirma mais duas mortes por gripe suína; 55 morrem no Brasil.

BOL Notícias; 15h10

A prefeitura de Caxias do Sul (RS) confirmou mais duas mortes em consequência da gripe suína –como é chamada a gripe A (H1N1)– na tarde desta terça-feira. Com isso, chega a três o número de mortes na cidade e 18 no Estado. No país, a doença já causou 55 mortes.

Rui Iwersen, editor

.

29 de julho de 2009

Escolas estaduais do RS adiam retorno às aulas por duas semanas.

UOL Notícias; 29/07/2009 – 12h17

Em Porto Alegre

O governo gaúcho decidiu nesta quarta-feira (29) adiar o reinício das aulas da rede estadual de ensino por duas semanas. O calendário escolar, que previa o retorno na próxima segunda-feira (3), foi adiado para o dia 17 de agosto.

O Rio Grande do Sul é o terceiro Estado a adiar a volta às aulas em virtude da gripe suína. São Paulo e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal, já haviam comunicado decisão semelhante. (…)

De GaiaNet

No estado de São Paulo, 5 milhões de estudantes da rede pública terão as férias prolongadas até 17 de agosto, assim como todos os estudantes da rede municipal de ensino da cidade de São Paulo e os estudantes de 3 universidades do Estado – USP, UNESP e UNICAMP. Em Campinas (SP), as creches municipais prolongarão suas ferias.

Rui Iwersen, editor

.

30 de julho de 2009

Fiocruz entrega 1° lote de remédio contra gripe suína feito no Brasil.

Do UOL Notícias*; 30/07/2009 – 16h17

Em São Paulo

A Fiocruz entregou nesta quinta-feira (30) o 1º lote de medicamentos para tratamento da gripe suína fabricados no Brasil, um dia antes do prazo previsto. São 150 mil kits, cada um com 10 cápsulas, que já estão disponíveis para o Ministério da Saúde. Outros 60 mil kits, com 600 mil cápsulas, devem ser entregues até amanhã. (…

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

31 de julho de 2009

Rede estadual de Minas Gerais vai adiar começo das aulas devido à gripe suína.

BOL Notícias; Atualizada às 12h35

A secretaria estadual de Educação de Minas Gerais, em acordo com a secretaria de Saúde, decidiu adiar o início das aulas na rede de ensino do Estado. O anúncio foi feito na manhã desta sexta-feira (31). Os alunos voltariam das férias na próxima segunda-feira (3). Com o adiamento, as aulas serão retomadas no dia 10 de agosto. Segundo o Educacenso 2008, a rede mineira tem 2.525.386 matrículas na educação básica.

Segundo a secretaria de Educação, a decisão foi tomada para garantir a tranquilidade dos pais e professores, que estão receosos com a transmissão do vírus. Com a medida, as escolas ganham tempo para capacitar professores e funcionários na prevenção da gripe A (H1N1). (…)

Paraná

Na tarde de ontem (30), o governador Roberto Requião anunciou a suspensão temporária das aulas em toda a rede estadual de ensino do Paraná, como medida de prevenção à gripe A (H1N1). O Estado do Paraná já registrou quatro mortes atribuidas à gripe, segundo o levantamento mais recente. Cerca de 1,4 milhão de alunos das escolas paranaenses de ensino fundamental e médio e 90 mil estudantes de faculdades e universidades mantidas pelo Estado vão ficar sem aula até 10 de agosto. (…)

Rui Iwersen, editor

.

3 de agosto de 2009

Brasil receberá 18 milhões de doses da vacina contra gripe suína até 2010.

Do UOL Notícias; 03/08/2009 – 18h16

O Brasil deverá receber 18 milhões de doses da vacina contra a influenza A (H1N1) até abril de 2010. Serão 1 milhão de doses prontas até dezembro deste ano e, no primeiro trimestre do ano que vem, o restante será processado pelo Instituto Butantã. A informação foi dada pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães, na tarde desta segunda-feira (3) durante seminário em Brasília sobre a gripe. “As vacinas não poderão ser comercializadas”, disse o secretário. Segundo ele, as doses deverão entrar no calendário de vacinação sugerido pelo ministério.

Além dos 18 milhões iniciais, o número pode aumentar mais 15 milhões caso a OMS (Organização Mundial de Saúde) autorize o Brasil a diminuir a vacina sazonal da gripe comum. Ela seria, em partes, substituída pela vacina da H1N1.

Tamiflu não será distribuído em farmácias.

Enquanto as vacinas não chegam ao país, o ministro José Gomes Temporão (Saúde) afirmou que o medicamento contra a gripe, o Tamiflu, continuará a não ser distribuído em farmácias. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

4 de agosto de 2009

Governo libera Tamiflu para pessoa fora do grupo de risco.

BOL Notícias, 04/08/2009 – 10h35

A partir desta semana, médicos poderão receitar o medicamento contra a gripe suína para pacientes que não se enquadram nos casos previstos no atual protocolo de tratamento –síndrome respiratória grave ou com algum fator de risco, como cardiopatia e gravidez. A mudança será introduzida no protocolo nos próximos dias, segundo o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Gerson Penna. O documento trará uma caixa em vermelho com a frase: “Qualquer indicação diferente das recomendadas neste protocolo fica na inteira responsabilidade do médico prescritor e da autoridade sanitária local”.

Segundo Penna, a orientação do ministério continua a mesma, mas foi aberta a possibilidade de o médico decidir iniciar tratamento em casos excepcionais. “Não posso, de Brasília, tratar as exceções. A regra é a que está no protocolo.” A mudança no protocolo é a terceira orientação do ministério em relação ao tratamento da influenza A (H1N1), que já deixou 92 mortos no país. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

5 de agosto de 2009

Ministério da Saude confirma 2.959 casos e 96 mortes por gripe A; gestantes somam 14.

Do UOL Notícias; 05/08/2009 – 18h29

O Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira (5) 2.959 casos confirmados de influenza A (H1N1) informados pelas secretarias estaduais e municipais de saúde entre 25 de abril e 1 de agosto. As mortes computadas até 1 de julho já somam 96, de acordo com o último boletim. As mulheres representam 54,2% das mortes (52), sendo que 14 delas eram gestantes. Segundo o ministério, a gestação e as doenças cardíacas e neurológicas são os principais fatores de risco entre os casos graves.

São 38 mortes em São Paulo, 28 no Rio Grande do Sul, 15 no Paraná, 14 no Rio de Janeiro e uma na Paraíba. Mortes informadas depois disso serão registradas na próxima nota. (…)

De GaiaNet; Rui Iwersen

Epidemiologistas e cientistas, reunidos em Brasilia com o Ministério da Saude para discutir sobre a Gripe A, especialmente sobre prevenção, tratamento e distribuição de medicamentos antivirais, referem que “está sendo observada uma ação diferente do virus entre as crianças” e que “as gestantes, por sua diminuição da imunidade e alteração respiratória devidas à gravidez, apresentam maior risco de complicação pulmonar se contrairem a Gripe A”.

Calcula-se que 26% das mortes por complicações da Gripe A sejam de gestantes. No Rio de Janeiro, gestantes com gripe forte receberão o antiviral específico mesmo sem confirmação de tratar-se da Gripe A (H1N1).

.

6 de agosto de 2009

OMS recomenda vigilância a países que derem vacina contra gripe.

Em Genebra

BOL Notícias; 06/08/2009 – 07h28

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aconselhou hoje que os países que planejam administrar rapidamente a vacina contra a gripe suína a suas populações que realizem uma vigilância “intensa” sobre a segurança e eficácia depois da vacinação. A OMS considera imprescindível esta vigilância, já que vários países, entre eles os da Europa e os EUA, planejam aprovar a vacina contra este novo vírus por via de urgência, o que implica em suspender alguns testes clínicos, segundo um documento divulgado hoje pelo organismo. Nele, o organismo adverte que “alguns efeitos colaterais que aparecem raramente nos testes clínicos podem se tornar mais evidentes quando um grande número de pessoas recebe uma vacina pandêmica”. (…)

Ambulantes Golpistas Vendem “Tratamento para a Gripe A”.

RBS TV, Jornal do Almoço, 12 h.

No Estado de Santa Catarina, um novo tipo de golpe explora a população preocupada com a popular Gripe Suina. Alegando “aumentar a imunidade” e até “combater o vírus”, ambulantes estão vendendo em Santa Catarina tratamentos medicamentosos “para prevenir e combater a gripe suína”. A representante da Vigilância Epidemiológica do Estado, ao ser entrevistada sobre este fenômeno, desaconselhou este tipo de tratamento e confirmou a informação do Ministério da Saude: “Só se deve usar o medicamento oficial distribuido aos Estados pelo Ministério da Saude e com critérios técnicos”.

Pesquisa de opinião pública mostrou que “36% da população estão preocupados com a nova epidemia”.

O Secretário Estadual de Saude de Santa Catarina, Dado Cherem, ao ser entrevistado, respondeu à pergunta sobre a demora do resultado de teste confirmatório em Santa Catarina, atualmente de 20 a 30 dias. Segundo o Secretário, o Ministério da Saude autorizou o Laboratório Central (Lacen) a realizar os testes. Durante 30 dias o Estado modernizará e ampliará o Lacen. Alem de realizar exames confirmatórios da Gripe A, o Lacen será transformado num “grande centro de biotecnologia”. Para o Secretário, porém, é importante que os municípios da Grande Florianópolis organizem adequadamente seus centros de triagem. O Secretário garantiu haver medicação suficiente para a evolução previsível da epidemia. Questionado sobre a importância de 36% da população estarem preocupados com a Gripe A, o Secretário Dado Cherem mostrou adequada satisfação: “Que bom. Assim eles irão se informar mais e, informados, vão trabalhar mais e melhor para prevenir a disseminação da Gripe A em nosso Estado”!

Rui Iwersen, editor

.

Gripe suína faz universidade em Minas adiar por tempo indeterminado volta às aulas

BOL Noticias; 06/08/2009 – 17h06

A UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora), em Minas, decidiu adiar a volta às aulas da graduação e da pós-graduação por tempo indeterminado devido à gripe suína –a chamada gripe A (H1N1). A medida foi anunciada nesta quinta-feira após uma reunião para definir as ações para evitar a propagação da doença.

Os professores e funcionários da universidade também deverão passar por treinamentos sobre como prevenir a gripe suína. Além disso, a administração da UFJF anunciou a compra de materiais como álcool em gel. (…)

Rui Iwersen, editor

.

10 de agosto de 2009

Vacinação na América do Norte no outono de 2009.

De Globo News; Jornal das Dez; WWW.g1.com.br/globonews

Os presidentes do México e dos Estados Unidos e o 1º Ministro do Canadá, ao final de uma reunião de cúpula, decidiram investir maciçamente contra a gripe A. Como se espera cerca de 100 milhões de casos da Nova Gripe na América do Norte nos próximos dois anos, os três países iniciarão um programa de vacinação em massa em outubro, no outono, para evitar as gripes no inverno do Hemisfério Norte.

De GaiaNet

Nos últimos dias, uma grande quantidade de matéria sobre lucro com medicação antiviral e com vacina contra a Gripe A vem circulando na Internet. Nas matérias vê-se uma forte crítica, em geral fundamentada e correta, ao capitalismo e ao lucro (mesmo que às custas da saude ou da vida da população). Entretanto, junto à critica ao lucro e à ganância, há a negação do valor de antivirais e/ou de vacinas, com possibilidade de influenciar a opinião pública e atrapalhar o processo de enfrentamento desta epidemia, e das próximas, que certamente virão. Visto sob este ângulo, e considerando o papel histórico dos EUA no sistema capitalista internacional, que bom que o nosso inverno está terminando e que, assim, teremos tempo suficiente para observar a eficácia de vacinas e tratamentos nos países do hemisfério norte antes do nosso próximo inverno. Para tranqüilizar os mais céticos, e para evitar uma rejeição preconceituosa de nossos atuais recursos terapêuticos e preventivos, convem lembrar, tambem, que nossas vacinas, que serão usadas no próximo outono, para evitar as gripes do inverno de 2010, serão produzidas no Brasil, por laboratórios oficiais, sob controle do Ministério da Saude e sob observação da mídia material e virtual. GaiaNet se manterá observando, informando e refletindo.

Rui Iwersen, editor

.

11 de agosto de 2009

DEFESA DA SAÚDE DOS CATARINENSES

GRIPE PANDÊMICA: INFORMATIVO AOS MÉDICOS DE SANTA CATARINA.

DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E ORIENTAÇÕES GERAIS.

Sobre a doença

A gripe é uma doença que tem como elementos patógenos dois tipos de vírus, o A e o B. Estes vírus apresentam duas proteínas na superfície, que lhes conferem características específicas e determinantes antigênicos. Estas proteínas são a hemaglutinina (H) e a neuraminidase (N).  Dentro do grupo de vírus tipo A, temos os subgrupos que afetam o ser humano: H1N1, H2N2, H3N2 e H5N1 (gripe aviária). A Gripe Pandêmica, ou Influenza A H1N1 pandêmica, é uma doença que se desenvolve a partir de uma variante do vírus H1N1, um dos responsáveis pela gripe sazonal, por apresentar material genético do vírus humano, aviário e suíno. Tem seu contágio através das vias aéreas, bem como contato das superfícies mucosas, como ocular, nasal e oral, com objetos contaminados diretamente por meio das mãos.
Como outras variantes do Vírus A H1N1 já causaram outras pandemias, como a espanhola em 1918 e a asiática em 1957, acredita-se que as pessoas com mais de 55 anos possam estar com algum grau de imunidade a este vírus. Não existe comprovação de que a vacina da gripe sazonal previna a infecção pela gripe pandêmica.

Diferença entre gripe e resfriado.

Os sintomas da gripe pandêmica em nada diferem da gripe sazonal, sendo importante a diferenciação com o resfriado comum, que é causado por outros tipos de vírus, como o adenovírus e o coronavírus. O resfriado se caracteriza pelo aparecimento dos sintomas de forma gradual, com nível de febre baixa ou ausente. Manifesta-se mais por sintomas de vias aéreas superiores, como coriza e dor de garganta, e com menos (ou nenhum) comprometimento sistêmico.
A gripe apresenta um início súbito de sintomas, caracterizados por quadro febril acima de 38° C, tosse e com frequente envolvimento sistêmico, desenvolvendo mialgias. A presença de dificuldade respiratória indica uma gravidade maior ao caso, pois os quadros graves da gripe pandêmica se caracterizam por insuficiência respiratória, pneumonia intersticial e hemorragia pulmonar. Os pacientes podem apresentar ainda, náuseas e vômitos, diarreia, cefaleia e fadiga. Dentro do que se conhece da carga viral e infecção do vírus H1N1 sazonal, sabemos que um dia antes do aparecimento dos sintomas já temos carga viral para transmissão, sendo que esta atinge o pico com um dia de sintoma e mantém-se, porém em declínio, até o sétimo dia no adulto e 14º dia na criança.

Tratamento

O tratamento, além do sintomático, segue pela utilização de medicações antivirais, que vão atuar sobre o vírus, mais precisamente inibindo as neuraminidases, que são responsáveis pela liberação dos vírions, impedindo assim a saída do vírus de uma célula para outra. Após a utilização da medicação, verifica-se através de estudos com a gripe sazonal que os títulos virais no nariz caem acentuadamente após as primeiras 36 horas do tratamento, diminuindo assim a possibilidade do contágio, bem como se verifica uma melhora dos sintomas. É indicado que se inicie a medicação antiviral nas primeiras 48 horas do início dos sintomas. A orientação é que o médico, em verificando que um paciente apresente os sintomas de síndrome gripal, avalie a indicação do Fosfato de Oseltamivir (Tamiflu®), conforme as oreintações do Ministério da Saúde. (www.dive.sc.gov.br).

A ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE MEDICINA recomenda que a medicação seja prescrita exclusivamente em casos de quadro clínico definido de gripe, evitando-se utilizá-lo em quadro de resfriado. (…)

Ambulatório

Em casos ambulatoriais, a indicação deverá ser o monitoramento do paciente até o sétimo dia após início dos sintomas, recomendação de isolamento domiciliar, sendo o uso de antivirais prescrito de acordo com o protocolo do Ministério da Saúde. Em caso de agravamento do quadro clínico, encaminhar o paciente ao hospital.

Duração do tratamento com antiviral.

» Adultos: 05 dias a partir do início dos sintomas; » Crianças: 05 dias a partir do início dos sintomas

Recomendações ao paciente.

» Utilizar máscara cirúrgica descartável; » Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal; » Evitar tocar olhos, nariz ou boca; » Lavar as mãos frequentemente com sabão e água, especialmente depois de tossir ou espirrar; » Permanecer em quarto exclusivo; » Manter o ambiente ventilado;  Evitar contato próximo com pessoas; » Retornar ao hospital se aparecerem sinais de piora, como falta de ar.

Prescrição

» Sintomáticos; » Contraindicados salicilatos pelo risco de Síndrome de Reye. (…)

Gestante

A gestante tem sido afetada de modo particularmente severa e o tratamento antiviral deve ser sempre aplicado quando do diagnóstico de gripe, independentemente do período de gestação.

Internamento

Os pacientes com diagnóstico de síndrome gripal (febre acima de 38°C de início súbito, tosse e outros sintomas respiratórios, como dor de garganta e dores musculares – sem diagnóstico de outra patologia, como amigdalite, sinusite, etc.) associado a um dos sinais abaixo são classificados como casos graves e necessitam de internamento.

Casos Graves

Obs.: Os casos graves têm se manifestado principalmente em adultos jovens e gestantes.

Alteração do nível de consciência, dispneia, taquipneia (>25mrm para adultos, >40 mrm em crianças de 1 a 5 anos e >50 mrm em crianças

Orientações sobre notificação obrigatória

A notificação é  obrigatória e deve ser realizada de forma imediata em casos suspeitos ou confirmados de Influenza A (H1N1). Para tanto, o médico deverá  preencher a Ficha de Notificação com os dados do paciente e:

1) Quando o atendimento for realizado em Hospitais ou Unidades de Saúde (SUS), a próprio instituição fará o encaminhamento dos documentos para a Secretaria de Estado da Saúde  de SANTA  CATARINA.

2) Quando o atendimento for realizado em consultório, há duas possibilidades:

» Em casos com necessidade de internamento, o médico deverá encaminhar o paciente ao Hospital, juntamente com a ficha de notificação, e a responsabilidade em encaminhar o documento à SES é da instituição.

» Em casos de tratamento ambulatorial, o médico deverá entregar a ficha de notificação ao paciente ou responsável, juntamente com a receita em duas vias e o Formulário para dispensação de Oseltamivir, para que o mesmo possa retirar o medicamento nos postos autorizados pela Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina.

PREVENÇÃO

Medidas iniciais no atendimento do paciente com suspeita de gripe
» Higienizar rigorosamente as mãos antes e após qualquer atendimento.
» Reforçar limpeza concorrente do ambiente e desinfecção de superfícies.
» Disponibilizar dispensadores de lenços descartáveis e álcool gel para higiene das mãos nas salas de espera do Pronto Atendimento, consultórios e outros serviços.
» Disponibilizar área preferencial de atendimento a pacientes com síndrome gripal, com boa ventilação (manter janelas abertas).
» Orientar uso de máscara cirúrgica aos pacientes com sintomas de gripe.
» Evitar aglomerações e ambientes fechados.
» Atendê-lo de forma mais ágil. Se possível atendê-lo no início ou término das consultas visando evitar aglomeração na sala de espera.
» Os funcionários e o próprio médico devem estar protegidos com a máscara e óculos.

Uso de máscaras e outros EPIs

Máscara Cirúrgica:

Equipe assistencial durante o atendimento a pacientes;
Recepcionistas durante o turno de trabalho;
Equipe hospitalar ao entrar no quarto/box de pacientes em Precaução por Gotícula;
Pacientes considerados suspeitos ou confirmados;
Visitantes de casos suspeitos ou confirmados.
Obs: Trocar quando estiver úmida ou a cada 2 horas.

Máscara N95:

Equipe assistencial em procedimentos com risco de aerossóis (entubação, broncoscopia, coleta de secreção respiratória).
Utilizar concomitantemente óculos de proteção, avental e luvas de procedimento.
Obs: Trocar após 8 horas de uso ou sujidade ou umidade.

Uso de luvas de procedimento, avental e óculos:

Conforme precaução padrão.
Luvas: Contato direto com fluidos corpóreos, pele não íntegra, mucosas; colocar antes e retirar imediatamente após o contato com o paciente.
Avental de Contágio: Usar sempre que houver risco de respingos de fluidos corpóreos. Descartá-lo imediatamente após o termino da assistência e higienizar as mãos.
Óculos: Sempre que houver risco de respingos de fluidos corpóreos na face.

Medidas gerais de higiene

» Cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir preferencialmente com lenço descartável;
» Mãos com sujidade aparente, higienizar lavando com água e sabão;
» Mãos sem sujidade aparente, higienização com lavagem ou álcool 70%;
» Evitar tocar olhos, boca e nariz;
» A utilização de máscaras deve ser compulsória para os pacientes que apresentem sintomas da síndrome gripal, quando em contato com outras pessoas, evitando assim a transmissão.

As recomendações contidas neste documento foram elaboradas pela Associação Catarinense de Medicina, em conjunto com a Sociedade Catarinense de Infectologia. (…)

FLORIANÓPOLIS, 10/08/09

Dr. Genoir Simoni, Presidente da ACM

Dr. Antonio Miranda, Médico Infectologista, Diretor do Hospital Nereu Ramos

.

11 de agosto de 2009

Balanço do Ministério da Saúde aponta 1.586 casos graves de gripe suína no país.

BOL Notícias; 11/08/2009 – 23h00

O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira que, entre 25 de abril e o último sábado (8), foram registrados 1.586 casos graves da gripe suína –a gripe A (H1N1)– no país. Ao todo, 3.642 pessoas contraíram o vírus no Brasil, revela o balanço. De acordo com a pasta, neste período, ao menos 192 pessoas morreram, porém, com os dados das secretarias estaduais de Saúde, o número de óbitos no Brasil já chega a 211. Somente nesta terça-feira, as secretarias dos Estados do Rio Grande do Sul e do Rio confirmaram, ao todo, mais oito mortes em decorrência da gripe suína. Foram confirmadas ainda novas mortes em cidades do Paraná e de São Paulo, ainda não contabilizadas pelas secretarias estaduais.
De acordo com o Ministério da Saúde, das 192 mortes contabilizadas pela pasta, 106 (55,2%) tinham algum fator de risco –como a gestação. Do total de vítimas da doença, ao menos 28 eram mulheres que estavam grávidas (14,5%) e, entre as grávidas que morreram, oito tinham pelo menos um outro fator de risco. Doenças cardíacas, metabólicas e respiratórias, além de hipertensão arterial, diabetes e gestação são os principais fatores de risco para morte, entre os casos graves pelo vírus da gripe A (H1N1). (…)

Globo News, “Jornal das Dez”, 22 horas

Brasil tem taxa de mortalidade pela Gripe A de 0,09/100 mil habitantes, com variações de 0,40 no Rio Grande do sul a 0,05 em Santa Catarina; A Argentina tem taxa de mortalidade de 0,84/100 mil habitantes.

Globo News, “Entre Aspas”, 23 horas.

A apresentadora alega incompetência do governo brasileiro por termos maior taxa de mortalidade que a Inglaterra, onde agora é verão. Para ela, o medicamento deveria ser liberado para a população, sem controle do governo: “a população saberia usar corretamente”, diz ela, ignorando os malefícios da automedicação no Brasil e as possíveis conseqüências da automedicação ou da medicação sem critérios científicos no enfrentamento atual e futuro da Gripe A e de outras doenças e epidemias.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

12 de agosto de 2009

Municípios [catarinenses] definem Unidade de Referência para atendimento de pacientes com doenças respiratórias agudas.

Secretaria de Estado da Saúde; Notícias da Saúdeedição 12 de agosto.

http://www.saude.sc.gov.br/noticias/saude_noticias/mural/mural_2009/125_ur.htm

O governo do Estado [de Santa Catarina], através da Secretaria de Estado de Saúde, dará suporte financeiro aos municípios para que ampliem o horário de atendimento dos postos de saúde ou definam uma Unidade de Referência responsável pela triagem dos pacientes com doenças respiratórias agudas, para agilizar a identificação de casos suspeitos de Influenza A (H1N1). O Estado repassará ao conjunto de municípios nos próximos 60 dias R$ 3,5 milhões para a contratação de profissionais e a manutenção dos “centros de triagem”.

Às cidades com população inferior a 20 mil habitantes a orientação é que ampliem o horário de atendimento nos Postos de Saúde. Municípios com população entre 20 e 50 mil habitantes receberão R$ 12 mil por mês, com população entre 50 mil e 100 mil habitantes vão receber R$ 40 mil por mês, e com mais de 100 mil habitantes, R$ 80 mil mensais. Todas as unidades deverão ter médico de plantão, atualizado sobre a conduta terapêutica a ser seguida para o encaminhamento do paciente e sobre as medidas de segurança a serem tomadas, para proteção dos profissionais que prestam serviço nestes setores. Na Capital e em Joinville, cidades com maior estrutura de atendimento na Atenção Básica, os pacientes com síndrome gripal devem procurar a Unidade de Pronto-atendimento (UPA) ou o Posto de Saúde mais próximo de sua residência. Outra medida tomada pela SES para facilitar o envolvimento de toda rede hospitalar neste processo foi a publicação de uma Portaria, no dia 10 de agosto, definindo o estabelecimento de uma Central de Regulação de Leitos Hospitalares. “Entre os benefícios trazidos pela Portaria, a SES se propõe a suprir com equipamentos, como ventiladores mecânicos, inclusive os hospitais que não integram a rede pública de Saúde”, destaca a diretora-geral da SES, Carmen Zanotto.

UNIDADES DE REFERÊNCIA:

Florianópolis: UPA Norte, bairro Canasvieiras e UPA Sul, bairro Rio Tavares

Palhoça: Unidade Central de Saúde, bairro Centro

Biguaçu: Unidade Central de Saúde, bairro Caveiras

São José: Centro de Saúde, bairro Bela Vista

Criciúma: Posto de Atendimento em frente à URC (Unidade Radiológica de Criciúma)

Tubarão: Clínica de Referência Humaitá, bairro Humaitá

Içara: Rua João Menegaro, fundos da Igreja São Donato

Chapecó: Ginásio de Esportes, bairro Santa Maria

Caçador: Posto de Atendimento no SESI, bairro Industrial

São Miguel D´Oeste: Posto de Atendimento na Praça Walnir Bottaro Daniel

Joaçaba: AABB, rua Roberto Trompowsky, 110, bairro Centro

Rio do Sul: Secretaria Municipal de Saúde, bairro Centro

Blumenau: Secretaria Municipal de Saúde, bairro Centro

Baln. Camboriú: em frente Posto Central, bairro Centro

Gaspar: Rua Industrial José Beduschi, 99, onde funciona o Saúde da Mulher

De Nice Pires, Florianópolis, colaboradora de GaiaNet

.

13 de agosto de 2009

Boatos sobre a gripe suína se espalham pela internet e causam pânico no Paraná.

BOL Notícias; 13/08/2009 – 22h38

Se depender dos conselhos que circulam pela internet, “comer alho e cebola” e “evitar tomar leite” podem combater a gripe suína –a gripe A (H1N1). Os e-mails que sugerem uma epidemia incontrolável da doença no país circulam às dezenas pela web, especialmente entre moradores de Curitiba (PR). Alguns deles sugerem ainda que o vírus “pode matar em 24 horas” e os “pulmões podem explodir” em decorrência da doença. Para especialistas, o pânico causado pelas correspondências eletrônicas é infundado. Em Curitiba, um boato fez até com que pessoas fossem correndo aos supermercados, de luvas cirúrgicas, comprar mantimentos com receio que eles fossem fechados.

O secretário da Saúde do Paraná, Gilberto Martin, teve que desmentir, em coletiva, o teor das mensagens, que dizem que o governo está omitindo informações e que dezenas de médicos já morreram por causa da gripe na capital. As informações também foram desmentidas oficialmente pelos hospitais. A Secretaria da Saúde do Paraná confirma 58 mortes no Estado –18 delas em Curitiba. (…)

Rui Iwersen, editor

.

13 de agosto de 2009

Brasil tem a segunda menor taxa de mortalidade entre os 15 países com mais óbitos no mundo

Ministério da Saude (WWW.saude.gov.br); 12/08/2009 , às 19h11

Até 12 de agosto, país registrou 0,09 mortes em cada grupo de 100 mil habitantes. Argentina, Uruguai e Costa Rica lideram a lista, seguidos de Chile e Austrália, segundo dados do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças. O número oficial de óbitos causados pela nova gripe notificado no mundo até esta quarta-feira (12/8) revela que o Brasil tem a 14ª taxa de mortalidade entre os 15 países com o maior número absoluto de mortes. Com 192 registros, o país apresenta uma taxa de 0,09 óbitos em cada grupo de 100 mil habitantes, maior apenas que a do Reino Unido – 40 mortes e índice de 0,06 por 100 mil. Países vizinhos, Argentina (0,83) e Uruguai (0,65) têm as maiores taxas, seguidos de Costa Rica (0,61), Chile (0,57) e Austrália (0,46). Em todo o mundo, foram notificados, até esta data, 1.882 óbitos em 48 países. As informações são do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças.

A taxa de mortalidade (número de óbitos relativos à população) passou a ser utilizada no lugar da taxa de letalidade (número de mortes em comparação ao total de casos de determinada doença) para monitorar a gravidade da nova gripe. A mudança na metodologia aconteceu porque, em 16 de julho, por meio de comunicado oficial aos países-membros, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu que não era mais possível contabilizar todos os casos da nova gripe, tornando inviável calcular a taxa de letalidade.

Óbitos e taxa de mortalidade (por 100 mil habitantes)

País Óbitos População Taxa de mortalidade
1. Argentina 338 40.276.376 0,83
2. Uruguai 22 3.360.854 0,65
3. Costa Rica 28 4.578.945 0,61
4. Chile 97 16.970.265 0,57
5. Austrália 100 21.292.893 0,46
6. Paraguai 27 6.348.917 0,42
7. Canadá 66 33.573.467 0,19
8. Malásia 44 27.467.837 0,16
9. Peru 45 29.164.883 0,15
10. Equador 21 13.625.069 0,15
11. México 162 109.610.036 0,14
12. Tailândia 97 67.764.033 0,14
13. EUA 436 314.658.780 0,13
14. Brasil 192 193.733.795 0,09
15. Reino Unido 40 61.565.422 0,06

Fontes: Óbitos: http://www.ecdc.europa.eu(atualização em 12/8)

População: IBGE /2009 – http://www.ibge.gov.br

NOVA ESTRATÉGIA – Dois motivos principais levaram a OMS a mudar de estratégia. O primeiro foi a semelhança observada entre a nova doença e a gripe comum. E o segundo, com base na experiência de outras pandemias, foi a constatação de que a contagem de casos individuais não é mais essencial nesses países para monitoramento, seja pelo nível ou natureza do risco representado pelo vírus pandêmico, seja para orientar medidas de resposta mais apropriadas. Como consequência, os exames laboratoriais de biologia molecular, única forma de diagnosticar o novo vírus, deixaram de ser indicados para todos os casos com sintomas de gripe.

“É importante ficar claro que essa prática não é exclusiva do Brasil, vem sendo adotada por vários países. Vamos continuar a registrar o número de casos, mas apenas em pacientes graves, no caso de óbitos e para confirmar surtos em comunidades fechadas, como escolas, creches e empresas”, diz o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Eduardo Hage.

Nesta fase da doença, com mais de 180 países afetados, muitos deles com livre circulação do vírus, o objetivo não é mais saber se todos os que têm gripe foram infectados por vírus da influenza sazonal ou pelo novo vírus, diz Eduardo Hage. “Para o paciente com sintoma leve, não faz diferença saber se tem a nova gripe ou a sazonal. Faz, sim, diferença para os casos graves ou as pessoas com fatores de risco, justamente os casos previstos no protocolo para indicação de exame laboratorial”.

Fatores e grupos de risco com indicação para tratamento e exame laboratorial

– Grávidas

– Crianças menores de 2 anos e idosos com mais de 60 anos

– Pessoas com doenças que debilitam o sistema imunológico (defesas do organismo), como câncer e aids, ou que tomam regularmente medicamentos que debilitam o sistema imunológico

– Pessoas com doenças crônicas preexistentes, como problemas cardíacos (como arritmias), pulmonares (exemplos: bronquite e asma), renais (pessoas que fazem hemodiálise, por exemplo) e sanguíneos (como anemia e hemofilia)

– Diabetes, hipertensão e obesidade mórbida.

Rui Iwersen, editor

.

14 de agosto de 2009

Anvisa suspende propaganda de medicamentos devido à gripe suína.

BOL Notícias, 14/08/2009

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspendeu temporariamente as propagandas de medicamentos contra a gripe em razão da elevação no Brasil dos casos de gripe suína –gripe A (H1N1). A medida suspende em todo o território nacional as propagandas veiculadas em todos os meios de comunicação, inclusive na internet, de produtos à base de ácido acetilsalicílico.

De acordo com a resolução, publicada na edição desta sexta-feira do “Diário Oficial da União”, a suspensão é necessária porque esses medicamentos são capazes de mascarar uma situação de risco no caso da influenza A.

O texto prevê também a interrupção de comerciais de outros medicamentos de venda isenta de prescrição médica com propriedades analgésicas e antitérmicas e ainda dos destinados ao alívio dos sintomas da gripe, como aqueles à base de paracetamol, dipirona sódica, ibuprofeno e associações.

Fica suspensa ainda o uso de outras técnicas de comunicação, em especial a presença de pessoas em estabelecimentos de comércio varejista de produtos farmacêuticos que promovam tais medicamentos e estimulem a aquisição e o uso indiscriminados dos produtos.

País

O número de mortes no país em decorrência da gripe suína chegou a 277 na quinta-feira (13), de acordo com balanço das secretarias estaduais da Saúde. São Paulo é o Estado com o maior número de mortes no país: 111. O Paraná é o segundo em número de vítimas (58), seguido pelo Rio Grande do Sul (55), Rio (37), Santa Catarina (6), Minas (4), Paraíba (2), Pernambuco (1), Bahia (1) e Rondônia (1), além do Distrito Federal (1).

Também na quinta foi confirmada a primeira morte por gripe suína entre indígenas no Brasil. A vítima é um bebê de três meses, de uma aldeia em São Vicente (litoral paulista), que morreu no dia 7 de agosto, após quatro dias de internação, segundo a Secretaria de Saúde do município. Para conter a disseminação do vírus entre as comunidades indígenas, a Funai (Fundação Nacional do Índio) decidiu suspender provisoriamente o processo de autorização da entrada de não índios em terras indígenas.

Rui Iwersen, editor

.

15 de agosto de 2009

Esclarecimento à população sobre a distribuição do medicamento contra a nova gripe.

Ministério da Saude; Portal da Saude; 14/08/2009 (WWW.saude.gov.br)

Com relação à distribuição do medicamento fosfato de oseltamivir para o tratamento da gripe A (H1N1), o Ministério da Saúde esclarece:

1) Não há proibição da venda do medicamento nas farmácias brasileiras. O fato é que o único laboratório fabricante do remédio deu prioridade total aos pedidos de compra feitos pelo Ministério da Saúde. Essa medida é necessária para que o governo federal cumpra a sua missão de oferecer o medicamento GRATUITAMENTE à população em caso de necessidade.

2) Essa informação vem sendo amplamente divulgada à imprensa, inclusive em comunicados do Ministério da Saúde de 22 e 23 de julho. Em 7 de agosto, a Consultoria Jurídica do Ministério da Saúde reiterou a informação, acrescentando que a Pasta não tem sequer competência para a proibição. Qualquer medicamento que tiver autorização para comercialização emitida pela ANVISA tem a sua venda permitida no país.

3) O laboratório Roche, fabricante do medicamento, também deixou clara a posição em nota divulgada em 23 de julho e reafirmada ao Ministério da Saúde ontem. Diz o texto: “Sobre a distribuição do Tamiflu® (fosfato de oseltamivir), a Roche informa que está alinhada com o Ministério da Saúde para dar prioridade aos seus pedidos. Esta conduta obedece a uma orientação do plano de contingência da própria OMS (Organização Mundial da Saúde), que prioriza o abastecimento dos governos em situações de emergência. A Roche, comprometida em atender todos os pedidos do Ministério da Saúde, vem direcionando toda sua produção a ele. Os estoques só voltarão a ser repostos nos estabelecimentos comerciais após suprimento desta necessidade principal.”

4) Não há falta de medicamento para o tratamento da gripe A (H1N1) no Brasil. O Ministério da Saúde já entregou 485.420 tratamentos aos Estados, número mais do que suficiente para atender a demanda atual. Além disso, o Ministério da Saúde tem em estoque 8,79 milhões de tratamentos adquiridos em 2006. Receberá até o final de agosto mais 800 mil tratamentos e negocia ainda a compra de mais de 9 milhões de tratamentos prontos com entrega prevista até maio de 2010 para manutenção de seu estoque estratégico.

5) O Ministério da Saúde considera que o fato de não haver medicamentos disponíveis nas farmácias, embora não haja proibição para tal, contribui positivamente no sentido de evitar uma corrida desnecessária para a compra desse remédio, que deve ser tomado apenas com indicações médicas a partir do protocolo elaborado pelo Ministério da Saúde.

6) O Ministério da Saúde reitera que o uso indiscriminado do remédio pode tornar o vírus mais resistente e abrir caminho para o surgimento de novas cepas, o que traria mais riscos à saúde pública, como vem alertando a Organização Mundial da Saúde.

7) Para finalizar, o Ministério da Saúde reafirma a orientação à população para NÃO se automedicar.

Outras Informações

Atendimento à Imprensa

(61) 3315-3580   / 3315-2351

Rui Iwersen, editor

.

18 de agosto de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil.

Período entre 25 de abril e 15 de agosto.

MINISTÉRIO DA SAÚDE WWW.saude.gov.br

I – ÓBITOS E FATORES DE RISCO

• As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde informaram, neste período, 368 óbitos por influenza A(H1N1).

ATENÇÃO:

O aumento no número de óbitos em relação ao último boletim não se refere a casos novos de pessoas que morreram neste período de uma semana, mas a casos que tiveram confirmação laboratorial entre 8 e 15 de agosto.

Eventuais confirmações de novos óbitos pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde serão incluídas analisadas apenas no próximo boletim.

• Do total de pessoas que morreram, 185 (50,3%) tinham fator de risco, incluindo gestação.

• Doenças metabólicas e respiratórias, cardiopatias crônicas, hipertensão arterial e imunodepressão (pessoas com o sistema imunológico debilitado, como pacientes de câncer e aids), além de gestação, são os principais fatores de risco para óbitos, entre os casos graves pelo novo vírus (leia mais sobre gestação abaixo).

• Reitera-se que o cálculo da taxa de letalidade em relação ao total de casos de influenza não é mais utilizado como parâmetro para monitorar o comportamento da doença, uma vez que os casos leves não são mais notificados, exceto em surtos. Esta conduta tem sido recomendada pela OMS desde meados de julho e seguida pela maioria dos países, com priorização para monitoramento de casos graves. A taxa de mortalidade dos casos graves confirmados para o novo vírus no Brasil é de 0,19 óbitos por 100 mil habitantes.

Taxas de mortalidade (óbitos por 100 mil habitantes)

País Óbitos População Taxa de mortalidade
1. Argentina 404 40.276.376 1,00
2. Chile 112 16.970.265 0,65
3. Uruguai 22 3.360.854 0,65
4. Costa Rica 29 4.578.945 0,63
5. Paraguai 39 6.348.917 0,61
6. Austrália 118 21.292.893 0,55
7. Malásia 67 27.467.837 0,24
8. Peru 62 29.164.883 0,21
9. Brasil 368 191.481.045 0,19
10. Canadá 66 33.573.467 0,19
11. Equador 23 13.625.069 0,16
12. EUA 477 314.658.780 0,15
13. México 163 109.610.036 0,14
14. Tailândia 97 67.764.033 0,14
15. Reino Unido 44 61.565.422 0,07

Fonte do número de óbitos dos países: www.ecdc.europa.eu (18/8).

IMPORTANTE:

Os países do Hemisfério Sul, que estão no inverno, continuam registrando aumento no número de casos e de mortes, ao contrário dos países do Hemisfério Norte, que estão no verão, quando a transmissão é significativamente reduzida.

Os países adotam periodicidade diferente para atualização do número de óbitos.

II – CASOS GRAVES E FATORES DE RISCO

• De 25 de abril a 15 de agosto, foram registrados 20.820 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no país – ou simplesmente casos graves. Segundo a distribuição destes casos por semana epidemiológica, observa-se diminuição no número absoluto de casos graves pelo novo vírus na 32ª semana, que vai de 9 a 15 de agosto.

• Isso pode ser visto nas colunas vermelhas do gráfico abaixo. Porém, esta observação pode não refletir a realidade, pois muitas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde possuem casos não digitados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), a base de dados que o Ministério da Saúde utiliza para analisar a nova doença.

• Portanto, trata-se de um indicativo ainda preliminar de que a doença pode estar recuando.

Rui Iwersen, editor

.

19 de agosto de 2009

Webconferência sobre manejo de casos internados com suspeita de Influenza A (H1N1).

Da Associação Catarinense de Medicina – ACM – www.acm.org.br

O Secretário de Estado da Saúde,

Sr. Luiz Eduardo Cherem

e o presidente da Associação Catarinense de Medicina,

Dr. Genoir Simoni

convidam os médicos para:

Webconferência sobre o Protocolo de procedimentos para o manejo de casos internados com suspeita de Influenza A (H1N1)

Dia: 20/08/2009

Hora: 20h

O endereço para acesso à webconferência:

vídeo: http://tvplan.spg.sc.gov.br:8080/tvplan

chat: http://www.spg.sc.gov.br/chat

Mais informações sobre o acesso à webconferência podem ser solicitadas pelo e-mail videoconferência@saude.sc.gov.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

21 de agosto de 2009

Número de mortes por gripe no Brasil está próximo de 500

UOL Notícias, 21/08/2009 – 22h27

São Paulo, 21 ago (EFE).- O número de mortes causadas pela gripe A no Brasil é de aproximadamente 500, depois que secretarias de Saúde estaduais confirmaram 488 vítimas fatais como consequência da propagação da doença no país. As secretarias de Saúde dos estados de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul confirmaram novos óbitos hoje, com os quais sobe para 488 o número de mortes no Brasil em decorrência da nova gripe.

O estado de São Paulo lidera a lista, com 179 mortes confirmadas, enquanto o de Santa Catarina decretou estado de emergência em Florianópolis e em outras 19 cidades.

Nesta sexta-feira, a diretora da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, pediu à comunidade internacional “que se prepare” para uma eventual segunda “onda” da gripe A.

Rui Iwersen, editor

.

23 de agosto de 2009

Jovem de 20 anos é a 15ª vítima fatal da gripe na Espanha.

UOL Notícias, 23/08/2009 – 13h08

Granada (Espanha), 23 ago (EFE).- Uma jovem de 20 anos que morreu num hospital da cidade de Granada (Andaluzia, sul) se tornou a 15ª vítima fatal da gripe A na Espanha. Em nota, a Secretaria de Saúde do Governo da Andaluzia informou que a paciente, natural de Granada, já estava doente quando foi infectada pelo vírus A H1N1.

Segundo informações, ela foi internada no último dia 19, com sintomas como febre alta, tosse, dificuldades respiratórias e vômito. A jovem foi a terceira pessoa a morrer de gripe A na Andaluzia. Nas últimas horas, outras duas mulheres perderam a vida em virtude da doença: uma em Sevilha e a outra, em Algeciras.

Rui Iwersen, editor

.

24 de agosto de 2009

Gripe suína atinge índios de aldeia dentro da cidade de São Paulo.

UOL Notícias; 24/08/2009 – 14h09; http://www.noticias.uol.com.br

O vírus da gripe suína já contaminou pelo menos oito índios que vivem na aldeia guarani Tenondé Porã, que fica no bairro de Parelheiros, na zona sul da capital paulista. Segundo o médico Robério Carneiro, responsável pela Unidade Básica de Saúde Vera Poty, situada dentro da aldeia, o primeiro caso de gripe suína entre os índios foi diagnosticado na primeira quinzena de agosto. De lá para cá, segundo ele, “outros sete casos foram confirmados – três deles em um intervalo de cinco dias”. A Tenondé Porã é uma das três aldeias indígenas que ficam dentro do município de São Paulo. Não se sabe ao certo como a doença chegou ao local. Uma possível justificativa seria o contato com não indígenas durante visitas aos familiares e amigos em outras comunidades. “O vírus A (H1N1) foi diagnosticado em uma criança vinda da aldeia do Jaraguá para a de Parelheiros”, explica Carneiro.

O médico afirma que todos os casos registrados ocorreram em crianças e foram tratados com sucesso, mas diz que o vírus continua circulando pela aldeia, que tem cerca de 700 habitantes. “O vírus está circulando pela aldeia. Solicitamos aos moradores que venham ao posto de saúde desacompanhados, para evitar o contágio”, diz. (…)

OMS adverte que pior da pandemia ainda pode chegar.

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, advertiu na última sexta-feira (24) que o pior da pandemia da nova gripe pode estar por chegar. Ela disse que a comunidade internacional deve estar preparada para enfrentar qualquer situação. “É possível que exista uma segunda, ou inclusive uma terceira onda do vírus, como ocorreu em pandemias passadas”, advertiu a responsável da OMS, em mensagem de vídeo divulgada num simpósio sobre a doença realizado em Pequim. Segundo a OMS, cerca de 1.800 pessoas morreram no mundo desde a explosão da doença, em abril. Embora Chan tenha ressaltado que o quadro clínico dos casos é “majoritariamente tranquilizador”, por serem leves, há pessoas nas quais a doença se manifesta de forma mais grave. “Devemos tratar o assunto da vacina pandêmica, e recolher informação sobre quais são os grupos prioritários que precisam ser protegidos”, disse Chan.

Reportagem da EFE. Visite UOL Notícias

Rui Iwersen, editor

.

26 de agosto de 2009

Em números absolutos, Brasil ultrapassa EUA e é o país com mais mortes por gripe suína.

Do UOL Notícias; UOL Notícias; 26/08/2009 – 18h58

País Mortes
Brasil 557
EUA 522
Argentina 439
México 179
Austrália 132
Chile 128
Tailândia 119

O Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira (26) que 557 pessoas morreram no Brasil até o dia 22 de agosto vítimas do vírus da gripe suína (H1N1). Com a confirmação de novas mortes, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos e se tornou o país com mais óbitos causados pela doença no mundo. Entretanto, se for levado em consideração a taxa de mortalidade – relação entre óbitos e número de habitantes na população – o Brasil aparece em sétimo lugar, atrás de Argentina, Chile, Costa Rica, Uruguai, Austrália e Paraguai.

Em relação aos números absolutos de mortos, Brasil é seguido por Estados Unidos (522 óbitos), Argentina (439) e México (179). Deve-se ressaltar que os países adotam periodicidades diferentes para atualização do número de mortes. Os últimos dados dos Estados Unidos, por exemplo, referem-se a 15 de agosto. Até 22 de agosto, segundo o ministério, foram notificados 30.854 casos de síndrome respiratória aguda grave, dos quais 5.206 eram de gripe suína. Segundo o Ministério da Saúde, 1.980 mulheres em idade fértil (entre 15 e 49 anos) contraíram a gripe suína, das quais 480 eram gestantes. No total, 58 grávidas morreram pela doença.

O governo federal enviou nesta quarta-feira ao Congresso Nacional uma medida provisória para liberar R$ 2,1 bilhões para o enfrentamento da gripe suína. Os recursos serão utilizados na compra de 73 milhões de doses da vacina e de 11,2 milhões de tratamentos. Parte do montante será usada na aquisição de equipamentos para hospitalização e material de diagnóstico, no aumento do número de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), na capacitação dos profissionais e para a ampliação dos turnos nas unidades de saúde.

Rui Iwersen, editor

.

28 de agosto de 2009

Gripe suína ultrapassa gripe comum em número de novos casos no mundo.

UOL Notícias; 28/08/2009 – 16h32

O vírus H1N1, causador da gripe suína, que causou cerca de 2.200 mortes em 177 países, tornou-se o vírus da gripe dominante no mundo, superando o da gripe sazonal (comum), anunciou nesta sexta-feira a OMS (Organização Mundial de Saúde). Nos diferentes lugares nos quais se propagou ficou “comprovado que o vírus pandêmico H1N1 se instalou rapidamente e se converteu na cepa de gripe dominante em grande parte do mundo”, explicou a OMS em um comunicado.

Até agora, a organização considerava “provável” um domínio do H1N1 a partir do próximo inverno no hemisfério Norte. Segundo os dados publicados pela OMS nesta sexta-feira, a considerada, desde o dia 11 de junho, como a primeira pandemia do século 21, causou a morte de “pelo menos 2.185 pessoas” e 209.438 enfermos em mais de 177 países. A OMS destaca a capacidade de propagação do vírus que terá uma segunda onda atingindo o Hemisfério Norte, com a chegada de uma estação mais fria. Entre as boas notícias, nota que as redes de laboratórios que acompanham o vírus não constataram mutação para uma “forma mais virulenta ou mortal”. Além disso, assinala que “uma enorme maioria dos doentes vêm sendo contaminada por uma forma mais benigna da doença”. A OMS previne que em relação à rapidez de propagação, um “grande número de pessoas em todos os países são suscetíveis de contrair” esta gripe, o que poderá ter consequências mais significativas que as observadas durante a primeira onda da doença, na primavera (Hemisfério Norte).

Um dos problemas antecipados pela organização é uma sobrecarga nos serviços de saúde, devido a casos graves. Entre estes últimos, uma proporção importante diz respeito a jovens e a pessoas com boa saúde, o que difere da gripe sazonal. A OMS destacou que em algumas cidades do Hemisfério Sul, 15% das pessoas hospitalizadas tiveram necessidade de receber cuidados intensivos.

Rui Iwersen, Florianópolis, editor

.

31 de agosto de 2009

Gripe comum X Nova gripe: qual é a diferença?

Ministério da Saude; WWW.saude.gov.br; 26 de agosto de 2009.

Tosse, febre e mal-estar. Esses são sintomas comuns de quem pega qualquer gripe. Mas, se os sinais da gripe comum e da Influenza A (H1N1) são praticamente os mesmos, como saber qual é o vírus que foi contraído? A resposta está em pequenos detalhes. A febre é um desses sinais; em todos os casos registrados de gripe A, os pacientes apresentavam temperatura corporal maior que trinta e oito graus. Segundo infectologistas, pacientes com Influenza A geralmente apresentam sintomas que não são frequentes em casos de gripe comum. São eles: dor no estômago, náuseas e até vômitos. Apenas o exame de laboratório pode detectar pode detectar qual é o vírus que infectou os pacientes. Porém, o tratamento é feito da mesma maneira para todos os casos. Por isso, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, enfatiza que não é necessário que todas as pessoas gripadas façam esse teste. “O mesmo medicamento que se usa para tratar as complicações da gripe sazonal é o remédio utilizado para tratar a nova gripe. Portanto, deixa de fazer sentido realizar o exame de certeza para todos os casos”, explica.

O teste tem sido feito apenas em pacientes em estado grave e grupos de risco, como soropositivos e gestantes. De acordo com o Ministério da Saúde, apenas um e meio por cento das pessoas que contraíram a nova gripe apresentaram sintomas graves da doença. Mais de noventa e oito por cento dos infectados com o vírus H1N1 tiveram apenas sintomas leves. Quem está com tosse, febre e mal-estar deve ir a um posto de saúde para ser consultado por um médico, que vai recomendar o tratamento mais adequado.

Rui Iwersen, Florianópolis, editor

.

02 de setembro de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil.

Ministério da Saude; www.saude.gov.br

Quarta-feira, 2/9/2009, às 18h30

1. CONFIRMADA QUEDA CONSISTENTE NO NÚMERO DE CASOS

• O número de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no Brasil, ou simplesmente casos graves, causados pela Influenza A (H1N1) caiu PELA TERCEIRA SEMANA SEGUIDA, confirmando tendência que já havia sido observada nas semanas anteriores.

• Segundo a distribuição por Semana Epidemiológica (SE), foram registrados 151 casos na SE 34, que vai de 23 a 29 de agosto. Na SE 33, que vai 16 a 22 de agosto, houve 639 notificações. E na SE 32, que vai de 9 a 15 de agosto, foram 1.165 registros.

• A análise epidemiológica dos dados permite concluir que a transmissão do novo vírus A (H1N1) e os casos graves provocados por ele estão diminuindo no Brasil.

• Entre 25 de abril e 29 de agosto, foram registrados, ao todo, 7.569 casos graves com confirmação laboratorial para algum tipo de influenza, sendo 6.592 (87,1%) positivos para o novo vírus A(H1N1).

imagem

2. ÓBITOS

• Foram registrados, no período, 657 óbitos por influenza A(H1N1).

Distribuição de óbitos por influenza A (H1N1) por Unidade Federada de residência. SE 34/2009.

imagem

IMPORTANTE:

– O acréscimo no número de óbitos em relação ao último boletim NÃO SE REFERE A CASOS NOVOS DE PESSOAS QUE MORRERAM NO PERÍODO DE UMA SEMANA, mas a casos que tiveram confirmação laboratorial entre 23 e 29 de agosto.

¿-Reitera-se que, de acordo com o novo protocolo, o cálculo da taxa de letalidade em relação ao total de casos de influenza não é mais utilizado como parâmetro para monitorar o comportamento da doença, uma vez que os casos leves não são mais notificados, exceto em surtos. Esta conduta tem sido preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde meados de julho e seguida pela maioria dos países, com priorização para o monitoramento de casos graves por influenza.

TAXA DE MORTALIDADE Tabela – Maiores taxas de mortalidade (por 100 mil/hab.) entre os 15 países com maior número de óbitos

País
Óbitos
População
Taxa de mortalidade
1. Argentina
465
40.276.376
1,15
2. Chile
130
16.970.265
0,76
3. Costa Rica
33
4.578.945
0,72
4. Austrália
155
21.292.893
0,72
5. Paraguai
41
6.348.917
0,64
6. Brasil
657
191.481.045
0,34
7. Peru
98
29.164.883
0,33
8. Equador
40
13.625.033
0,29
9. Malásia
72
27.467.837
0,26
10. Canadá
72
33.573.467
0,21
11. Tailândia
130
67.764.033
0,19
12. EUA
556
314.658.780
0,17
13. México
193
109.610.036
0,17
14. Reino Unido
65
61.565.422
0,10
15. Índia
101
1.198.003.272
0,008

Atualização de óbitos: 2/9 – http://www.ecdc.europa.eu

Número de habitantes: IBGE/2009

IMPORTANTE:

– Os países com as maiores taxas de mortalidade, inclusive o Brasil, estão no hemisfério Sul, exceto a Costa Rica. É no hemisfério Sul que a pandemia atualmente apresenta maior impacto por causa do inverno. Os países do hemisfério Norte, que estão no verão, têm atualmente uma transmissão significativamente menor.

– Os países adotam periodicidade diferente para atualização do número de óbitos.

3. MULHERES E GESTANTES

• Um total de 2.933 mulheres em idade fértil (15 a 49 anos) tiveram resultado positivo para o novo vírus A(H1N1) e desenvolveram a forma grave da doença.

• Destas, 620 mulheres estavam grávidas. Entre as gestantes, 63 morreram.

4. DIVULGAÇÃO DAS NOTAS À IMPRENSA

• Com a confirmação da tendência de queda na circulação do novo vírus e na ocorrência de casos graves, o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre Influenza A (H1N1) passará a ser divulgado quinzenalmente.

Assessoria de Imprensa

(61) 3315-2351/3580

Rui Iwersen, Florianópolis, editor de GaiaNet

.

07 de setembro de 2009

Exames da Gripe A serão realizados em Santa Catarina a partir de amanhã.

O Laboratório Central da Secretaria de Saudedo estado de Santa Catarina – Lacen – iniciará a realização de exames de detecção do vírus Influenza A (H1N1) no dia 8 de setembro. O exame, que até agora era feito no Rio de Janeiro e, portanto, era demorado, será feito agora em Florianópolis e, talvez, em outros municípios do Estado. O Laboratório Central poderá realizar até 80 exames por dia e os resultados estarão prontos e utilizáveis em 72 horas.

Rui Iwersen, Florianópolis, editor de GaiaNet

.

11 de setembro de 2009

Ministério recebe 50 mil tratamentos para a nova gripe

Os pacientes moradores de Florianópolis atendidos na rede de saúde do município, que tiverem prescrição do medicamento Oseltamivir, deverão se dirigir aos seguintes locais, conforme local de moradia de cada paciente:

– UPA Sul – diariamente 24h
– UPA Norte – diariamente 24h
– Policlínica Centro – durante a semana das 8:00 às 17:00h
– Policlínica Continente – durante a semana das 8:00 às 17:00h
– Farmácia Escola (Trindade) – durante a semana das 8:00 às 22:00h

O receituário deve ter 02 vias, ou fazer cópia, e conter as seguintes informações:

– Nome completo da paciente;
– Idade;
– Data do início dos sintomas;
– Nome do medicamento;
– Dosagem;
– Qual o fator de risco que justifica a indicação;
– Assinatura e carimbo com CRM do médico;
– Data da prescrição

http://www.pmf.sc.gov.br/saude/

Janine Mara Alves, Florianópolis, colaboradora de GaiaNet

.

17 de setembro de 2009

Encerramento desta página e inicio de outra graças à mudança de estação e do perfil epidemiológico da Gripe A.

Em sua Nota à Imprensa do dia 16, o Ministério da Saude reconhece “queda acentuada pela quinta semana consecutiva no número de casos graves” e que “os paises com as maiores taxas de mortalidade, inclusive o Brasil, estão no hemisfério sul … por causa do inverno”. “Entre 25 de abril e 12 de setembro de 2009, foram registrados ao todo, 10.401 casos graves com confirmação laboratorial para algum tipo de influenza, sendo 9.249 (89,9%) positivos para o novo virus A (H1N1)”. “Foram registrados, até 12 de setembro, 899 óbitos por Influenza A (H1N1)”. “Com a confirmação da queda na circulação do novo virus e na ocorrência de casos graves, o boletim epidemiológico do Ministério da Saude sobre Influenza A (H1N1) passará a ser divulgado mensalmente”.

Mas, em 4 de setembro de 2009, a Cruz Vermelha Internacinal alertou que devemos nos “preparar para uma segunda onda de Influenza A (H1N1) – gripe suina” (GaiaNet). Para nos prepararmos adequadamente, devemos conhecer e refletir sobre as futuras mutações do virus e sobre a evolução de nossos recursos preventivos (especialmente a vacina) e terapeuticos (principalmente os antivirais). Com esse objetivo, encerramos hoje os registros da 1ª onda de gripe A no hemisfério sul nesta página – um registro histórico da epidemia de gripe A no inverno 2009 do hemisfério sul. Em 2010, ao mesmo tempo em que estaremos atualisando constantemente esta página, iniciaremos, no outono do hemisfério norte, uma nova página de GaiaNet  –  “A Gripe A no Inverno 2009/2010 do Hemisfério Norte” – para acompanhar e divulgar a evolução desta pandemia.

Rui Iwersen, Florianópolis, editor de GaiaNet

.

2010 – SEGUNDA ONDA DA GRIPE A NO HEMISFÉRIO SUL

.

24 de fevereiro de 2010

Para OMS, gripe suína ainda é pandêmica

A Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu manter o status de pandemia para o vírus H1N1 e avaliar o comportamento da gripe suína no próximo inverno da América do Sul para tomar uma decisão definitiva sobre a classificação. (…) O comitê consultivo da OMS, que reúne 15 especialistas, sugeriu ontem que “é prematuro concluir que todas as partes do mundo tenham atingido um pico de transmissão do vírus H1N1″ e que “um tempo e informações adicionais serão necessários para determinar o novo status da pandemia”. Na Europa e Ásia, a tendência tem sido a de uma queda importante no número de novos casos. Mas a OMS estima que o inverno do Hemisfério Sul, que começa nos próximos meses, ainda terá de ser observado. Uma das principais regiões que servirá de teste será a do Cone Sul – Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. (…)

do UOL NotíciasWWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

25 de fevereiro de 2010

OMS volta a defender vacinação contra gripe suína

São Paulo – Apesar de confirmar que o vírus H1N1 não se mostrou tão perigoso como se temia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) defende a campanha de vacinação que será realizada no Brasil a partir de 8 de março e apela para que grande parte da população seja imunizada. Anteontem, a entidade reuniu seus principais especialistas sobre gripe suína, em Genebra, e optou por manter o alerta de pandemia – quando uma doença ultrapassa fronteiras e se espalha para diversos países. Para chegar à decisão, a organização levou em conta dois fatores diretamente ligados ao Brasil e ao Hemisfério Sul. (…) a região entrará nos próximos meses em sua temporada de inverno e que só a partir desse momento será possível saber se haverá uma segunda onda mais forte de contaminação. (…)

Fonte: UOL Ciência e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

04 de março de 2010

Pará antecipa vacinação contra gripe A em 8 cidades

São Paulo – O governo do Pará resolveu antecipar a vacinação contra a gripe suína em oito municípios por causa do aumento do número de casos da doença. A imunização no Estado começou ontem. A capital decidiu manter o calendário nacional. O Ministério da Saúde iniciará a primeira fase da vacinação contra o H1N1 na segunda-feira, atendendo trabalhadores de saúde e indígenas. A partir do dia 22, serão imunizados doentes crônicos, crianças de 6 meses a 2 anos e grávidas. (…) A Secretaria de Saúde Pública informou que a imunização foi antecipada em cinco dias porque os municípios escolhidos já apresentaram casos confirmados da doença. (…)

Fonte: UOL Noticias – WWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

07 de março de 2010

Vacinação contra gripe suína no Brasil começa nesta segunda-feira

Começa nesta segunda-feira (8) a primeira etapa da campanha de vacinação contra a gripe suína –a gripe A (H1N1). A expectativa do Ministério da Saúde é vacinar cerca de 90 milhões de brasileiros em dois meses. A primeira etapa da campanha vai até dia 19 deste mês. Nas duas primeiras semanas da campanha, serão imunizados somente os trabalhadores da área da saúde –que atuam diretamente no combate à doença–, e indígenas que vivem em aldeias do país. Nesta etapa, a estimativa é que cerca de 1,9 milhão de trabalhadores da área da saúde e 566 mil indígenas sejam vacinados contra o vírus.

Devem receber as primeiras doses da vacina médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, recepcionistas, funcionários de limpeza e segurança, motoristas de ambulância, equipes de laboratório e profissionais que atuam em investigação epidemiológica. A vacinação dos funcionários será no próprio local de trabalho. Já a imunização dos indígenas será realizada diretamente nas aldeias, em pareceria com a Funasa (Fundação Nacional de Saúde). (…) A vacinação de grupos prioritários segue parâmetros da OMS (Organização Mundial da Saúde), que recomenda a imunização de trabalhadores de serviços de saúde, indígenas, além de gestantes e pessoas com doenças crônicas.

Próximas etapas

A segunda fase da vacinação contra a gripe A (H1N1) vai do dia 22 de março e até 2 de abril, e incluirá gestantes, crianças (com idades entre seis meses e dois anos), e os portadores de doenças crônicas –como obesidade de grau três, diabetes, pessoas imunodeprimidas, asmáticos graves, cardiopatas e portadores de doenças respiratórias crônicas, dentre outros. As mulheres que engravidarem após 2 de abril poderão receber a vacina até o final da campanha, em 21 de maio. Já na terceira etapa da campanha, que ocorrerá entre os dias 5 e 23 de abril, será vacinada a população de 20 a 29 anos. Entre 24 de abril a 7 de maio, receberão a vacina idosos com 60 anos ou mais portadores de doenças crônicas. Os demais idosos irão tomar a vacina contra a gripe comum. No período de 10 a 21 de maio, serão imunizados adultos de 30 a 39 anos. (…)

Internet

A novidade da campanha será a utilização da internet. A partir de segunda-feira (8), o internauta poderá se cadastrar no site do Ministério da Saúde, informar sua faixa etária e pedir para ser avisado por email da data de sua vacinação. O serviço estará acessível também em sites comerciais onde a campanha será veiculada.

Fonte: UOL Noticias – WWW.noticias.uol.com.br e FolhaOnLine – WWW.folha.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

08 de março de 2010

SP [São Paulo] registra primeira vítima da gripe suína em 2010

A Secretaria da Saúde de Santa Bárbara D`Oeste, interior paulista, confirmou hoje a primeira morte do ano no Estado decorrente do vírus influenza A (H1N1), a gripe suína. De acordo com a pasta, a vítima é um rapaz de 31 anos que passou oito dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu ao agravamento de uma crise respiratória. (…)

Fonte:  UOL NotíciasWWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

10 de março de 2010

Brasil tem 165 casos suspeitos de gripe suína [gripe A] em 2010

O Brasil registrou 165 casos suspeitos de gripe suína nos primeiros dois meses deste ano. Outros 121 casos foram hospitalizados, com síndrome respiratória aguda. Os números foram apresentados pelo secretário de Vigilância em Saúde, Gerson Penna, durante uma palestra feita ontem para empresários sobre a Campanha de Vacinação contra o vírus Influenza. O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, fez um apelo para que as empresas ajudem na divulgação da campanha. (…) Participaram da reunião ontem 87 empresas. O ministro afirmou estar convicto de que a população comparecerá aos postos de vacinação. Além da tradição em outras campanhas, Temporão citou uma pesquisa realizada entre dias 20 e 24 de fevereiro com 1.300 pessoas de 352 cidades do País. Dos entrevistados, 71% afirmaram acreditar na vacina e 84% disseram que gostariam de tomá-la.

Fonte: UOL Ciênciahttp://cienciaesaude.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

15 de março de 2010

SP [São Paulo] já vacinou 200 mil pessoas contra a gripe A, diz secretaria estadual

Balanço parcial da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo mostra que, nos três primeiros dias da campanha, cerca de 200 mil pessoas já haviam sido imunizadas contra a doença, o equivalente a 28,3% do total de trabalhadores da saúde. Durante a primeira etapa da campanha, que começou em 8 de março, serão vacinados em todo o Estado 704,7 mil profissionais da área da saúde. (…) “É importante que os trabalhadores da saúde dos serviços envolvidos na resposta à pandemia estejam imunizados para que não se contaminem e possam manter o sistema de atendimento funcionando caso haja aumento de número de casos” (…)

Fonte: UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

19 de março de 2010

Pessoas com HIV serão vacinadas contra gripe A

Pessoas que vivem com HIV/aids serão vacinadas contra o vírus da Influenza A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína. O Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), Aids e Hepatites Virais, do Ministério da Saúde, diz que elas devem procurar os postos de 22 de março a 2 de abril, período no qual será realizada a 2ª Etapa de Vacinação contra o Vírus da Influenza A (H1N1). Nessa segunda fase, haverá vacinação de portadores de doenças crônicas, incluindo “pacientes com imunodepressão por uso de medicação ou relacionada” a este tipo de enfermidade. No mesmo período, serão vacinadas gestantes e crianças de seis meses até as que ainda não tenham completado dois anos. (…)
Serviço – Data da 2ª Etapa de Vacinação: de 22 de março a 2 de abril. Local: Postos de saúde com salas de vacinação de todo o País. Informações: nos sites http://www.saude.gov.br e http://www.aids.gov.br

Fonte: UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

..

21 de março 2010

Vacinação de grávidas contra gripe suína começa hoje

Grávidas, crianças de seis meses a dois anos e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e cardiopatias, passam a ser vacinados a partir de hoje contra a gripe A (H1N1) –a gripe suína. Elas devem procurar unidades básicas de saúde. (…) Será o início da segunda etapa da campanha no país, que vai até 2 de abril. Na primeira, que começou no dia 8 e acabou na sexta-feira, foram vacinados indígenas e trabalhadores da saúde. A meta do governo é vacinar 80% das pessoas em grupos de risco, ou seja, com mais chances de ter a forma grave da doença. São 73 milhões no Brasil (…) As grávidas e as crianças pequenas também entram no grupo de risco em razão de recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e com base na observação da morbidade da doença no seu primeiro ano –2009. (…) A vacinação ocorre antes do inverno, período em que as gripes aparecem de forma mais acentuada. A medida já ocorreu em boa parte dos países do hemisfério norte e agora começa no hemisfério sul. (…)

Doenças crônicas para vacinação

Obesidade grau 3 (antiga obesidade mórbida) em crianças, adolescentes e adultos

Doença respiratória crônica desde a infância (ex: fibrose cística, displasia broncopulmonar)

Asma (forma grave)

Doença neuromuscular com comprometimento da função respiratória (ex: distrofia neuromuscular)

Imunodepresão por uso de medicação ou relacionada às doenças crônicas

Diabetes

Doença pulmonar obstrutiva crônica e outras doenças crônicas com insuficiência respiratória

Doença hepática (ex: atresia biliar, cirrose, hepatite crônica)

Insuficiência renal crônica, principalmente em doentes em diálise

Doença hematológica (ex: hemoglobinopatias)

Menores de 18 anos com terapêutica contínua com salicilatos (ex: doença reumática autoimune, doença de Kawasaki)

Síndrome Clínica de Insuficiência Cardíaca

Cardiopatia estrutural (ex: hipertensão arterial pulmonar e valvulopatia)

Cardiopatia isquêmica ou hipertensiva com disfunção ventricular

Cardiopatias congênitas cianóticas

Cardiopatias congênitas acianóticas (não corrigidas cirurgicamente ou por intervenção)

Miocardiopatia (dilatada, hipertrófica ou restritiva)

Pericardiopatia

Fonte: Ministério da Saúde

Os pacientes devem consultar o médico antes de tomar a vacina para esclarecer dúvidas e receber orientações.

Fonte: UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

22 de março de 2010

Começa hoje vacinação de doente crônico contra gripe A

As principais sociedades de especialidades médicas defendem que doentes crônicos, como diabéticos e asmáticos graves, se vacinem a partir de hoje contra a gripe suína como forma de prevenir quadros severos em uma eventual segunda onda da doença neste ano. Até sexta-feira, 13 milhões de pessoas com menos de 59 anos com esses e outros problemas de saúde devem ser imunizadas, segundo o Ministério da Saúde. Idosos doentes são o público-alvo da quarta etapa da estratégia. (…) Junto com a população doente crônica até 59 anos deverão ser imunizadas, nesta semana, crianças de 6 meses a 1 ano, 11 meses e 29 dias (4,5 milhões de indivíduos) e parte das gestantes, estimadas em 3 milhões de mulheres. O último grupo poderá se vacinar até o fim da megacampanha, em 21 de maio. (…)

Calendário

Gestantes: De hoje a 21/5.

Crianças de 6 a 23 meses e doentes crônicos com até 59 anos: De hoje a 2/4.

Adultos de 20 a 29 anos: De 5 a 23/4.

Idosos (a partir de 60 anos) com doença crônica: De 24/4 a 7/5.

Adultos de 30 a 39 anos: De 10 a 21/5.

Fonte: UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

24 de março de 2010

OMS mantém alerta de pandemia de gripe suína

O Comitê de Emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu manter o nível de pandemia para a influenza A (H1N1) – gripe suína. De acordo com o órgão, há a constatação de queda de casos da doença em alguns países, mas há também indícios de alto nível de transmissão no Oeste da África.

A OMS expressou preocupação diante da proximidade com o inverno no Hemisfério Sul e de possíveis aumentos da transmissão do vírus Influenza H1N1 no período. (…)

Fonte: UOL Ciência e Agencia Brasil

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

25 de março de 2010

Pará já confirma 22 mortes por gripe suína este ano

O Estado do Pará já registrou este ano 22 mortes causadas pelo vírus da Influenza A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína. Desse total, sete eram gestantes. Os dados constam em relatório da Secretaria Estadual de Saúde, feito entre os dias 3 de janeiro e 20 deste mês. Segundo o levantamento, foram notificados neste ano 151 casos confirmados da nova gripe. Além disso, 58 ainda aguardam resultado. Outras duas mortes também aguardam conclusão laboratorial.

Os casos de óbitos aconteceram nos municípios de Ananindeua (2), Barcarena (1), Belém (3), Benevides (1), Bragança (1), Cametá (3), Castanhal (1), Capanema (1), Jacundá (1), Moju (1), Parauapebas (3), Paragominas (1), Santarém (2) e Tailândia (1).

Fonte: UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

29 de março de 2010

Campanha contra gripe suína já vacinou mais de 1 milhão de pessoas em SP [São Paulo]

A campanha de vacinação contra a gripe suína –a gripe A (H1N1)– já vacinou mais de 1 milhão de pessoas apenas no Estado de São Paulo. Até o fim da campanha o numero de paulistanos imunizados deve atingir a marca de 20 milhões segundo a Secretaria Estadual de Saúde. Segundo balanço divulgado nesta segunda-feira pela pasta, a marca de 1 milhão de pessoas vacinadas foi atingida no dia 24 de março, 16 dias depois do início da campanha. Nesse período, foram imunizados 500 mil trabalhadores da saúde, 227 mil crianças com idades entre seis meses e menores de dois anos, 110 mil gestantes e 205 mil pacientes com doença crônica.

Desde o dia 22 de março estão sendo imunizadas gestantes, crianças com idades entre seis meses e dois anos, além de portadores de doenças crônicas. (…) A vacinação de grupos prioritários segue parâmetros da OMS (Organização Mundial da Saúde), que recomenda a imunização de trabalhadores de serviços de saúde, indígenas, além de gestantes e pessoas com doenças crônicas. O Ministério da Saúde ainda não informou quando a vacina estará disponível para o restante da população.

Fonte: UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br e FolhaOnLine – WWW.folha.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

03 de abril de 2010

Prorrogada, 2ª etapa de vacinação contra a gripe suína vai até 23 de abril

segunda etapa de vacinação contra a gripe suína –a gripe H1N1– foi prorrogada e deve ocorrer até o dia 23 de abril. Nesta fase estão sendo imunizadas grávidas, crianças de seis meses a dois anos e portadores de doenças crônicas, segundo o Ministério da Saúde.
De acordo com a pasta, esta etapa de vacinação começou no dia 22 de março e deveria se estender até ontem, mas, em decorrência do feriado prolongado de Páscoa, deverá seguir simultaneamente com a terceira etapa da campanha, que começa na segunda (5) e será destinada à população de 20 a 29 anos.

Grupos prioritários Data da vacinação
Trabalhadores da saúde e indígenas 08/03 a 19/03
Gestantes 22/03 a 23/04
Doentes crônicos 22/03 a 23/04
Crianças de seis meses a menores de dois anos 22/03 a 23/04
População de 20 a 29 anos 05/04 a 23/04
Campanha de vacinação do idoso (gripe comum) 24/04 a 07/05
População de 30 a 39 anos 10/05 a 21/05

Após o encerramento da segunda e terceira etapa, receberão a vacina idosos com 60 anos ou mais portadores de doenças crônicas, entre 24 de abril a 7 de maio. Os demais idosos irão tomar a vacina contra a gripe comum. No período de 10 a 21 de maio, serão imunizados adultos de 30 a 39 anos. (…) A vacinação ocorre antes do inverno, período em que as gripes aparecem de forma mais acentuada. A medida já ocorreu em boa parte dos países do hemisfério norte e agora começa no hemisfério sul. (…)

Fonte: UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br e FolhaOnLine – WWW.folha.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

05 de abril de 2010

Começa hoje vacinação de jovens contra gripe suína

Começa hoje a terceira etapa da campanha de vacinação contra a Influenza A (H1N1) – a chamada gripe suína – destinada a jovens saudáveis de 20 a 29 anos. Durante o período de imunização desse grupo, que vai até o dia 23, também poderão ser vacinadas crianças de 6 a 23 meses e pessoas com doenças crônicas. As grávidas, em qualquer período de gestação, podem procurar os postos de saúde até o dia 21 de maio. O Ministério da Saúde espera imunizar 80% do público-alvo, formado por 35,1 milhões de pessoas. A faixa etária entre 20 e 29 anos foi a que teve o maior número proporcional de complicações por causa do vírus H1N1 no ano passado – 24% do total de 44.544 casos registrados no País. O grupo também concentrou 20% das mortes no período.

Segundo o ministério, a intenção da campanha não é acabar com a transmissão do vírus, que está disseminado globalmente desde 2009, mas sim evitar as mortes provocadas pela doença. (…)

Fonte: UOL Noticias – WWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

06 de abril de 2010

UOL Enquete

Você pretende se vacinar contra a gripe suína?

Sim
Não
Já me vacinei
Sim
68,06%
Não
26,34%
Já me vacinei
5,60%

Total de votos: 14648

Ministério da Saúde confirma 36 mortes por gripe suína em 2010; 3,6 milhões já foram vacinados

O Ministério da Saúde informou que só neste ano foram confirmadas 36 mortes por gripe suína (Influenza A – H1N1) no Brasil. Os dados, apresentados nesta quinta-feira (25), correspondem ao período de 1º de janeiro até 20 de março. O órgão não informou os dados por Estado, mas o maior número de mortes ocorreu na região Norte.

Só o Estado do Pará registrou 22 mortes, entre elas de sete gestantes. (…) De acordo com o ministério, pelo menos 3,6 milhões de pessoas foram vacinadas contra a doença. Na primeira etapa da campanha, que vacinou povos indígenas e profissionais da área de saúde, foram 1,5 milhões de vacinas. Na segunda etapa, que está em andamento, foram vacinados ao menos 2,1 milhões de brasileiros pertencentes aos grupos gestantes, menores de dois anos e pessoas com doenças crônicas. O ministério pretende vacinar cerca de 90 milhões de brasileiros em toda a campanha. (…) … as pessoas que não conseguirem se vacinar na etapa prevista para seu grupo poderão procurar postos de vacinação em outro momento. “A recomendação é de que haja flexibilidade. Se a pessoa estava viajando, com problemas de saúde, ela pode procurar, mesmo terminado o período para seu grupo, os postos de vacinação”.

Fonte: UOL Noticias – WWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

07 de abril de 2010

Para chegar aos jovens, governo cria “dia D” contra gripe suína

A terceira etapa da estratégia nacional de vacinação contra a gripe suína começou ontem com baixa procura dos jovens com idades entre 20 e 29 anos. Para atingir a meta de imunizar pelo menos 80% desse público, formado por 35,1 milhões de brasileiros, o Ministério da Saúde vai promover no sábado uma espécie de “dia D” da campanha.

Em todo o País, postos de saúde estarão abertos e Estados e municípios deverão montar estruturas móveis de vacinação em locais de grande circulação. “Ir ao encontro desse público é fundamental”, diz o epidemiologista José Cássio de Moraes, da Santa Casa de São Paulo. “A maioria dos jovens trabalha e/ou estuda em horário comercial e tem dificuldades para ir até o serviço de saúde durante a semana.” A terceira fase acaba dia 23. (…)

Anvisa vai acompanhar reações a vacina contra gripe

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde lançaram um protocolo dirigido a profissionais de saúde para acompanhar eventuais reações provocadas pela vacinação contra gripe H1N1. O documento observa ser importante organizar um esquema para investigar eventuais problemas, apesar de relatos feitos até agora em todo o mundo mostrarem que a vacina é bastante segura. O plano descreve como deve ser feita as notificações e investigações de casos suspeitos de eventos adversos. O sistema deve funcionar durante toda a estratégia de vacinação e se estender até seis semanas depois do encerramento da campanha.

O Ministério da Saúde divulgou hoje balanço sobre a primeira etapa da campanha, que vacinou profissionais de saúde. De acordo com ministério, foram imunizadas 2,2 milhões de pessoas, o equivalente a 88% do público alvo. De acordo com a pasta, foram vacinadas até agora 8,6 milhões de pessoas. (…)

Fonte: UOL Noticias – WWW.noticias.uol.com.br e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

Piauí confirma morte de grávida por gripe suína

A morte de uma mulher, grávida de seis meses, no último dia 18, foi o primeiro caso confirmado de óbito causado pela gripe suína no Piauí este ano, informou a Secretaria Estadual da Saúde. A paciente estava internada em um hospital municipal de Teresina com complicações decorrentes da gravidez e sintomas compatíveis com a nova gripe. (…) De acordo com relatório da Secretaria, este ano foram confirmados 11 casos da doença. Outros 74 casos ainda estão sob suspeita. No ano passado, o Estado registrou 111 casos confirmados e uma morte.

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

13 de abril de 2010

Procura de grávida e doente crônico pela vacina contra a gripe suína ainda preocupa

O número de vacinas aplicadas contra a gripe A (H1N1) aumentou 57,4% nos últimos três dias e chegou à marca de 20 milhões de doses aplicadas, de acordo com balanço do Ministério da Saúde atualizado até as 18h de segunda-feira (12). O ministério, no entanto, disse que ainda é insuficiente e “preocupante” a adesão de grávidas e pessoas com doenças crônicas. A imunização nos dois grupos é de 48,7% e 44,2% do público esperado, respectivamente. A cobertura na população de 20 a 29 anos é ainda mais baixa: 20,2%. Por enquanto, o número total de pessoas imunizadas corresponde a 34,8% do que é esperado até o próximo dia 23. (…)Fonte: Ministério da Saúde – WWW.saude.gov.br e FolhaOnLine – WWW.folha.com.br

Ministério da Saúde cria 471 novos leitos; gripe suína é foco de estratégia

O Ministério da Saúde anunciou hoje (13) um reforço de R$ 70,3 milhões para custear a ampliação e a qualificação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Sistema Único de Saúde (SUS). A medida cria 471 novos leitos e aumenta o repasse de recursos em 63 hospitais distribuídos em 11 estados – Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte, Goiás, Distrito Federal, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais.

Das novas unidades, 262 são para o tratamento de adultos – maior demanda do país – enquanto 156 são para o atendimento de recém-nascidos e 53 para crianças. De acordo com o Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (Cnes), o SUS conta, atualmente, com 16.875 leitos de UTI. Na rede particular, são 10.286, totalizando 27.161 unidades. (…)

Fonte: Agência Brasil e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude

.

Adesão baixa deve prorrogar vacinação contra gripe suína

Assustado com a baixa adesão ao programa de vacinação, o governo estuda prorrogar a campanha contra a gripe suína. Números reunidos até ontem mostram que 20,4 milhões de pessoas foram vacinadas contra a doença, o que representa apenas 34,8% do público alvo. Um desempenho abaixo do esperado, mesmo depois do Dia D, esforço feito no sábado para tentar ampliar o comparecimento aos postos.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse hoje estar preocupado com a adesão de gestantes, doentes crônicos e população entre 20 e 29 anos. Foram vacinadas até agora 48,7% das grávidas, 44,2% dos doentes crônicos e 20,2% dos adultos jovens (entre 20 e 29 anos). “É preciso que as pessoas compareçam. A vacina é eficaz, é segura”, afirmou mais uma vez o ministro. Entre profissionais de saúde, a meta de vacinação já foi atingida. O grupo entre crianças maiores de seis meses e menores de dois anos também apresenta um bom indicador, 75,3%, bem próximo da meta que é 80%. (…) Até 3 de abril, foram registrados 361 casos de pessoas com doença respiratória grave em todo o País. No período, foram contabilizadas 50 mortes, a maior parte no Pará: 25. Apesar do alto índice de casos da doença e das altas taxas de mortalidade, apenas 33,1% da população alvo do Estado foi vacinada. As melhores coberturas foram registradas até agora no Paraná, Maranhão, Goiás, Distrito Federal, Minas e Santa Catarina.

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

.

Farmácia Popular já conta com remédio contra gripe A

O programa Farmácia Popular, do Ministério da Saúde, começa a oferecer hoje, gratuitamente, o fosfato de oseltamivir, remédio usado no tratamento da Influenza A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína. De acordo com a pasta, as 530 unidades próprias espalhadas pelo País estão abastecidas com o medicamento e prontas para atender à procura de pacientes com sintomas de gripe. No total, serão dois milhões de tratamentos disponíveis à população.

Para retirar o remédio, o paciente deve apresentar a identidade e a prescrição do medicamento emitida por médico da rede pública ou privada. A receita tem validade de cinco dias e ficará retida na unidade do Farmácia Popular. A entrega do oseltamivir para a rede do programa ficará sob responsabilidade do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). (…)

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

19 de abril de 2010

Total de vacinados contra gripe A dobra em 10 dias

Em apenas dez dias, dobrou o número de pessoas vacinadas contra a Influenza A (H1N1), a chamada gripe suína, no País, segundo levantamento do Ministério da Saúde. De acordo com o relatório, até as 9 horas de hoje, 28,3 milhões de pessoas haviam sido imunizadas contra a doença. No dia 9 de abril, 12,9 milhões de brasileiros haviam tomado a vacina. Em relação ao público convocado para as três primeiras etapas de vacinação, a cobertura saltou de 22,1% para 47,5%. O Ministério da Saúde atribui esse crescimento ao sucesso do “Dia D” de imunização contra a gripe A, realizado no último dia 10.

Na última semana, o Brasil atingiu a meta de vacinar pelo menos 80% das crianças de 6 meses a 2 anos. Até as 9 horas de hoje, a cobertura de vacinação, nesse grupo, estava em 86%. Entre os trabalhadores de serviços de saúde, a meta já foi superada, de acordo com o ministério, sendo vacinados 100% da população alvo.

A cobertura de gestantes e doentes crônicos (54% e 56,2%, respectivamente) cresceu em relação ao dia 9 de abril, mas ainda preocupa o Ministério da Saúde, pois ainda não atingiu a meta de 80%. A cobertura entre os jovens de 20 e 29 anos passou de 10% para 41%.

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

.

40% do público alvo jovem ainda não se vacinou contra gripe H1N1

Mais de 28 milhões de pessoas já se imunizaram contra a gripe H1N1, segundo novo balanço do Ministério da Saúde divulgado nesta segunda-feira (19). As metas para trabalhadores de saúde e crianças de 6 meses a 2 anos já foram atingidas, mas jovens de 20 a 29 anos, grávidas e doentes crônicos ainda precisam se vacinar até o dia 23.

De acordo com Gerson Pena, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, 41% dos jovens, 54% das grávidas e 56% dos doentes crônicos já foram imunizados. Mas, a menos de uma semana para o final do prazo, os números ainda estão longe da meta de 80% do público alvo.  “Os números mais que dobraram desde o dia 9, mas cada um tem que fazer sua parte e se vacinar”, afirma. (…)

Fonte: UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude

.

20 de abril de 2010

Vacinação contra gripe suína atinge 30 milhões; só 55% das grávidas estão imunizadas

A vacinação contra a gripe A (H1N1) –a gripe suína– atingiu nesta terça-feira 30 milhões de pessoas, de acordo com balanço do Ministério da Saúde atualizado até as 15h30. O número corresponde a 40% das pessoas esperadas até o próximo dia 23: gestantes, pessoas com doenças crônicas, crianças de seis meses a dois anos de idade e população entre 20 e 29 anos. A meta é chegar a 80%. A adesão das grávidas à campanha ainda está em 55%. Há uma semana, o percentual era de 44%. Há uma preocupação especial para que elas se vacinem porque a mortalidade pelo vírus entre elas foi 50% maior do que entre a população em geral no ano passado.

De acordo com uma pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde, 40% das pessoas que ainda não se vacinaram alegaram falta de tempo. Apenas 3% declararam que não querem ser imunizadas, e 7% têm medo da reação da vacina. O levantamento foi feito por telefone com 1.504 entrevistados em todo o país.

Fonte: FolhaOnLine – WWW.folha.com.br e Ministério da Saude – WWW.saude.gov.br

.

22 de abril de 2010

Pará registra 29 mortes causadas pela gripe suína no ano

O número de mortes provocadas pela influenza A (H1N1) – gripe suína – no Pará subiu para 29 neste ano, segundo boletim divulgado ontem (21) pela Secretaria de Estado e Saúde Pública do Estado (Sespa). Dos 624 casos com suspeita de síndrome respiratória aguda grave este ano, 219 tiveram a confirmação de infecção pelo vírus Influenza H1N1, que causa a doença. A capital, Belém, registra o maior número de óbitos: cinco.

Apenas os trabalhadores de saúde do Pará têm 100% de índice de vacinação. Os indígenas que vivem em aldeias são o grupo prioritário com a segunda maior taxa: 82%. Em seguida vêm as crianças com menos de 2 anos (74%) e as gestantes (60%). Os portadores de doenças crônicas e os adultos entre 20 e 29 anos têm as menores taxas: 45% e 41%, respectivamente. (…)

Segundo o Ministério da Saúde, 30 milhões de pessoas já foram vacinadas em todo o país.

Fonte: Agência Brasil e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

23 de abril de 2010

Informe técnico e esclarecimentos sobre a utilização da vacina contra a Gripe A.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE E DEFESA CIVIL

SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL

Informe Técnico do Comitê Técnico Assessor de Imunização da SESDEC RJ, com esclarecimentos sobre fatos que põem em dúvida a utilização da Vacina Pandêmica A (H1N1)

Introdução – Em março de 2009 foi detectado no México, comunidade La Gloria, casos de pneumonia com mortes. Também em março de 2009 foi detectada nova cepa do vírus Influenza de origem suína, na Califórnia, chamada de Califórnia A (H1N1), que depois se demonstrou ser a mesma cepa que produziu os casos no México. Em junho de 2009, a OMS declarou pandemia.

Publicação da OMS informa que até 19/02/2010, 212 países já têm casos confirmados. Número de óbitos até esta data é de 15.921. No Brasil, no período de 24 de abril de 2009 até 02 de janeiro de 2010, foram notificados 82.209 casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), com maior incidência nas regiões Sul e Sudeste. 56% (46.244) dos casos ocorreram na região Sul. (…) Entre os casos de SRAG por influenza pandêmica que apresentam uma ou mais comorbidades, o grupo de doenças respiratórias crônicas foi o mais freqüente, com 24,4% dos registros, seguido de doenças cardiovasculares e doenças renais. As faixas etárias com maior incidência de SRAG por influenza pandêmica são os menores de dois anos e a faixa de 20 a 29 anos.

Diante da situação de pandemia houve uma corrida muito grande para produzir uma vacina eficiente, já pensando numa segunda onda de influenza no inverno do hemisfério norte. Vários laboratórios lograram produzir a vacina que já foi utilizada em muitos países, a partir de novembro de 2009.

Movimentos Antivacina – (…) Atualmente a vacina contra influenza A H1N1 tem sofrido forte ação antivacina. A internet, através principalmente de emails e blogs, tem se mostrado o principal meio de divulgação de conceitos bem duvidosos que afirmam que a pandemia é uma estratégia inventada pela OMS, que esta nova influenza não tem comportamento diferente da influenza sazonal e que se tornou um negócio lucrativo para a indústria da saúde. (…)

Eficácia e segurança da vacina: inúmeros estudos vêm sendo feitos evidenciando a eficácia e a segurança da vacina. À medida que vai se disseminando a utilização da vacina para mais países, vai crescendo o número de estudos. (…)

Resumo do relatório do monitoramento de eventos adversos realizado pela Gerência de Imunizações da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Município do Rio de Janeiro: Foram aplicadas de 8de março até 25 de março, 92.798 doses da vacina e foram notificados 58 eventos adversos (0,10%), ou 1 para cada 937 doses aplicadas. Eventos sistêmicos mais comuns: cefaléia, mialgia, febre menor que 39ºC, diarréia, náuseas. Eventos locais mais freqüentes: dor e enduração. Foram notificados 5 casos de hipersensibilidade. (…)

Conclusão: Este Comitê recomenda o uso da Vacina A H1N1 para proteger a população contra a provável segunda onda de influenza que deve ocorrer nos meses de inverno. Pelos estudos aqui apontados e pelo número enorme de vacinados em todo o mundo e [pelas] reações adversas notificadas até a data atual, concluímos que a vacina tem boa eficácia e é segura.

Fonte: Cecília  Bigio, Florianópolis, colaboradora de GaiaNet.

Rui Iwersen, editor

.

24 de abril de 2010

Governo de SP confirma 2ª morte por gripe suína no Estado em 2010

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou neste sábado a segunda morte pela gripe suína –a gripe A (H1N1)– no Estado de São Paulo em 2010. A assessoria da secretaria informou apenas que a vítima é uma mulher grávida, moradora da região do ABC paulista. Não foi confirmada a data da morte da mulher ou o estado de saúde da criança.

A primeira morte causada neste ano pelo vírus ocorreu em Santa Bárbara d’Oeste (138 km a noroeste de São Paulo). Um homem de 31 anos morreu no dia 4 de março na Santa Casa da cidade dez dias depois de ser internado. O paciente não apresentava fatores de risco, como doenças crônicas, e não esteve no exterior antes de contrair a gripe, segundo a secretaria. O Estado registrou, ao todo, sete casos da doença neste ano. (…)

Fonte: FolhaOnLine – WWW.folha.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

28 de abril de 2010

Mais de 64% dos convocados já se vacinaram contra a gripe A

A vacinação contra a gripe A ultrapassou os 40 milhões de brasileiros na tarde desta quarta-feira (28), segundo o Ministério da Saúde. Esse número corresponde a 64% das pessoas das etapas convocadas até o momento. Até o final da estratégia, no dia 21 de maio, a meta é vacinar pelo menos 72,8 milhões de pessoas — 80% do público-alvo, que é de 91 milhões. Se levarmos em conta os públicos-alvos, já foram vacinadas 68% das grávidas ( 2 milhões), que podem se imunizar até o final da campanha. Além disso, a cobertura dos doentes crônicos chegou a 64,3% (10,8 milhões de pessoas), e a dos jovens de 20 a 29 atingiu 61% (21,5 milhões). Os índices mais altos de cobertura, até o momento, são das crianças de seis meses a menores de 2 anos (96,5%) e profissionais de saúde envolvidos com o atendimento a casos suspeitos de gripe (100%). Embora a vacinação de crianças já tenha superado a meta prevista, é importante que aquelas que ainda não foram vacinadas procurem as unidades de saúde. (…) A campanha foi prorrogada até 7 de maio para as etapas convocadas até o momento: portadores de doenças crônicas, crianças entre 6 meses e menores de 2 anos e pessoas de 20 a 29 anos. A quinta e última etapa, para pessoas de 30 a 39 anos, terá início em 10 de maio. (…)

Histórico

Em 2010, foram registradas 361 internações da gripe H1N1, até o dia 3 de abril. Desse total, um em cada cinco casos esteve relacionado à gestação. Em relação às mortes, um total de 50, as mulheres correspondem a 76% do total e as gestantes 32%. No ano passado, de 2.051 óbitos registrados, 1.539 (75%) ocorreram em pessoas com doenças crônicas. Entre as grávidas (189 morreram, ao todo), a letalidade entre os casos graves foi 50% maior que na população geral. Adultos de 20 a 29 anos concentraram 20% dos óbitos (416, no total). E as crianças menores de dois anos tiveram a maior taxa de incidência de complicações no ano passado (154 casos por 100 mil habitantes).

Fonte: UOL Ciência e Saúde – http://cienciaesaude.uol.com.br

.

Pernambuco registra primeira morte este ano por gripe A

A Secretaria de Saúde de Pernambuco confirmou hoje a primeira morte este ano no Estado causada pelo vírus da Influenza A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína. O primeiro caso, registrado na última sexta-feira, é de um jovem, do interior do Estado, que já deu entrada na unidade em estado grave e ficou hospitalizado cerca de 20 dias no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), em Recife. O óbito foi confirmado na última quinta-feira.

Este ano, Pernambuco já registrou sete casos confirmados da doença, incluindo o óbito. Outros 18 casos estão em investigação. No ano passado, o Estado registrou 154 casos confirmados da nova gripe, resultando em seis óbitos.

Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

.

Crianças devem tomar segunda dose da vacina contra gripe A

Crianças de seis meses a dois anos devem receber a segunda dose da vacina contra a Gripe A. Crianças portadoras de doenças crônicas com até oito anos também devem voltar aos postos de saúde.

Lembre-se: [para as crianças] é preciso tomar duas doses da vacina para ficar completamente imunizado. De acordo com a diretora da Imunização da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Helena Sato, a segunda dose não precisa ser aplicada exatamente 30 dias após a primeira, mas é importante dar a dose complementar. “É fundamental que a criança receba a segunda dose para que ela seja devidamente imunizada”. (…) Os demais públicos receberão apenas uma dose durante toda a campanha. No sábado (24), começou a campanha para os maiores de 60 anos com doenças crônicas. No próximo dia 10 de maio começa a última fase da campanha destinada para os adultos saudáveis com idade entre 30 e 39 anos. Todos os públicos alvo ainda podem se vacinar até 7 de maio.

O Ministério ressalta que a vacina é segura e eficaz e a única contra-indicação é para quem tem alergia a ovo de galinha.

Fonte: UOL Ciência e Saude – http://cienciaesaude.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

29 de abril de 2010

Em SP [São Paulo], escola infantil vive surto de gripe suína

Cinco estudantes com idades entre 6 e 8 anos de duas classes da Escola Paulistinha de Educação Infantil, ligada à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), na Vila Clementino, zona sul da capital paulista, foram afastados das aulas por apresentar sintomas da gripe suína. Os cinco casos foram confirmados e a Vigilância Epidemiológica Estadual, notificada. Ninguém precisou ser internado.

A infectologista Nancy Bellei, que esteve no colégio, confirma o surto e diz que o número de alunos atingidos pode ter sido maior. “O vírus já está circulando. Várias crianças apresentaram quadro gripal e outras, que nunca faltaram, ausentaram-se”, diz. “Só daqui a algumas semanas a escola vai saber o número real de afetados pelo vírus.” (…) Dez dias depois da confirmação do surto na Escola Paulistinha, a Unifesp registrou mais um caso de H1N1 em um bebê de 9 meses, com sintomas moderados a graves da gripe. Essa criança não tem nenhuma relação com a escola. Como a Unifesp tem laboratório próprio, a confirmação saiu em 24 horas. (…)

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

.

Veja dúvidas mais comuns sobre a vacinação contra a gripe suína

A meta de vacinação contra a gripe A (H1N1) –gripe suína– estipulada pelo governo federal é de pelo menos 80% da população desses grupos de risco. São incluídos nesses grupos gestantes, crianças com idade entre seis meses e dois anos, portadores de doenças crônicas entre outros. (…) a gripe suína, tem sintomas parecidos com os da gripe comum e os da dengue – como febre alta, dores musculares e tosse. Veja abaixo perguntas e respostas sobre a campanha de vacinação no Brasil.

Por que o Ministério da Saúde definiu grupos de risco para a vacinação?

Porque a vacinação em massa não é mais possível, e a estratégia para evitar a segunda onda pandêmica em todo o mundo foi a definição de grupos de risco.

Qual foi o critério?

Segundo recomendação da OMS, foram priorizados grupos de risco. Observou-se a população que mais teve casos graves e mortes em razão da doença no ano passado.

Quais são os grupos de risco?

Grávidas, crianças de seis meses a dois anos, pessoas de 20 a 39 anos, doentes crônicos, indígenas e profissionais envolvidos na resposta à pandemia (funcionários de unidades básicas de saúde, por exemplo).

Esses são os grupos de risco em outros países?

A definição não foi uniforme. Os EUA, por exemplo, fizeram campanha que incluiu todas as crianças e adolescentes, que também têm potencial para desenvolver a doença, ainda que não tenham sido detectados tantos casos graves no ano passado nessa faixa etária.

Por que crianças, adolescentes e professores, entre outros grupos, não foram contemplados no Brasil?
Porque o objetivo primordial para esta vacinação é reduzir o risco de desenvolver doença grave e morrer. E os grupos com indicação para vacina são aqueles que evidenciaram esse perfil no ano passado.Qual o problema de tomar a vacina se não estiver no grupo indicado?

Não há nenhum risco para a saúde, mas com essa atitude a pessoa estará tirando a dose de outra que pertence a um dos grupos de risco, pois as doses são limitadas.

E na rede privada?

As clínicas compraram vacinas dos laboratórios fabricantes, que são diferentes das doses compradas pelo ministério. Elas protegem contra a gripe suína e a gripe comum, enquanto a usada pelo governo imuniza apenas contra a gripe suína.

Todos podem tomá-la?

Sim. Todos com mais de seis meses de idade. Ela é encontrada por um preço médio de R$ 90 em clínicas consultadas pela reportagem. Há contraindicação para pessoas com alergia a ovo e para as que já tiveram reação à vacina contra a gripe comum.

Fonte: Ministério da Saúde – WWW.saude.gov.br; Folha OnLine – WWW.folha.com.br; e UOL Noticias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

06 de maio de 2010

Doentes crônicos têm até amanhã para se imunizar contra a gripe suína

Os doentes crônicos com idades abaixo de 60 anos têm até sexta-feira (7) para tomar a vacina contra a gripe A (H1N1) –gripe suína. A vacinação para doentes crônicos com 60 anos ou mais segue até o dia 21 de maio.

As crianças de seis meses a um ano e 11 meses de idade e aquelas portadoras de doenças crônicas com idade até 8 anos precisam retornar aos postos de saúde para tomarem a segunda dose. Adultos de 30 a 39 anos poderão se vacinar na próxima etapa da campanha, que começa no dia 10 de maio.

Vacinação contra a gripe suína Data
Trabalhadores da saúde e indígenas 8/03 a 19/03
Gestantes Até 7 de maio
Doentes crônicos Até 7 de maio
Crianças de seis meses a dois anos Até 7 de maio
População de 20 a 29 anos Até 7 de maio
Vacinação do idoso (gripe comum) – Sul e Norte Até 7 de maio
Vacinação do idoso (gripe comum) – Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste 8/05 a 21/05
População de 30 a 39 anos 10/05 a 21/05

Fonte: Folha OnLine – WWW.folha.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

07 de maio de 2010

Brasil registra 361 internados e 50 mortes por gripe suína nos primeiros meses de 2010

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou nesta sexta-feira que em 2010 já foram registradas 361 internações por causa da gripe A (H1N1), conhecida como gripe suína, no território brasileiro. As internações ocorreram desde o dia 1º de janeiro até o dia 3 de abril. No período, ocorreu um total de 50 mortes, sendo que as mulheres representam 76% delas e as gestantes, 32%. (…)

Nesta sexta Temporão apresentou o balanço da vacinação contra a gripe suína e lançou a campanha de vacinação do idoso contra a gripe comum, que começa neste sábado (8), após adiamento, nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. Até 21 de maio, como nos outros anos a recomendação é de que todas as pessoas maiores de 60 anos sejam imunizadas. (…)

Fonte: Folha OnLine – WWW.folha.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

.

Vacinação de grávida contra gripe A está abaixo da meta

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse hoje que “aparentemente ainda existe certa resistência” de mulheres grávidas à vacinação contra o vírus da Influenza A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína. Foram vacinadas até agora 1,9 milhão de gestantes, o que representa uma cobertura de 63% para o grupo. A meta do governo é imunizar pelo menos 80% até o dia 21.

“Grande parte das mortes por essa nova gripe, tanto no ano passado como este ano, ocorreu entre mulheres grávidas. É importante que as mulheres saibam que essa vacina não traz nenhum risco para elas nem para a saúde do bebê. É a única maneira de se proteger contra essa doença”, disse o ministro. Ele atribuiu o resultado para esse grupo a “ruídos e lendas urbanas”. “No começo da campanha teve muita coisa circulando na internet dizendo que a vacina fazia mal. Nada disso é verdade. (…)

A quinta etapa da campanha, destinada à população de 30 a 39 anos, vai começar na segunda-feira. Estima-se que 30 milhões deverão ser vacinados nesta faixa.

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

08 de maio de 2010

Unifesp recruta voluntário para desenvolver nova vacina contra a Gripe A

São Paulo – A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) está recrutando voluntários a fim de desenvolver uma nova vacina para oferecer mais proteção contra o vírus da Influenza A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína. O Núcleo de Pesquisas em Geriatria Clínica e Prevenção (Nupeq) da instituição está cadastrando 250 voluntários para um estudo clínico. Podem participar pessoas com idade entre 18 e 70 anos, com histórico de doenças cardíacas, pulmonares ou diabetes e que ainda não tenham tomado nenhuma outra vacina nos últimos 21 dias. O recrutamento também se estende também para quem não possui doença crônica e tenha idade entre 18 e 70 anos.

Os voluntários vão passar por uma consulta e poderão receber a vacina gratuitamente, tendo a oportunidade de serem acompanhados, sem nenhum custo, por equipe médica durante um período que se inicia no outono/inverno. Os interessados podem entrar em contato pelo telefone (11) 5579-0400 ou pelo e-mail regulatorio.nupeq@gmail.com. As inscrições podem ser feitas até o fim de julho.

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

10 de maio de 2010

Começa última etapa da vacinação contra a Gripe A.

Começa hoje vacinação contra gripe suína para pessoas com idades entre 30 e 39 anos

De acordo com o Ministério da Saúde, são estimados 30 milhões de pessoas nessa faixa etária, segundo informação populacional do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). As etapas que incluem crianças entre seis meses e um ano e 11 meses e pacientes com doenças crônicas, além dos jovens entre 20 e 29 anos de idade, se encerraram no dia 7 de maio. (…) Segundo dados divulgados na última sexta-feira (7) pelo Ministério da Saúde, 47,5 milhões de pessoas haviam sido imunizadas, o que representa 81% do público-alvo atingido dos grupos convocados até então.

Vítimas

Entre janeiro e o dia 3 de abril, 361 pessoas foram internadas com a gripe A no país. Segundo o ministério, do total, 1 em cada 5 casos esteve relacionado à gestação. No período foram registradas 50 mortes, sendo que as mulheres representam 76% delas e as gestantes, 32%. (…)
Fonte: Folha Online – WWW.folha.com.br e UOL Notícias – WWW.noticias.uol,com.br
Rui Iwersen, editor de GaiaNet
..
12 de maio de 2010

Paraná registra 11 mortes por gripe suína desde o início do ano

A Secretaria de Saúde do Paraná divulgou nesta semana um novo boletim em que aponta 11 mortes em decorrência da gripe suína –a gripe A (H1N1) – desde o início do ano. Ao todo, 1.150 casos da doença já foram confirmados.

Segundo o balanço feito pela pasta, as regiões de Maringá e londrina são as que registram o maior numero de casos confirmados, sendo 347 e 379 respectivamente. Em seguidas vem a região metropolitana de Curitiba, com a confirmação de 129 casos da doença. (…)

Fonte:  Folha OnlineWWW.folha.uol.com.br

.

Menos da metade da população indígena do AM [Amazonas] foi vacinada contra gripe suína

O Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas informou que dos 136.267 indígenas do Estado, apenas 63.624 foram vacinados contra a gripe suína, o que representa 47% do total. Em Manaus, o percentual de pessoas vacinadas é menor ainda: dos 7.864 indígenas, só 925 foram vacinados, ou seja, menos de 12% da população total.

Os dados foram contabilizados até o final de março. O período de vacinação da população indígena foi de 8 a 19 de março, mas as vacinas podem ser feitas mesmo após o término do prazo. (…)

Fonte:  Folha OnlineWWW.folha.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

19 de maio de 2010

Vacinação contra gripe suína termina sexta-feira; quatro grupos não atingiram a meta

A vacinação contra a gripe A (H1N1) –gripe suína– termina na próxima sexta-feira (21), e a meta de imunização de 80% das pessoas ainda não foi atingida para quatro dos públicos definidos pelo Ministério da Saúde. Ao todo, já foram aplicadas 57 milhões de doses –a meta é chegar a 72 milhões. Os adultos de 30 a 39 anos têm até sexta para se imunizar. Esta é a faixa etária que registrou o maior número de hospitalizações e mortes depois dos grupos prioritários estabelecidos pelo governo. Dos 30 milhões de pessoas nessa faixa, o governo pretende vacinar pelo menos 24 milhões. De acordo com o ministério, até o momento, 8 milhões de doses foram aplicadas, o equivalente a 27% da meta.
As gestantes, os portadores de doenças crônicas com mais de 60 anos, os adultos de 20 a 29 anos e os de 30 a 39 anos não atingiram a meta de vacinação estipulada pelo governo. O último balanço do ministério aponta que, até agora, 66% das gestantes (2 milhões), 86% dos portadores de doenças crônicas (18,1 milhões) e 75% de adultos de 20 a 29 anos (26,4 milhões) foram imunizados. (…)
As crianças de seis meses a dois anos que já foram vacinadas contra a gripe suína deverão retornar para os postos de saúde 30 dias depois da imunização para o recebimento da segunda dose da vacina.

Fonte: Folha.com – WWW.folha.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

21 de maio de 2010

Campanha de vacinação contra gripe A é prorrogada até 2 de junho e agora inclui crianças menores de 5 anos

A campanha de vacinação contra a gripe suína – gripe A H1N1, foi prorrogada até o dia 2 de junho informou o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, nesta sexta-feira (21). Além do público-alvo já divulgado, o Ministério também ampliou a vacinação para crianças menores de 5 anos a partir de segunda-feira (24).

Cerca de 61 milhões de pessoas já foram imunizadas, ou 70% do público-alvo da campanha. Segundo o Ministério, a vacinação praticamente atinge a maior campanha até então no país, a contra a rubéola (2008), que teve duração de seis meses.

O Ministério recomenda ainda que os municípios reforcem a campanha de vacinação – inclusive com busca ativa – de doentes crônicos, crianças de seis meses e menores de dois anos, adultos de 20 a 39 anos e gestantes. Os idosos que ainda não se vacinaram contra a gripe comum também poderão ser imunizados até o dia 2.

As crianças de 2 anos até 4 anos e 11 meses estão na faixa etária que apresenta maior vulnerabilidade a desenvolver complicações pela gripe H1N1, depois dos grupos prioritários já incluídos anteriormente na campanha de vacinação. (…)

Fonte: UOL Ciência e Saude – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ e Futura Press

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

24 de maio de 2010

Crianças de dois a cinco anos podem ser vacinadas contra a gripe suína a partir de hoje

As crianças com idades de dois até quatro anos e 11 meses podem receber a vacina contra a gripe suína –gripe A (H1N1)– a partir desta segunda-feira em todo o país. Os outros grupos inclusos na campanha do Ministério da Saúde também podem ser imunizados até o dia 2 de junho.

Com a inclusão das crianças de dois até quatro anos e 11 meses deverão ser aplicadas mais 10,8 mi de doses da vacina.

A criação de mais uma faixa etária e a decisão de prorrogação da campanha foi anunciada na última sexta-feira (21) pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, uma vez que nenhum município atingiu a meta de vacinar 80% das gestantes e do grupo de pessoas entre 30 e 39 anos. Por conta disso, apenas a prorrogação da vacinação destinada a esta faixa etária será feita em todo o país. Para as outras faixas, o município tem autonomia para manter ou recusar a vacinação. (…)

As crianças de 6 a 23 meses e as menores de nove anos com doenças crônicas ainda receberão a segunda dose da vacina contra a gripe suína. A data da aplicação depende da data da primeira dose –deve ser feita 30 dias depois da primeira aplicação.

Fonte: Folha.com – WWW.folha.uol.com.br

.

Vacinas contra H1N1 podem alterar teste de HIV no laboratório

Pessoas que foram vacinadas contra a gripe suína podem ter falsos diagnósticos positivos para Aids caso façam o exame de HIV em menos de 30 dias após terem recebido a dose. A constatação levou o Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde a encaminhar uma nota técnica aos profissionais de saúde alertando para a necessidade de se fazer contraprova em pacientes nesta situação.
De acordo com o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, o “falso positivo” para Aids ocorreu em um número reduzido de pessoas. “As pessoas que se vacinaram e tiverem de fazer o exame devem aguardar 30 dias. Caso seja uma questão de urgência, como as grávidas, devem avisar que foram vacinadas e, caso o resultado dê positivo, devem fazer a contraprova”, explicou o ministro.
Em nota à imprensa, o departamento de DST/AIDS explicou que a alteração no resultado se dá pelo aumento do nível de anticorpos (IGM) após a vacina. O exame comum de HIV (Elisa) acaba confundindo este aumento com o soropositivo, mas o mesmo não ocorre com a contraprova feita por meio do exame Western Blot. (…)

Fonte: UOL Ciência e Saude – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ e Agência Estado – WWW.estadao.com.br

.

Curitiba confirma primeiro caso de gripe suína

O Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba confirma o primeiro caso autóctone (quando a doença é contraída na própria cidade) de influenza A (HIN1) –gripe suína– este ano, na capital. Uma mulher de 28 anos, que não havia tomado a vacina, fez o tratamento em um hospital privado e concluiu a recuperação em casa. Até agora havia sido confirmado em laboratório apenas o caso importado de um rapaz que desenvolveu a doença em janeiro, no retorno de uma viagem aos Estados Unidos.

De acordo com a diretora do centro, Karin Luhm, esta é a confirmação da presença do vírus da gripe A na capital paranaense –o que deve levar a população a redobrar a atenção quanto aos cuidados básicos de prevenção. Segundo a médica, os que foram convocados para a campanha de vacinação devem comparecer a um dos postos de saúde até a próxima sexta-feira (21). (…)

Fonte:  Folha.comWWW.folha.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

25 de maio de 2010

PR [Paraná] é primeiro Estado a ultrapassar 90% de vacinação contra gripe suína

Com 4,47 milhões de pessoas vacinadas até a manhã desta terça-feira, o Paraná é o primeiro Estado a ultrapassar o índice de 90% de imunização, previsto pelo Ministério da Saúde para a campanha de vacinação contra a gripe suína –a gripe A (H1N1). Foi imunizado um percentual de 92,88% dos grupos considerados prioritários.

A Secretaria da Saúde apela agora às gestantes e adultos de 30 a 39 anos para que procurem o mais rápido possível um posto de saúde. As vacinas estão disponíveis em todos os postos dos 399 municípios do Paraná, gratuitamente. (…) No último boletim epidemiológico da gripe no Paraná, aparece o registro de 1.223 casos este ano, sendo que 11 tiveram evolução no quadro clínico e morreram.

De acordo com a Secretaria de Saúde, há uma expectativa que doses excedentes de outros Estados sejam enviadas ao Paraná que então adotará nova estratégia de distribuição. O Estado foi o que mais sofreu com a gripe no ano passado, quando foram confirmados mais de 60 mil casos da doença e 288 mortes.

Fonte: Folha.com –   WWW.folha.uol.com.br

.

Mulher morre vítima de gripe A em Campinas-SP

A Secretaria Municipal de Saúde de Campinas, no interior de São Paulo, confirmou hoje a morte de uma mulher vítima de gripe A. A vítima, de 34 anos, deu entrada no hospital no último dia 17 e faleceu no dia seguinte, segundo a secretaria. O nome do hospital não foi divulgado.

Segundo a Secretaria, é o terceiro caso da doença confirmado na cidade este ano.

Fonte: Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL NotíciasWWW.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

26 de maio de 2010

Simpósio internacional vai discutir criação de nova vacina contra H1N1 em SP [São Paulo]

Começa nesta quinta-feira (27) a terceira edição do Simpósio Internacional de Vacinas, em São Paulo. A programação inclui palestras de conferencistas internacionais, que vão abordar as novas tecnologias de desenvolvimento de vacinas contra a gripe suína e a falta desta vacina nos centros particulares de vacinação. Durante o evento, serão apresentadas técnicas de biotecnologia no desenvolvimento de vacinas contra o vírus H1N1 em células e em ovos, e as evidências atuais na prevenção da nova gripe em crianças e grávidas, os principais grupos de risco. O encontro também vai discutir novidades sobre vacinas contra outras doenças e terá a participação de especialistas brasileiros, nas áreas de pediatria, infectologia, geriatria, ginecologia e clínica médica.

O simpósio vai tratar a volta da coqueluche, uma doença que já estava erradicada. Os casos vêm aumentando constantemente no mundo todo desde a década de 1980, atingindo principalmente adolescentes e jovens. (…) Ainda vai discutir o desenvolvimento de uma vacina contra a dengue, que deve ser lançada em breve; a vacina contra herpes-zoster; a inclusão da vacina pneumococo no calendário infantil desde de março deste ano; e o futuro da vacinologia.

A programação termina no sábado (29).

Fonte: Folha.com –   WWW.folha.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

26 de maio de 2010

Campinas-SP confirma primeira morte do ano por gripe suína

A Secretaria de Saúde de Campinas (SP) confirmou ontem a primeira morte do ano por gripe suína. Trata-se de uma mulher de 34 anos que morreu em 18 de maio. Ela foi atendida em um hospital da rede privada no dia 17, com histórico de síndrome gripal e evoluiu para insuficiência respiratória. No município, as duas outras pessoas contaminadas também são mulheres, na faixa entre 30 e 40 anos, uma delas gestante. As duas já tiveram alta. (…)

Fonte: AE – Agência Estado – WWW.estadao.com.br e UOL Ciência e Saúde

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

31 de maio de 2010

[Ministério da] Saúde convoca população para os últimos três dias de vacinação contra H1N1

A campanha de vacinação contra a gripe H1N1 chega à reta final e o ministro da Saúde reforça a convocação para a população. Na próxima quarta-feira (2), termina o prazo para os dois últimos grupos se imunizarem: crianças de 2 a menores de 5 anos e adultos de 30 a 39 anos. Gestantes que ainda não se vacinaram também devem procurar um dos 36 mil postos do país. (…) “As pessoas têm apenas mais três dias para se vacinar contra a gripe H1N1. Faço um apelo aos pais e responsáveis que levem as crianças aos postos de vacinação. O recado também é importante para os adultos de 30 a 39 anos, que estão nesta última etapa”, afirmou o ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Ele lembra que o país está entrando no período de maior transmissão de doenças respiratórias, sendo essencial que os grupos mais vulneráveis ao vírus estejam protegidos.

Maior campanha

Esta já é a maior campanha de imunização realizada no país. Até a manhã desta segunda-feira, foram registradas quase 70 milhões de doses aplicadas, superando a campanha de vacinação contra rubéola, que imunizou 67 milhões de pessoas. “No mundo, o Brasil é o país que, proporcionalmente, mais vacinou a sua população. Isso demonstra o grande trabalho desenvolvido pelos profissionais de saúde vacinadores e a confiança da população no programa de imunizações”, afirma o ministro.

A meta de imunizar pelo menos 80% do público-alvo já foi atingida para quase todos os grupos: profissionais de saúde, crianças de seis meses a menores de 2 anos, portadores de doenças crônicas e indígenas. Para o público de 20 a 29 anos, está bem próximo da meta, com 79,5% de doses aplicadas. Nos adultos de 30 a 39 anos, a cobertura é de 54% e nas gestantes, 70%, com mais de 2 milhões de vacinadas.

Internações

Em 2010, foram registradas 540 internações da gripe H1N1, até o dia 8 de maio. Desse total, 18% dos casos esteve relacionado à gestação. Em relação às mortes, um total de 64, as gestantes foram 30%.

No ano passado, de 2.051 óbitos registrados, 1.539 (75%) ocorreram em pessoas com doenças crônicas. Entre as grávidas (189 morreram, ao todo), a letalidade entre os casos graves foi 50% maior que na população geral. Adultos de 20 a 29 anos concentraram 20% dos óbitos (416, no total). (…)

Fonte: UOL Ciência e Saúdehttp://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

01 de junho de 2010

Sorocaba-SP registra 1ª morte por gripe suína este ano

A Vigilância Epidemiológica de Sorocaba, cidade a 92 quilômetros de São Paulo, confirmou ontem a primeira morte causada pelo vírus da gripe suína (Influenza A H1N1) este ano na cidade. A paciente, de 43 anos, estava internada desde o dia 20 e morreu no fim da noite de sábado. Ela não fazia parte dos grupos de risco cobertos pela vacinação. Segundo a Vigilância Epidemiológica, a paciente foi atendida de acordo com o protocolo indicado para a doença.

A cidade teve mais três casos de gripe suína confirmados este ano, mas os pacientes foram tratados e tiveram alta. Outros dois casos suspeitos aguardam o resultado de exames. Em 2009, início da pandemia, a cidade registrou 246 casos e 11 mortes.

Fonte: Agência Estado – www.estadao.com.br e  UOL Ciência e Saúde

.

Campanha de vacinação contra gripe suína não será prorrogada

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou hoje (1º) que a campanha de vacinação contra a influenza A (H1N1) – gripe suína – é “um sucesso”, com 70 milhões de pessoas vacinadas em todo o país, e não será prorrogada. Segundo ele, quem ainda não se vacinou deve procurar os postos de saúde até o fim desta semana. De acordo com o calendário oficial do Ministério da Saúde, a campanha de vacinação acaba amanhã (2) para crianças com idades entre 2 e 5 anos, adultos saudáveis de 30 a 39 anos e gestantes. No caso das crianças, a imunização é feita por meio de duas doses (a segunda aplicada 21 dias após a primeira).

O ministério alerta que, com a chegada do frio, o país entra no período de maior risco de transmissão de doenças respiratórias – entre elas, a gripe suína – e que é essencial que os grupos mais vulneráveis estejam protegidos. “É importante que todos que ainda não se protegeram se protejam. Os efeitos colaterais praticamente não existem, são mínimos. Apenas as pessoas com alergia a ovo devem conversar com o médico antes de tomar a vacina”, explicou Temporão.

Sobre a vacinação contra a gripe comum, o ministro informou que mais de 70% dos idosos já foram imunizados.

Ao comentar o corte orçamentário feito pela área econômica do governo, o ministro disse que os programas de assistência à população não serão afetados.

Fonte: Agência Brasil e UOL Notícias

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

02 de junho de 2010

Gripe A deixa 1 morto e 60 infectados no Chile

De Santiago do Chile

Uma pessoa morreu e 60 foram infectadas com o vírus H1N1 no Chile este ano, segundo um relatório do Ministério da Saúde divulgado hoje. O Ministério precisou que nove casos da doença são graves. Destes últimos, quatro correspondem à região dos Lagos (sul), quatro à região de Bío Bío (sul) e outro à região Metropolitana de Santiago (centro). Os casos correspondem a 62% de homens (37) e a idade média dos contagiados é de 23 anos. Por regiões, a mais afetada é a dos Lagos (sul), com 35 doentes, enquanto na capital do país os casos somam 21.

Em 2009, na mesma data, foram contabilizavam 360 casos de gripe A no Chile e uma morte, sendo que no final do ano esse número passou para 12.302 doentes e 153 mortos.

Segundo as autoridades, embora nas últimas semanas tenha ocorrido um aumento das consultas por doenças respiratórias no país, como é habitual no inverno, no caso específico da gripe A não foi observado um aumento significativo de casos. Como medida preventiva, o Ministério da Saúde dispôs vacinas para mais de quatro milhões de pessoas, mas até o final de maio apenas 3.150.000 haviam se imunizado. Ainda estão disponíveis um milhão de doses.

A subsecretária de Saúde Pública, Liliana Jadue, anunciou a extensão da campanha de vacinação às duas primeiras semanas de junho, aberta a todos os interessados, “correspondam ou não aos grupos de risco (pessoas da terceira idade ou com doenças crônicas e menores de dois anos, entre outros) definidos pelo ministério no início do programa”. “Como a epidemia de doenças respiratórias ainda não começou, fazemos um chamado a todas as pessoas que queiram se proteger para que acudam aos consultórios. Enquanto tiverem vacinas disponíveis, as pessoas vão ser vacinadas”, disse Jadue.

Fonte:EFE e UOL Ciência e Saúde

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

3 de junho de 2010

Paraná registra 11 mortes por gripe suína desde o início do ano

A Secretaria de Saúde do Paraná divulgou nesta semana um novo boletim em que aponta 11 mortes em decorrência da gripe suína –a gripe A (H1N1)– desde o início do ano. Ao todo, 1.150 casos da doença já foram confirmados. Segundo o balanço feito pela pasta, as regiões de Maringá e londrina são as que registram o maior numero de casos confirmados, sendo 347 e 379 respectivamente. Em seguidas vem a região metropolitana de Curitiba, com a confirmação de 129 casos da doença. (…)

Fonte: Folha Online – http://folha.uol.com.br/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

14 de junho de 2010

Segunda onda da gripe suína virá em 2011, prevê virologista britânico

A preocupação das pessoas em relação à gripe suína, ou influenza A (H1N1), já não se compara com o que a população vivenciou no ano passado, quando a epidemia começou. A tão temida “segunda onda”, no entanto, deve despontar no ano que vem, segundo o virologista britânico John Oxford, um dos maiores especialistas em influenza do mundo. Oxford é professor da Escola de Medicina e Odontologia Queen Mary, da Universidade de Londres, e dirige o Conselho Global de Higiene (Hygiene Council), grupo de especialistas que tem como objetivo pesquisar e fazer campanhas de conscientização sobre higiene. Ele está no Brasil esta semana e conversou com o UOL Ciência e Saúde.

Para o virologista, que também é diretor de uma empresa fabricante de vacinas, explica sua previsão pessimista. “Pegamos a vulnerabilidade do vírus e agora ele terá de reagir, buscando outra maneira de se proliferar”, explica. Se a população com 65 anos ou mais foi protegida nesta primeira onda, ele prevê que haverá mais mortes nessa faixa etária no terceiro ano da pandemia. A saída, segundo ele, será imunizar as pessoas da mesma forma como se faz com a gripe sazonal – todo ano há uma vacina diferente, produzida a partir das cepas mais comuns no período. “É um problema sem fim e teremos que lidar com ele”, conclui.

Para o médico brasileiro Eitan Berezin, presidente do departamento de infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, muito se fala em vacina e em remédios contra o H1N1, mas as pessoas não podem deixar os cuidados básicos de lado. “Lavar as mãos e cuidar da limpeza são medidas de prevenção que têm efeito”, garante.

Fonte: UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

15 de junho de 2010

Alérgicos a ovo terão vacina contra gripe A

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) acaba de aprovar uma vacina contra a gripe H1N1 produzida sem a proteína do ovo. Indicada para todas as pessoas, mas, em especial, para aquelas que são alérgicas a essa proteína, a vacina é feita em cultivo de células Vero -derivadas de rins de macaco verde africano.
Menos de 1% da população tem alergia a ovo e não pode tomar a vacina disponível nos postos de saúde e nas clínicas atualmente. (…) A vacina feita do ovo pode provocar reações como dor local, febre e dor de cabeça. Segundo o infectologista Edimilson Migovski, professor da UFRJ, a vacina sem a proteína do ovo tem eficácia semelhante à tradicional: proporciona uma imunização de 75% a 95%.
Produzida pela farmacêutica Baxter, a injeção deve chegar às clínicas particulares nos próximos dias. Ainda não há preço definido.

Fonte: Folha Online – http://folha.uol.com.br/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

17 de junho de 2010

Ministério da Saúde vai distribuir 1,9 milhão de medicamentos contra gripe suína

O Ministério da Saúde vai distribuir aos Estados 1,9 milhão de medicamentos destinados ao tratamento da influenza A (H1N1) –gripe suína–, para enfrentar um possível aumento da doença durante o inverno. As doses são suficientes para tratar 38 vezes mais casos do que o número de ocorrências graves que atingiram o país no ano passado (48.978).

Segundo o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, “é um estoque estratégico para o caso de uma pandemia ou para a manifestação de um novo tipo de influenza”. Temporão disse, entretanto, que, devido ao resultado da campanha de vacinação contra o vírus Influenza H1N1, o país está livre de uma epidemia da doença.
O estoque, destinado ao uso adulto e pediátrico, só será liberado pelo ministério em caso de necessidade comprovada. Uma parte será destinada à rede de farmácias populares, em que 90% do preço será subsidiado. (…)

Fonte: Folha Online – http://folha.uol.com.br/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

17 de junho de 2010

Gripe suína mata 74 no Brasil em 2010; mais de 80 milhões foram vacinados

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, divulgou nesta quinta-feira (17) o balanço da gripe suína (Influeza H1N1) no país e da campanha de vacinação contra o vírus. De acordo com o ministro, neste ano 74 pessoas morreram por conta de gripe suína no país até 5 de junho. Entre as vítimas, 42 (57%) moravam na região Norte, onde, apesar de o frio ser menos intenso do que outras regiões e haver menor oscilação de temperatura, a população enfrenta mais dificuldades em obter acesso a medicamentos e equipamentos de saúde. Do total de pessoas que morreram, 20 eram gestantes e 40 possuíam algum fator de risco, dado que comprova que a doença é mais fatal para os pacientes nessas condições. Até 5 de junho, o Ministério contabilizou que 609 infectados pelo vírus foram hospitalizados, quase a metade na região Norte.

A campanha de vacinação contra a gripe suína, iniciada em março deste ano, alcançou a marca de 81,1 milhão de vacinados, o que representa 88% da meta estabelecida pelo Ministério e 42% do total da população brasileira. “Há uma relação direta entre a ampliação gradual da vacinação com a redução do número de casos e óbitos”, afirmou o ministro. Segundo Temporão, o Brasil possui um estoque com 2 milhões de tratamentos para a gripe suína, potencial que, de acordo com o ministro, é 38 vezes maior do que o país detinha no ano passado. “Temos que nos preparar para o inverno”, afirmou.

Fonte: UOL Notícias – http://noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

23 de junho de 2010

Governo lança teste nacional para diagnóstico de gripe suína

O Brasil tem agora um teste totalmente nacional para diagnosticar a influenza A (H1N1) – gripe suína. O kit nacional foi lançado na tarde desta quarta-feira pelo Ministério da Saúde.
De acordo com o ministério, o teste vai custar R$ 45, cerca de 50% mais barato do que o teste que era importado pelo Brasil. O kit também reduz pela metade o tempo de análise – passando de 8h para 4h.
O primeiro lote deverá ter 30 mil testes que serão usados para detectar a doença em pacientes internados com suspeita da nova gripe. Em princípio, o teste vai ser distribuído para seis laboratórios públicos que hoje fazem o diagnóstico, localizados no Distrito Federal, no Paraná, na Bahia, no Rio de Janeiro, no Pará e em São Paulo.
Segundo o ministério, parte dos testes já foi enviada aos laboratórios, mas não se sabe quando todos serão entregues.
A meta é produzir 80 mil testes por mês – número suficiente para atender a demanda do país, segundo o ministério. O kit foi produzido em uma parceria entre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e institutos de biologia molecular e tecnologia do Paraná.

Fonte: Folha.com- http://www.uol.com.br/folha/

.

Estudo mostra que poluição causa 70% das internações por doença respiratória em São Paulo

A poluição e as mudanças climáticas na capital paulista são responsáveis por cerca de 70% das internações por doenças respiratórias. Essa é uma das conclusões do relatório Vulnerabilidades das Megacidades Brasileiras às Mudanças Climáticas: Região Metropolitana de São Paulo, elaborado por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O estudo revela que as mudanças climáticas causadas pelo modelo de expansão da metrópole, aliadas às alterações no clima global, estão deixando a cidade cada vez mais vulnerável a desastres, como enchentes e deslizamentos, além de afetar de diversas maneiras a saúde da população. Grandes temporais, por exemplo, com uma intensidade de mais de 50 milímetros em um único dia eram praticamente inexistentes na década de 50 do século passado. No entanto, segundo a pesquisa, atualmente chuva como essa ocorre comumente em até cinco períodos do ano.

Entre as causas de eventos como esses, a pesquisadora do Núcleo de População da Unicamp, Andrea Young, cita o modelo de ocupação utilizado Grande São Paulo. Ela lembra que há 50 anos, o perfil da cidade era diferente do de hoje. “Sem vegetação nenhuma, tudo impermealizado e com a contribuição de materiais extremamente quentes, que retém muito calor e que depois emitem [calor]. Então a cidade vai ficando cada vez mais quente”. (…) Pelas projeções do estudo, a mancha urbana da metrópole paulistana será o dobro da atual em 20 anos. O aumento deverá ocorrer “principalmente na periferia, em loteamentos e construções irregulares, e em áreas frágeis, como várzeas e terrenos instáveis, com grande pressão sobre os recursos naturais”. Segundo a pesquisadora,isso acarreta outros riscos para o futuro da metrópole, como até uma eventual escassez de água, devido à destruição dos mananciais e à impossibilidade de recarga dos lençóis freáticos com a impermeabilização do solo. (…)

Fonte: Agência Brasil e  UOL Notíciashttp://noticias.uol.com.br/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

29 de junho de 2010

Gripe A obriga mudança de rotina em restaurantes no RS; comerciantes reclamam

A portaria 325/2010, publicada no Diário Oficial do dia 22 de junho, obriga a utilização de tampas para os serviços de bufê, como forma de isolar os alimentos de uma possível contaminação pelo vírus H1N1. A portaria, entretanto, só foi divulgada pela Secretaria Estadual da Saúde na última sexta-feira (25). O presidente da Associação de Bares e Restaurantes da Cidade Baixa (bairro que reúne grande número estabelecimentos em Porto Alegre), Eli Antônio Sturmer, reclamou da medida. “Acho difícil cumprir. A iniciativa é boa, mas deveríamos ter sido avisados há uns três meses. Ficamos sabendo da determinação esta semana, pela imprensa. Não sei como vamos fazer, pois não vai ter como ficar nesse tira tampa e bota tampa o dia inteiro”, criticou. (…)

Segundo o diretor do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, Francisco Paz, a medida é mais uma forma de prevenir o registro da gripe suína, que matou oficialmente 271 pessoas no Rio Grande do Sul em 2009 e contaminou outras 7.500. Este ano, segundo Paz, os registros da doença são insignificantes: houve menos de uma dezena de casos confirmados e, até agora, nenhum óbito. “Mesmo assim, é necessário manter a vigilância e cercar as inúmeras possibilidades de transmissão da doença”, justificou Paz. A campanha de vacinação conseguiu imunizar cerca de 5,9 milhões de gaúchos – pouco mais da metade da população do Estado. (…)

Cuidados
Além dos alimentos não poderem mais ficar à mostra nos bufês, a portaria determina que todos os estabelecimentos mantenham lavatórios para os clientes, em locais estratégicos e equipados com álcool 70% ou outro produto antisséptico equivalente. Os talheres também devem ser isolados em embalagens individuais e os locais de refeição precisam conter cartazes informativos sobre as formas de contágio e os riscos de se contrair a doença. Os funcionários que apresentarem sintomas relacionados com a gripe, como tosse ou corisa, devem ser afastados da manipulação de alimentos. (…)

Fonte: UOL Notíciaswww.noticias.uol.com.br

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

30 de junho de 2010

México retira alerta sanitário pela gripe após 14 meses

O governo mexicano anunciou hoje a retirada do alerta sanitário pela gripe suína após 14 meses, nos quais morreram no país 1.289 pessoas e foram registrados 72 mil casos, anunciou nesta terça-feira (29) em entrevista coletiva o secretário da Saúde, José Ángel Córdova Villalobos. Esta decisão foi adotada na segunda-feira por unanimidade pelo conselho que avalia a epidemia após comprovar a evolução, a última vítima fatal foi em maio.

Em outubro de 2009, havia 216 pessoas hospitalizadas, em 25 de junho só 22. “A circulação do vírus é mínima”, explicou Córdova.

O país não baixará guarda em termos epidemiológicos e conserva ainda 875 mil vacinas. (…) Em 11 de junho completou um ano desde a declaração de pandemia.

No mesmo dia, a OMS publicou um documento no qual mencionou, entre outras ações, que durante a propagação o vírus H1N1 mostrou padrões diferentes dos da gripe estacional, como “altos níveis de infecção durante o verão” em países do hemisfério norte.

Fonte: EFE – http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/ e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

01 de julho de 2010

Mato Grosso registra primeira morte por gripe suína

A Secretaria de Saúde de Mato Grosso (SES/MT) confirmou na terça-feira a primeira morte no Estado causada pela Influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína. O paciente, de 47 anos, morreu no município de Ipiranga do Norte. Ele apresentou sintomas de febre alta por três dias e pneumonia. Até na terça-feira, o órgão investigava 36 casos de pessoas infectadas com a gripe em diversas cidades.

Para impedir novos casos, a Secretaria informou que a vacinação contra a doença continua nos 141 municípios do Estado. No total, Mato Grosso tem 30 mil doses da vacina.

Fonte: Agência Estado – http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/ e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

15 de julho de 2010

País registra 84 mortes por gripe suína no ano

Pelo menos 84 pessoas morreram e 675 foram hospitalizadas no Brasil este ano em razão do vírus da Influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína. O número inclui as mortes registradas entre 1º de janeiro e 5 de julho, de acordo com o último balanço do Ministério da Saúde. Segundo o levantamento do ministério, a Região Norte registrou 44 óbitos e 256 casos graves da doença. Em seguida, vem o Sul do país, com 15 mortes e 243 casos; a Região Nordeste contabilizou 12 óbitos e 99 casos graves; o Sudeste teve dez mortes e 63 casos; e a Região Centro-Oeste, registrou três óbitos e 14 casos graves confirmados.

Em todo o ano passado, a partir do dia 25 de abril, foram registradas 2.051 mortes decorrentes da gripe suína no país. Somente na região Sudeste foram contabilizados 973 óbitos.

Fonte: Agência Estado – http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/ e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

16 de julho de 2010

Vacina polivalente é a primeira a proteger contra vários tipos de gripe

Cientistas nos EUA criaram uma maneira de acabar com a dificuldade quase medieval que envolve o emprego das vacinas contra a gripe. Trata-se de uma vacinação capaz de proteger o organismo de uma ampla variedade de vírus da doença. (…) Se a ideia funcionar em humanos, “saímos do jogo de gato e rato. Hoje produzimos vacinas contra vírus que já circulam e fazemos monitoramento para saber se a vacina ainda funciona – com a certeza de que uma hora ela não vai funcionar”, diz o biólogo Atila Iamarino, da USP.

Até hoje, a dificuldade de obter uma vacina “genérica” contra muitos tipos de gripe atende pelo nome de hemaglutinina. Essa proteína permite que o vírus grude nas células humanas e as invada. O problema é que há pelo menos 16 tipos de hemaglutinina. Assim, quando o sistema de defesa do organismo “aprende” a se defender de uma, ainda não sabe lidar com as demais. O mesmo vale para as vacinas, cujo papel é ensinar o corpo a se defender. (…) Mas há um elemento da hemaglutinina que muda bem menos de vírus para vírus: o “miolo” da proteína, que fica afundado dentro do invasor e não interage diretamente com as células. (…) No estudo, eles primeiro injetaram o DNA com a “receita” da proteína nas cobaias. Isso fez com que as células delas produzissem hemaglutinina e criassem anticorpos mais “genéricos”, capazes de agir contra uma ampla gama de vírus.
“Na vacina normal, o miolo da proteína pode ficar escondido por outras proteínas do vírus inteiro. Mas, com a nossa abordagem, conseguimos apresentar a proteína inteira ao sistema de defesa do corpo”, disse ele à Folha. Num segundo passo, eles usaram vacinas tradicionais, ou uma nova injeção do “código” da proteína, para reforçar a resposta do organismo. Deu certo: as cobaias conseguiram enfrentar vários tipos de vírus H1N1, H2N2 e H5N1, que representam boa variedade das formas de gripe. (…)

Fonte:- http://www.uol.com.br/folha/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

20 de julho de 2010

Sucesso da vacina da Gripe A já aparece.

OMS não vai declarar, no momento, fim da pandemia de gripe suína

A comissão de emergência da Organização Mundial da Saúde não se reunirá nesta semana para revisar os dados sobre a pandemia da gripe H1N1 e nem irá declarar, no momento, o fim da pandemia, disse um porta-voz da OMS. “Não haverá o EC (comissão de emergência na sigla em inglês) nesta semana. Ainda estamos monitorando e vendo como o vírus se comporta durante o resto do inverno no hemisfério sul”, disse à Reuters o porta-voz da OMS Gregory Hartl. (…) Autoridades da saúde estão acompanhando o vírus em países como Argentina, Austrália, Chile, Nova Zelândia e África do Sul para verificar os índices de infecção, disse Hartl. “Ainda estamos na fase 6, ainda é uma pandemia”, disse Hartl, referindo-se à escala de seis fases da OMS onde a sexta fase representa uma pandemia de gripe completa. “Basicamente nossa interpretação depois de falar com vários países do hemisfério sul é que ainda é muito cedo. Então não haverá nada nesta semana”, disse Hartl.

Uma comissão de especialistas na gripe foi criada pela OMS, uma agência da Organização das Nações Unidas, para fazer recomendações sobre a pandemia, que emergiu no início de 2009 nos Estados Unidos e no México e se espalhou pelo mundo em apenas seis semanas. Até o momento, dados oficiais indicam que o vírus matou 18.337 pessoas, mas a OMS diz que levará ao menos um ano depois do fim da pandemia para determinar o número real de mortos. “No mundo, a atividade da pandemia da gripe continua baixa”, disse a OMS em sua última atualização semanal na sexta-feira. (…)

Fonte: Reuters e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultnot/reuters

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

22 de julho de 2010

Paraná registra 15 mortes por gripe suína em 2010

Pelo menos 15 pessoas morreram neste ano no Estado de Paraná em decorrência do vírus da Influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína, segundo último boletim da Secretaria Estadual da Saúde. As mortes foram registradas na região metropolitana de Curitiba, Ponta Grossa, Pato Branco, Maringá, Apucarana, Londrina e Cornélio Procópio.
De acordo com boletim da secretaria, ao todo, o Estado já confirmou 1.655 casos da doença este ano. Outros 2.922 casos deram negativo para o vírus. (…)

Fonte: Agência Estado – http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/ e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

29 de julho de 2010

Tosse é melhor indicativo para diagnosticar gripe suína do que febre, diz estudo

A gripe H1N1 pode não ser detectada usando os atuais critérios de diagnóstico padrão, de acordo com estudo na edição de agosto da American Journal of Infection Control, publicação oficial da Associação de Profissionais de Controle de Infecção e Epidemiologia (APIC). O estudo conclui que tosse ou outros sintomas respiratórios são mais precisos na determinação da infecção pela influenza do que a febre, diz matéria publicada no Science Daily.

Atualmente, a presença de febre é determinante para um paciente ser classificado como possível caso de gripe suína. (…) No entanto, os autores do estudo descobriram que a tosse, e não a febre, seria um indicador mais confiável da infecção, já que quase metade dos indivíduos com gripe A leve pode não apresentar febre. A equipe liderada por Sang Won Park, professor da Universidade Nacional de Seul, investigou casos confirmados de H1N1 de pacientes que foram internados e colocados em quarentena durante as fases iniciais da pandemia, em 2009. Os resultados do estudo mostraram que apenas 45,5% dos indivíduos tiveram febre. Pessoas com infecção leve e sem febre não seriam identificadas, mas continuaria a fazer parte da cadeia da doença.

Fonte: UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

02 de agosto de 2010

Unifesp cadastra voluntários para nova vacina contra H1N1

A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) está cadastrando voluntários para um estudo que visa desenvolver uma nova vacina contra a gripe H1N1 e outras doenças do inverno. Podem participar pessoas com idade entre 18 e 70 anos com diabetes que ainda não tenham tomado vacina contra a H1N1 ou que tenham tomado a vacina há mais de 90 dias. Os voluntários passarão por uma consulta e poderão receber a vacina gratuitamente.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 0/XX/11/5579-0400.

As inscrições podem ser feitas até o dia 27 de agosto.

Fonte:Folha.com – http://www.uol.com.br/folha/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

22 de julho de 2010

Paraná registra 15 mortes por gripe suína em 2010

Pelo menos 15 pessoas morreram neste ano no Estado de Paraná em decorrência do vírus da Influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína, segundo último boletim da Secretaria Estadual da Saúde. As mortes foram registradas na região metropolitana de Curitiba, Ponta Grossa, Pato Branco, Maringá, Apucarana, Londrina e Cornélio Procópio.

De acordo com boletim da secretaria, ao todo, o Estado já confirmou 1.655 casos da doença este ano. Outros 2.922 casos deram negativo para o vírus. (…)

Fonte: Agência Estado – http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/ e UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

29 de julho de 2010

Tosse é melhor indicativo para diagnosticar gripe suína do que febre, diz estudo

A gripe H1N1 pode não ser detectada usando os atuais critérios de diagnóstico padrão, de acordo com estudo na edição de agosto da American Journal of Infection Control, publicação oficial da Associação de Profissionais de Controle de Infecção e Epidemiologia (APIC). O estudo conclui que tosse ou outros sintomas respiratórios são mais precisos na determinação da infecção pela influenza do que a febre, diz matéria publicada no Science Daily.

Atualmente, a presença de febre é determinante para um paciente ser classificado como possível caso de gripe suína. (…) No entanto, os autores do estudo descobriram que a tosse, e não a febre, seria um indicador mais confiável da infecção, já que quase metade dos indivíduos com gripe A leve pode não apresentar febre. A equipe liderada por Sang Won Park, professor da Universidade Nacional de Seul, investigou casos confirmados de H1N1 de pacientes que foram internados e colocados em quarentena durante as fases iniciais da pandemia, em 2009. Os resultados do estudo mostraram que apenas 45,5% dos indivíduos tiveram febre. Pessoas com infecção leve e sem febre não seriam identificadas, mas continuaria a fazer parte da cadeia da doença.

Fonte: UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

02 de agosto de 2010

Unifesp cadastra voluntários para nova vacina contra H1N1

A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) está cadastrando voluntários para um estudo que visa desenvolver uma nova vacina contra a gripe H1N1 e outras doenças do inverno. Podem participar pessoas com idade entre 18 e 70 anos com diabetes que ainda não tenham tomado vacina contra a H1N1 ou que tenham tomado a vacina há mais de 90 dias. Os voluntários passarão por uma consulta e poderão receber a vacina gratuitamente.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 0/XX/11/5579-0400.

As inscrições podem ser feitas até o dia 27 de agosto.

Fonte:Folha.com – http://www.uol.com.br/folha/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

10 de agosto de 2010

OMS diz que pandemia de gripe suína chegou ao fim

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta terça-feira que a pandemia do vírus da gripe influenza A (H1N1), mais conhecida como gripe suína, chegou ao fim. O anúncio foi feito pela diretora-geral da OMS, Margaret Chan, pouco mais de um ano depois de a organização ter elevado o nível de alerta para a gripe suína para a fase 6, o que caracteriza uma pandemia. “O mundo não está mais na fase 6 do alerta pandêmico de influenza. Estamos agora seguindo em direção ao período pós-pandêmico. O novo vírus H1N1 cumpriu, em grande parte, seu ciclo”, disse Chan no início da conferência.

A OMS ressaltou, no entanto, que o fim da pandemia não significa que o vírus tenha desaparecido. Baseado na experiência de outras pandemias, a organização afirma que o vírus H1N1 deve continuar circulando por alguns anos e espera-se que ele assuma um comportamento parecido com o do vírus da gripe sazonal. (…) Globalmente, os níveis e padrões de transmissão do H1N1 agora são significativamente diferentes dos observados durante a pandemia. Surtos fora de época não estão sendo registrados nem no hemisfério norte nem no hemisfério sul”, disse a chefe da OMS. Além disso, ainda que no período da pandemia o vírus H1N1 tenha se tornado dominante em relação a outros vírus da gripe, isto não está acontecendo mais. Muitos países registrando uma mistura de vírus, como é normalmente registrado em epidemias sazonais. (…)

Fonte: BBC Brasil – http://noticias.uol.com.br/bbc/ e UOL Notícias – http://noticias.uol.com.br/

.

Ministério da Saúde manterá ações de monitoramento e prevenção na fase pós-pandêmica da gripe A

Após a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciar o início da fase pós-pandêmica da gripe H1N1, o Ministério da Saúde declarou que manterá as ações de monitoramento e prevenção da doença. Segundo a OMS, o vírus continua circulando no mundo, mas com comportamento similar ao da gripe comum. A organização aconselha que a atenção aos grupos mais vulneráveis a desenvolver formas graves da doença, como gestantes, portadores de doenças crônicas e crianças menores de dois anos deve continuar. (…)

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou que graças à vacina, todos os índices de gripe estão em queda no país e a demanda por atendimento médico por doenças respiratórias está menor que o esperado para esta época do ano. Ele ressalta, no entanto, que é necessário continuar monitorando o vírus e manter os cuidados típicos do período do inverno, como os hábitos de higiene. O Ministério destaca que a gripe H1N1 vem se mantendo em baixa atividade mesmo nos meses de julho e agosto, nos quais ocorre, todos os anos, aumento no número de casos de influenza e pneumonias associadas. (…)

Fonte: UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

29 de setembro de 2010

Pacientes imunodeprimidos podem desenvolver gripe suína resistente a medicamentos

Pacientes com sistema imunológico enfraquecido podem desenvolver infecções pelo vírus H1N1 resistentes a medicamentos. O alerta foi feito por médicos holandeses nesta quarta-feira (29). (…) O caso recente de um garoto de 5 anos com leucemia que morreu após ter contraído o H1N1 mostra que pacientes imunodeprimidos têm risco aumentado de contrair infecções resistentes a drogas. O vírus sofreu mutação no organismo do garoto e os medicamentos aprovados para a gripe não surtiram qualquer efeito, segundo relatou o médico Charles Boucher, da Universidade Erasmus, em Roterdã, em carta publicada no periódico New England Journal of Medicine.

De acordo com o especialista, uma única mutação é capaz de tornar o vírus resistente aos medicamentos. Trata-se de uma questão complicada para os médicos, aconselhados a receitar drogas rapidamente em pacientes com câncer que contraem gripe. (…) Este mês, pesquisadores relataram que uma mulher em Cingapura desenvolveu resistência ao Tamiflu em apenas 48 horas. Em março passado, médicos americanos identificaram dois outros casos de resistência ao remédio. Ambos os pacientes estavam com o sistema imunológico comprometido, como o garoto na Holanda. Mas, nesses casos, o Relenza funcionou.

Fonte: UOL Ciência e Saúde – http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ e Reuters – http://noticias.bol.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultnot/reuters/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

27 de dezembro de 2010

Gripe suína matou 22 no Sri Lanka nos últimos dois meses

COLOMBO – Pelo menos 22 pessoas morreram e mais de 300 foram infectadas com a gripe suína no Sri Lanka ao longo dos dois últimos meses, informou o ministro da Saúde.

Dados oficiais do governo mostram que 22 pessoas morreram em consequência de uma infecção pelo vírus H1N1 desde 25 de outubro; no total, 342 casos foram reportados. (…) O ministério tem pedido às pessoas que evitem lugares cheios, e ordenou as companhias telefônicas que operam cabines públicas que desinfetem os fones pelo menos oito vezes por dia. Em agosto, a Organização Mundial da Saúde declarou que a pandemia de gripe suína havia terminado, mais de um ano após a primeira onda do vírus ter se espalhado pelo mundo, provocando pânico e matando milhares de pessoas.

Fonte: Yahoo! Notícias – www.br.noticias.yahoo.com e AFP – www.afp.com/afp.com/pt

Rui Iwersen, editor de GaiaNet.

.

30 de dezembro de 2010

Gripe H1N1 mata 56 pessoas desde outubro no Egito

CAIRO – O vírus da gripe H1N1 ressurgiu no Egito, infectou 1.172 pessoas e matou outras 56 desde 8 de outubro, informou uma autoridade do Ministério da Saúde do país. O vírus infectou 16.373 pessoas, das quais 281 morreram, desde quando foi detectado pela primeira vez no país africano em junho de 2009, disse a autoridade, que pediu anonimato. O surto do H1N1, popularmente conhecido como gripe suína, surgiu em 2009 e rapidamente se espalhou pelo mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que 18.450 pessoas morreram do vírus, incluindo muitas grávidas e jovens.

No ano passado, o Cairo tomou uma série de iniciativas para tentar limitar a disseminação do H1N1, como o abate de todos os porcos no país e o fechamento temporário das escolas, além de parar passageiros com febre nos aeroportos.

Fonte: UOL Notícias – http://noticias.uol.com.br e Reuters – http://noticias.bol.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultnot/reuters/

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

07 de fevereiro de 2011

Cientistas produzem vacina para todos os tipos de gripe

da Folha.com e EFE

Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, constataram a eficácia de uma vacina contra a gripe que poderia funcionar contra todas as variações do vírus. A pesquisa é inovadora porque o tratamento, ao contrário dos empregados até agora, ataca diferentes partes do vírus, o que faz com que não seja necessário produzir a cada temporada novas variações da vacina.Segundo os detalhes adiantados nesta segunda-feira pelo jornal “The Guardian”, a equipe dirigida pela doutora Sarah Gilbert, do Jenner Institute da Universidade de Oxford, centrou seu trabalho nas proteínas do interior do vírus da gripe –que são as mesmas em todas as cepas– e não nas da camada externa, que podem sofrer mutações. (…) Os autores da pesquisa destacaram que uma vacina universal economizaria muito tempo e dinheiro, já que o processo de desenvolver uma vacina contra cada gripe significa, pelo menos, quatro meses de trabalho e um investimento milionário. Além disso, se a variação da gripe for altamente patógena – como ocorreu em 1918 com a morte de milhões de pessoas – o atraso na obtenção da vacina seria fatal. “Se empregássemos a mesma vacina de maneira regular, seria como vacinar contra qualquer outra doença, como o tétano. Se transformaria em uma rotina. Não teríamos drásticas mudanças na demanda nem problemas de provisão”, manifestou Sarah. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

28 de fevereiro de 2011

Fábrica de vacina contra gripe do Butantã entra em funcionamento

do UOL Ciência e Saúde

São Paulo – A fábrica de vacina contra influenza do Instituto Butantã, em São Paulo, está finalmente funcionando – embora com pouco mais de 10% da capacidade. Isso significa que, neste ano, parte da população brasileira vai receber a vacina contra a gripe totalmente nacional. Até então, a vacina era importada e apenas envazada pelo instituto.Anunciada em 2004 e inaugurada em 2007, a fábrica da influenza ainda não tinha conseguido cumprir todas as etapas para disponibilizar a vacina da gripe – o que provocou problemas de abastecimento na última campanha de vacinação.
O Butantã pretende entregar de dois a seis milhões de doses da vacina tríplice (que inclui o vírus H1N1 e mais dois que estão em circulação) para a campanha deste ano. A fábrica, no entanto, foi projetada para produzir 20 milhões de doses. E o Ministério da Saúde informou que pretende adquirir 30 milhões de doses. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

23 de abril de 2011

Campanha de vacinação contra a gripe começa segunda-feira

22/04/2011 | da Folha.com

.
A campanha nacional de vacinação contra a gripe começa na próxima segunda-feira (25) e tem como meta imunizar 23,8 milhões de pessoas contra três tipos de vírus, inclusive o H1N1.

Até 13 de maio, além de idosos e indígenas, devem tomar a dose os trabalhadores de saúde, gestantes e crianças entre seis meses e menos de dois anos de idade (os dois grupos haviam sido incluídos excepcionalmente na vacinação contra o H1N1 no ano passado). Cada pessoa deve tomar uma dose da vacina, com exceção das crianças, que têm que receber duas (a segunda 30 dias após a primeira). A única contraindicação é para pessoas com alergia a ovo.

Rui Iwersen, editor

.

09 de maio de 2011

Campanha de vacinação contra a gripe termina na próxima sexta

A campanha nacional de vacinação contra a gripe termina na próxima sexta-feira (13). Devem tomar a dose pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, crianças entre seis meses e menores de dois anos, profissionais da área da saúde e indígenas. A meta do governo federal é vacinar em torno de 24 milhões de pessoas. Balanço do Ministério da Saúde divulgado na última sexta (6) mostra que 12 milhões já haviam sido imunizados.Em São Paulo, dados da Secretaria de Estado da Saúde apontam que as gestantes têm a menor adesão entre o público-alvo. Menos de 30% das grávidas haviam sido imunizadas até a última quinta-feira. (…) A única contraindicação é para pessoas com alergia a ovo.
Editoria de Arte/Folhapress
.
Rui Iwersen, editor
.

.

.14 de maio de 2011

Rio monta tendas para ampliar vacinação contra a gripe

e Agência Brasil

.

Por causa da baixa adesão à campanha de vacinação contra a gripe, a Secretaria Estadual de Saúde do Rio pediu às prefeituras dos 92 municípios que instalem tendas em locais de grande movimento para atender às pessoas que ainda não se vacinaram. A campanha de vacinação foi prorrogada até 20 de maio em todo o Estado. (…)

Editoria de Arte/Folhapress

.

Rui Iwersen, editor

.

19 de maio de 2011

Campanha de vacinação contra a gripe termina amanhã em SP

 UOL Ciência e Saúde

A Secretaria de Saúde encerra amanhã a campanha de vacinação contra a gripe no Estado de São Paulo. Idosos com 60 anos ou mais, gestantes e crianças entre seis e 23 meses de vida devem ser imunizados. As doses também irão imunizar a população contra a gripe A H1N1, tipo que se disseminou pelo mundo na pandemia de 2009.

Os postos de saúde abrem das 8 às 17 horas, de segunda a sexta-feira. (…) A vacinação também vale para profissionais da saúde e indígenas. Para as crianças são necessárias duas doses. A segunda deve ser tomada com intervalo de 30 dias após a primeira. (…)
.
Rui Iwersen, editor
.
02 de junho de 2011

Vacinação contra gripe supera meta em todo o País

  e UOL Notícias

A Campanha de Vacinação contra a Gripe superou a meta neste ano. Segundo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, até a manhã de hoje foram vacinadas mais de 24,3 milhões de pessoas, ou 81,33% do público alvo. A meta era 80%. No ano passado, a campanha foi encerrada sem atingir a meta, com 79,07% de cobertura. Na análise por grupo prioritário, a cobertura mínima foi alcançada entre pessoas com mais de 60 anos (83%), crianças de 6 meses a menores de 2 anos (88,36%) e trabalhadores de saúde (94,77%). A cobertura entre as gestantes estava em 53,26% e, entre os indígenas, 60,79%.

Segundo o ministério, os números ainda devem sofrer alteração nas próximas semanas. O órgão mantém a recomendação de que Estados e municípios continuem a vacinação até chegar ao porcentual de 80% para as populações alvo. No caso das crianças de 6 meses a menores de 2 anos, pais e responsáveis devem levá-las aos postos de vacinação para tomar a dose de reforço. O intervalo entre a primeira e segunda dose deve ser de 30 dias. (…)

Rui Iwersen, editor

.

08 de maio de 2011

Rio Grande do Sul registra primeira morte por gripe suína

Uma mulher de 48 anos morreu nesta segunda-feira (6), em Três Passos (RS), com diagnóstico de gripe A (H1N1) –a gripe suína. Esse foi o primeiro caso de morte por gripe A no Estado neste ano. De acordo com a Secretaria de Saúde, a mulher não se encontrava nos grupos de risco da doença. São gestantes, crianças entre seis meses e dois anos de idade, indígenas e profissionais de saúde, que estão sendo vacinados. A mulher –que não teve o nome divulgado– começou a apresentar os sintomas da gripe A em 29 de maio e foi internada em 1º de junho. Já no último dia dois, foi transferida para a UTI.O Rio Grande do Sul confirmou outros dois casos da doença neste ano. Uma grávida de 21 anos está internada em um hospital de São Gabriel (RS) e uma criança de um ano está em tratamento em Porto Alegre. Eles não foram vacinados. Além desses dois casos, há 87 notificações de suspeita de gripe A no Rio Grande do Sul, mas o diagnóstico ainda não foi confirmado. (…)
.
Rui Iwersen, editor
.
.
11 de julho de 2011

MG [Minas Gerais] registra primeira morte causada por gripe suína em 2011

 e UOL Ciência e Saúde

Belo Horizonte – Minas Gerais registrou hoje a primeira morte em 2011 causada pelo vírus Influenza A H1N1, causador da gripe suína. Desde o início do ano, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) já recebeu 107 notificações de casos suspeitos da doença, sendo que sete foram confirmados e outros sete ainda estão sob investigação.O nome da vítima não foi revelado. Segundo a SES, a paciente era uma mulher de 44 anos que morava em Nepomuceno e morreu internada em um hospital de Baependi, ambas na região sul do Estado. Ainda de acordo com a SES, a paciente tinha quadro de obesidade e hipertensão e já havia sido orientada a se imunizar contra o Influenza, mas teria se recusado a tomar a vacina. (…)
.
.
1 em cada 3 crianças não toma 2ª dose da vacina contra gripe
.
.
Balanço da Secretaria da Saúde de São Paulo divulgado nesta segunda-feira aponta que 34,7% das crianças entre 6 meses e 2 anos ainda não receberam a segunda dose da vacina contra a gripe –portanto, não estão imunizadas. O número corresponde a 266 mil crianças, que ainda precisam ser levadas aos postos de saúde para receber a dose. Desde o início da campanha, em 25 de abril, 767 mil crianças receberam a primeira dose, e apenas 501 mil retornaram aos postos para a segunda.

No Instituto de Infectologia Emílio Ribas, órgão ligado à secretaria, 64% das crianças vacinadas não voltaram à sala de vacina da unidade para receber a segunda dose da vacina.

Rui Iwersen, editor
.
.
14 de julho de 2011

Doses da vacina contra gripe chegarão a 1,7 bi em 2015, diz OMS

EFE

.
A OMS (Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta quinta-feira que, para 2015, haverá 1,7 bilhão de dose da vacina contra a gripe no mundo todo, o que representaria mais que o dobro da produção atual de 800 milhões.O anúncio foi feito em Genebra por Marie-Paule Kieny, diretora geral do Plano de Ação contra a Gripe (GAP, na sigla em inglês), iniciado pela OMS em 2006 para reduzir as diferenças entre a demanda e a provisão de vacinas por meio do apoio técnico e financeiro, especialmente nos países em desenvolvimento. (…)
Rui Iwersen, editor
.
.
04 de agosto de 2011

Cientistas garantem ter descoberto vacina contra todos tipos de vírus da gripe

Há pouco menos de um século, um surto da chamada gripe espanhola, causada pelo vírus H1N1, matou pelo menos 40 milhões de pessoas em todo o mundo. Há pouco mais de um ano, um novo surto da Influenza A – subtipo de vírus da gripe ao qual as gripes espanhola e suína pertencem – matou cerca de 25 mil pessoas. Embora os quase 100 anos que separam as duas epidemias tenham impactado diretamente o número de vítimas da doença, os mais duros tipos de gripe continuam sendo ameaçadoramente letais, e uma resposta amplamente eficaz contra a doença nunca foi desenvolvida, por mais que milhares de cientistas ao redor do mundo se debrucem diariamente sobre o tema.

Um artigo publicado na edição on-line da revista científica Science mostrou, contudo, que pela primeira vez uma vacina que atinja todos os tipos de Influenza A e um medicamento eficiente contra todas as variantes do vírus finalmente podem se tornar realidade. Cientistas do Reino Unido e da Suíça anunciaram a descoberta do FI6, um anticorpo naturalmente produzido pelos seres humanos e altamente eficaz no controle de todos os tipos de gripe A.

Fonte: Universidade Federal do Rio de Janeiro; Boletim Olhar Vitalhttp://www.olharvital.ufrj.br; edição 266
.
Rui Iwersen, editor
.
.
12 de agosto de 2011

Mortes por gripe A chegam a 13 no Rio Grande do Sul

– Folha.com

Um jovem com síndrome de Down, de 24 anos de idade, morreu em decorrência da gripe A (H1N1) no Rio Grande do Sul. Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, outros dois casos da doença foram confirmados, mas ambos evoluem bem. Desde o início do ano, 13 pessoas já morreram de gripe A no Estado. No total, 94 casos da doença foram confirmados só em 2011.

O jovem que morreu morava em Gravataí, na região metropolitana de Porto Alegre, cidade que já soma três mortes pela doença. Segundo o Centro Estadual de Vigilância em Saúde, órgão da secretaria, a vítima da gripe A tinha também um distúrbio metabólico. Na semana passada, uma menina de oito anos que sofria de leucemia e diabetes morreu por causa da gripe. Os outros dois casos confirmados nesta sexta-feira (12) são de um bebê de cinco meses, que continua internado em Porto Alegre, e de um idoso de 71 anos, morador de São Jerônimo (70 km de Porto Alegre). (…)

Rui iwersen, editor
.
.
20 de setembro de 2011

Governo da Índia detecta novo surto de gripe aviária

do BOL e da REUTERS, em NOVA DÉLI

Autoridades do leste da Índia vão começar a abater galinhas e destruir ovos para conter um novo surto da gripe aviária H5, disse o governo em nota nesta terça-feira, enquanto essa cepa viral mutante se espalha por outros países da Ásia.A vigilância foi reforçada no Estado de Bengala Ocidental, que já foi duramente atingido por surtos anteriores da gripe aviária. (…) No mês passado, a FAO (agência da ONU para alimentação e agricultura) alertou para um possível ressurgimento da gripe aviária, e disse que uma cepa mutante do vírus H5N1 está se espalhando pela Ásia e além.Não ficou imediatamente claro se esse foco na Índia tem relação com a nova cepa asiática do vírus. Especialistas alertam que não há vacina contra a cepa do H5N1 recentemente descoberta na China e no Vietnã, e que ela pode acarretar riscos para humanos. Eles disseram que é preciso monitorar atentamente a doença em aves domésticas e selvagens para evitar que ela se espalhe.A gripe aviária surgiu inicialmente na Índia em 2006, e milhares de frangos e patos foram abatidos desde então por causa disso. Mesmo assim, a doença tem reaparecido de tempos em tempos. (…)
Rui Iwersen, editor
.
.
03 de outubro de 2011

Estudo mostra benefícios de vacinação contra gripe em criança

Folha.com e “NEW YORK TIMES”

A proposta do governo americano de oferecer a vacina contra a gripe a crianças na fase pré-escolar resultou em uma grande redução das visitas aos prontos-socorros por crianças entre 2 e 4 anos, segundo um novo estudo. Os benefícios se estendem também a crianças mais velhas. O governo começou a recomendar em 2006 a vacinação das crianças desta fase e, em 2008, ela se estendeu a todas as crianças a partir de seis meses. Porém, o Canadá propôs a vacinação das crianças em fase pré-escolar somente a partir de 2010.Para avaliar os efeitos deste requisito, pesquisadores do Hospital Infantil de Boston compararam dados de 2000 a 2008 de 114.657 visitas de crianças com menos de 18 anos a prontos-socorros de dois hospitais com sintomas semelhantes aos da gripe. Um dos hospitais ficava em Boston e o outro, em Montreal. O estudo foi publicado na última segunda-feira (26) na revista “Canadian Medical Association Journal”. O s cientistas descobriram que após 2006, as visitas de crianças de 2 a 4 anos às salas de emergências diminuíram 34% no hospital de Boston, em comparação ao de Montreal. Além disso, as idas a prontos-socorros nas idades entre 5 e 18 anos diminuíram 18% em Boston.  (…)
Rui Iwersen, editor de GaiaNet
.
.
21 de outubro de 2011

São Paulo confirma primeira morte por gripe suína em 2011

UOL Ciência e Saúde e Agência Brasil 

A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo confirmou hoje (21) a primeira morte por influenza A (H1N1) – gripe suína –  este ano no Estado. A vítima, uma mulher de 42 anos, da região de Bauru (326 quilômetros da capital), morreu no último dia 9. A secretaria informou também que, só este ano, foram registrados mais três casos da gripe. O estado de saúde desses pacientes, porém, não foi informado.

Já o Ministério da Saúde informou que, até hoje (21), 133 casos graves da doença foram notificados em todo o país. Desses, 15 resultaram na morte dos pacientes, 12 só no Rio Grande do Sul, o Estado com maior número de mortes no país.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

02 de novembro de 2011

Estudo sugere que obesidade atrapalha vacina contra a gripe

 da Folha.com e DO “NEW YORK TIMES”

Um estudo recente sugere que pessoas acima do peso se beneficiam menos com a vacina contra a gripe do que aquelas com peso normal. De acordo com ele, com o tempo, quanto mais pesadas elas são, menor é a resposta imunológica. Os pesquisadores estudaram 74 indivíduos que receberam uma combinação de vacinas contra três variedades de gripe no período 2009-2010. Depois, mediram a resposta de anticorpos um mês depois da aplicação da vacina e um ano mais tarde.A maioria era do sexo feminino, sendo um terço com peso normal, um terço acima do peso e um terço obesa. Após um mês, as pessoas acima do peso produziram aproximadamente o mesmo nível de anticorpos que aquelas com peso normal. Mas 11 meses mais tarde, mais da metade dos obesos apresentaram uma queda de quatro vezes menos anticorpos, uma redução vista em apenas 25% dos participantes com peso normal. O estudo, publicado na semana passada no “The International Journal of Obesity”, descobriu que a atividade das células CD8mais –glóbulos brancos que ajudam a combater infecções gripais– também diminuía à medida que o índice de massa corporal aumentava. (…).
Rui Iwersen; de Lima, Peru
.
.
23 de novembro de 2011

Sete crianças contraem gripe A em cidade do interior de SP

Exames feitos em crianças que estavam com suspeita de febre maculosa no município de Oscar Bressane (483 km de São Paulo) mostraram que elas estavam infectadas com o vírus da gripe A (H1N1).(…) No mês passado, um grupo de 17 crianças foi encaminhado à unidade infantil do Hospital de Clínicas de Marília após apresentar febre alta, dores no corpo e dor de cabeça. (…) Foram enviadas ao Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, dez amostras para testes. A suspeita de gripe A foi confirmada em sete crianças. As outras análises ainda não ficaram prontas. (…) De acordo com ele, os casos de gripe A foram os primeiros na cidade. O secretário afirmou que não houve outros registros da doença. Mesmo assim, segundo Romano, a cidade continua com medidas para dificultar a transmissão do vírus, como o uso de álcool gel na escola das crianças.
.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet
.
.
24 de novembro de 2011

Vacina para H1N1 é segura para portadores de doenças autoimunes

UOL Ciência e Saúde e Agência Fapesp

Portadores de doenças reumáticas autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide, apresentam maior risco de infecção do que a população em geral. Por conta disso, precisam ser vacinados contra novos vírus, como o H1N1, causador da gripe suína. Mas não se sabia se as vacinas desenvolvidas para combater esse subtipo do vírus da influenza apresentavam riscos e seriam eficazes para esses pacientes.

Um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) comprovou a imunogenicidade e a segurança da vacina contra o H1N1 em pacientes com doenças reumáticas autoimunes e em pessoas submetidas à terapia imunossupressora, como as com câncer ou que receberam transplante.

Os resultados da pesquisa, que recebeu apoio da Fapesp, foram apresentados no Encontro Científico Anual do Colégio Americano de Reumatologia (ACR, na sigla em inglês), que ocorreu nos dias 4 a 9 de novembro em Chicago, nos Estados Unidos, e publicados anteriormente no Annals of the Rheumatic Diseases. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.
.
28 de novembro de 2011

Estado do Ceará confirma surto de gripe A

 e UOL Notícias

A Secretaria de Saúde do Ceará confirmou neste sábado, 26, o surto de gripe A no município de Pedra Branca, onde foram confirmados 11 casos de gripe H1N1. Todos os pacientes são alunos do Colégio Agrícola da cidade.

Segundo a secretaria, o órgão foi informado do surto na última quarta-feira, 23, e no mesmo dia enviou à cidade um grupo de profissionais para fazer a investigação dos 91 casos notificados. A suspeita é de que a transmissão tenha ocorrido através de uma pessoa da cidade que teve contato com um paciente infectado pelo vírus em São Paulo. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

29 de novembro de 2011

Aumenta número de casos de gripe a no Ceará

 UOL Notícias

Subiu para 13 o número de casos confirmados da gripe A em Pedra Branca, no Ceará, segundo confirmou nesta segunda-feira, 28, a Secretaria Estadual de Saúde. A suspeita é de que a transmissão tenha ocorrido através de uma pessoa da cidade que teve contato com um paciente infectado pelo vírus em São Paulo.

Além dos 13 casos de influenza pandêmica (H1N1) confirmados, outros dois casos foram descartados e três amostras serão reprocessadas, entre as 18 analisadas. Ao todo, segundo a secretaria, foram notificados 286 casos. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

20 de janeiro de 2012

Criança de sete anos morre com gripe A no Rio Grande do Norte

do UOL Ciência e Saúde em Maceió

O Rio Grande do Norte confirmou a primeira morte de um paciente com gripe A em 2011. Foi o primeiro caso da doença registrado no Estado desde janeiro de 2010. O novo caso acendeu o alerta das autoridades, que pretendem reforçar as ações para evitar novos casos. Segundo a Sesap (Secretaria de Estado da Saúde Pública), o caso ocorreu no dia 12 no município de Parnamirim, região metropolitana de Natal. A vítima do vírus H1N1 era uma criança de sete anos.

“De acordo com a ficha de notificação, a criança teve ajuda médica dentro do tempo indicado [nas primeiras 48 horas após o aparecimento dos sintomas da influenza]. O primeiro atendimento foi feito na cidade de Parnamirim, mas ela foi transferida para Natal, onde ocorreu o óbito”, informou a Sesap, destacando que a criança não fazia parte do grupo de risco e não foi imunizada durante a campanha contra a Gripe A realizada em 2010. O exame que constatou o vírus H1N1 foi realizado no Laboratório Evandro Chagas, em Fortaleza (CE). (…)

Rui Iwersen, editor

.

23 de janeiro de 2012

México confirma nove mortes e 573 infecções por gripe H1N1

do UOL Ciência e Saúde no México

A secretaria mexicana de Saúde informou no último domingo (22) que o total de casos confirmados de gripe H1N1 chegou a 573 pacientes, com nove mortes provocadas pela doença. Os casos desta cepa viral representam 90% do total de doentes por gripe, segundo dados da secretaria, publicados em comunicado em sua página na internet.

“De acordo com o informado pelas unidades de saúde monitoras de influenza, na primeira semana de 2012, sete em cada mil consultas por doença respiratória foram [de] pacientes com sintomas semelhantes à influenza, sendo uma prevalência muito abaixo do indicador de alerta, que é de 20 por mil”, explicou o boletim. (…)  Na quinta-feira, o vice-secretário de Prevenção e Promoção da Saúde, Pablo Kuri, havia reportado 333 casos de influenza H1N1 confirmados em todo o território mexicano, e descartou que se trate de uma emergência.

O aumento de casos começou a ser registrado nas últimas semanas de dezembro, razão pela qual Kuri qualificou como “uma situação esperada” para a temporada de inverno. A gripe H1N1 manteve o México em alerta sanitário do fim de abril de 2009 a junho de 2010. Neste período, foram registradas 1.251 mortes.

Rui Iwersen, editor

.

17 de março de 2012

Ceará confirma mais 14 casos de Gripe A e mais uma morte pela doença

Fortaleza – Um adolescente de 15 anos, morador de Beberibe, cidade do litoral leste do Ceará, a 85 quilômetros de Fortaleza, foi a segunda morte confirmada por Gripe A no Estado. O garoto morreu no dia 20 de fevereiro, com suspeita de dengue, porém, a necropsia afirmou agora se tratar de infecção causada pelo vírus H1N1. É o segundo caso confirmado de morte causado pela gripe A no Ceará este ano.

A primeira aconteceu na última terça (13), quando a dona de casa Ezi Costa Figueiredo, 27, grávida de seis meses, morreu na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac). Em nota técnica de alerta divulgada no início da noite de sexta (16), a Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa) informou ainda que subiu de dois para 14 a quantidade de casos confirmados da doença em 2012, sendo sete em Fortaleza e sete em Beberibe. O nome do adolescente não foi divulgado. A nota informa ainda que, dos sete casos de Fortaleza, seis foram classificados como graves, sendo dois deles em gestantes. Entre os pacientes de Beberibe, uma grávida está internada com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). (…)

Rui Iwersen, editor

.

05 de abril de 2012

Gripe suína pode ser responsável pela morte de dois índios Yanomami em Roraima

do UOL Notícias e Agência Brasil

Brasília – Autoridades de saúde investigam casos de gripe aguda entre índios Yanomami, em Roraima. Nos últimos dez dias, dois índios, um bebê e um adulto, morreram em decorrência de uma síndrome respiratória aguda, com sintomas característicos da influenza A (H1N1) –gripe suína. Apesar da suspeita, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) informou que ainda não é possível dizer se os casos são de gripe suína. O laboratório central de Boa Vista está analisando 40 amostras colhidas nas aldeias.

Os índios com sintomas de gripe estão sendo tratados com o remédio Tamiflu, o mais usado contra o vírus Influenza H1N1. Os doentes em estado mais grave estão sendo transferidos para hospitais da capital de Roraima e para Casa de Assistência Indígena (Casai). De acordo com a secretaria, nesta época do ano aumenta o número de casos de gripe na região. (…)

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

,

16 de abril de 2012

Saúde quer vacinar 5,3 milhões de paulistas contra a gripe

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo pretende imunizar contra a gripe 5,3 milhões de paulistas a partir de 5 de maio. O número corresponde à meta de 80% dos 6,6 milhões de idosos com 60 anos ou mais, gestantes, crianças a partir de seis meses e menores de dois anos, indígenas e profissionais de saúde do Estado.

Para garantir abrangência da imunização, a campanha, que acontecerá até 25 de maio em todo o Estado, contará com mais de 7 mil postos de vacinação, entre fixos e volantes, além de 3,5 mil veículos, 32 ônibus e cinco barcos. Ao todo serão 41,6 mil profissionais da área da saúde, estaduais e municipais, envolvidos na ação.

Além de imunizar a população contra a gripe A H1N1, tipo que se disseminou pelo mundo na pandemia de 2009, a campanha também vacinará a parcela da população participante contra outros 2 tipos do vírus influenza – A (H3N2) e B. (…)

Rui Iwersen, editor

.

24 de abril de 2012

De 5 a 25 de maio

Campanha nacional quer vacinar 24,1 milhões de pessoas contra a gripe

 UOL Notícias e Agência Brasil

Brasília – O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (24) a meta de imunizar 24,1 milhões de pessoas em todo o país durante a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, marcada para o período de 5 a 25 de maio. A dose vai proteger também contra a influenza A (H1N1) – gripe suína.

A meta representa 80% do público-alvo definido pela pasta, que inclui idosos a partir de 60 anos (20,5 milhões), crianças entre 6 meses e 2 anos (4,3 milhões), grávidas em qualquer período da gestação (2,1 milhões), povos indígenas (586 mil) e trabalhadores de saúde (2,4 milhões). (…) Em 2011, de acordo com dados do ministério, 25,134 milhões de pessoas foram vacinadas – 84% do público-alvo definido. No mesmo período, foi registrada uma redução de 64% nas mortes provocados pelo vírus Influenza H1N1. Ao todo, 53 óbitos foram confirmados. Também no ano passado, houve queda de 44% nos casos graves da doença, que totalizaram 5.230.

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

26 de abril de 2012

Vacinação contra a Influenza (gripe) começa dia cinco de maio

Meta é vacinar mais de 51 mil pessoas na capital [Florianópolis]


De cinco a 25 de maio todos os Centros de Saúde da capital estarão disponibilizando para os segmentos listados pelo Ministério da Saúde a vacina contra a Influenza (gripe). A meta em Florianópolis é imunizar mais de 51 mil pessoas. Devem ser vacinados os idosos com mais de 60 anos de idade, crianças de seis meses à menos de dois anos, trabalhadores de saúde das unidades que fazem atendimento para a Influenza e gestantes. “Nós pedimos a todos que se incluem num desses grupos que no período determinado procurem a Unidade de Saúde mais próxima de sua casa”, pede o titular da pasta no município, Clécio Espezeim.

Ele lembra que no dia cinco de maio, um sábado, todos os Centros de Saúde da capital estarão abertos para vacinação no período das oito às 17 horas, sem fechar para o almoço. A Influenza pode evoluir para quadros mais graves e até mesmo levar ao óbito. A vacina já foi amplamente testada e teve tanto sua eficácia quanto segurança garantidas.

Fonte: Secretaria Municipal de Saude de Florianópolis – http://portal.pmf.sc.gov.br/entidades/saude

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

04 de maio de 2012

Vacinação contra gripe começa sábado em todo País

do UOL Notícias e AE

São Paulo – Cerca de 65 mil postos de saúde em todo o país abrem sábado para o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. O horário de funcionamento será das 8 horas às 17 horas. A dose aplicada vai proteger também contra a influenza A(H1N1) – gripe suína. As informações são da Agência Brasil.Devem procurar os locais de vacinação idosos com mais de 60 anos, crianças de 6 meses a menores de 2 anos, grávidas em qualquer período da gestação, indígenas e profissionais de saúde. A meta é imunizar 24,1 milhões de pessoas até o dia 25 de maio.Rui Iwersen, editor

.

25 de maio de 2012

Vacina contra gripe é prorrogada até sexta-feira [1º de junho]

Decisão foi tomada pelo Ministério da Saúde

Devem ser vacinados os idosos com mais de 60 anos de idade, crianças de seis meses a menos de dois anos, trabalhadores de saúde das unidades que fazem atendimento para a Influenza e gestantes.  (…) O principal objetivo da campanha de vacinação é reduzir a mortalidade, as complicações e as internações provocadas por infecções do vírus da gripe. Como resultado da imunização, em 2011, houve redução ( dados nacionais)  de 64,1% nas mortes por agravamento da gripe H1N1 – foram 53 óbitos, contra 148 no ano anterior. Já o número de casos graves notificados diminuiu 44% – de 9.383 para 5.230. No entanto, se não mantermos altas coberturas vacinais, esses números poderão voltar a se elevar neste ano. (…)

Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e, de 39% a 75%, a mortalidade global. Entre os residentes em lares de idosos, a vacina reduz o risco de pneumonia em cerca de 60%, e o risco global de hospitalização e morte, aproximadamente de 50% a 68%, respectivamente.

Fonte: Secretaria Municipal de Saude de Florianópolis – http://portal.pmf.sc.gov.br/entidades/saude

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

1 de junho de 2012

Vacinação contra a gripe é prorrogada até dia 6 no Estado de SP

da Folha.com

A campanha de vacinação contra a gripe foi prorrogada até a próxima quarta-feira (6) no Estado de São Paulo. O governo federal havia estabelecido esta sexta como prazo final para a imunização no país. Agora, fica a critério dos Estados recomendar aos municípios estender a data ou encerrar a campanha. (…)

No país, a meta do Ministério da Saúde é imunizar 24 milhões de pessoas, o equivalente a 80% do público-alvo, que inclui idosos, crianças de 6 meses a 2 anos, grávidas, trabalhadores da saúde, indígenas e presos. Segundo balanço do Ministério da Saúde, São Paulo está entre os Estados mais distantes da meta, ao lado de Roraima (50,21%), Amazonas (59,18%). Pelo menos três Estados já atingiram o percentual de 80% –Santa Catarina, Acre e Alagoas. (…).

.
Rui Iwersen, editor de GaiaNet
.
.
6 de junho de 2012

Gripe A no Paraná

PR registra uma morte e 36 casos de gripe A

do UOL Notícias

A Secretaria da Saúde confirmou nesta terça-feira a ocorrência de 36 casos e uma morte, em março deste ano, por gripe A (H1N1) no Paraná em 2012 e alerta para a ocorrência da doença no Estado. Outros casos ainda estão sendo analisados, segundo a secretaria. (…)

Rui Iwersen, editor

.

11 de junho de 2012

Gripe A em Blumenau

Em Blumenau – SC foram confirmados 35 casos de Gripe A e registradas 3 mortes pela doença. A Secretaria da Saude está disponibilizando vacina para portadores de doenças crônicas.

RBS TV; Jornal do Almoço; 11 de junho de 2012

Rui Iwersen, editor de GaiaNet

.

22 de junho de 2012

Gripe A em São Paulo

Gripe suína causa 1 morte a cada 5 casos registrados

São Paulo – (…) Um a cada cinco paulistas que contraíram o vírus H1N1 (gripe suína ou gripe A) e tiveram seu caso notificado neste ano morreu. Até agora foram 53 casos da doença, com 11 óbitos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde – que não divulgou em quais cidades do Estado a doença apareceu. Embora o número de pacientes com a doença esteja dentro do esperado, a porcentagem de mortes nesse grupo, de 20,75%, preocupa os médicos. No País, essa taxa é bem menor: 11,35%.Em 2011, nesta época do ano, o Estado de São Paulo não havia registrado nenhuma morte por gripe suína. O primeiro óbito foi notificado apenas no final de outubro. (…) “O número de mortes em 2012 é representativo e nos deixa preocupados. Há o receio de que, neste ano, exista uma virulência maior”, disse o infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Segundo ele, a letalidade em 2012 no Estado é de 5% a 10% superior às expectativas. (…) No País, foram notificados 449 casos, com 51 óbitos, de acordo com levantamento do Ministério da Saúde. O número de casos já é quase o triplo do total registrado no ano passado inteiro, que teve 181 registros, com 27 mortes. Entre os outros Estados que já registraram mortes por H1N1 neste ano estão Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. (…)Especialistas reforçam a importância da vacinação para evitar uma possível epidemia, a exemplo do que ocorreu em 2009, quando a doença surgiu. A infectologista Graziella Hanna Pereira, do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, observa que quanto maior a cobertura vacinal, menor o risco de surgirem novos casos. (…)
.
Rui Iwersen, editor
.
.

01 de julho de 2012

GaiaNet ano 6

Postagens no início do artigo, após o editorial

.

.

.
.
.

19 Comentários

  1. gessila said,

    20 de setembro de 2009 às 11:21

    qual a relacao da influemza h1n1 com a globalizacao?

    • gaianet said,

      20 de setembro de 2009 às 21:49

      Boa tarde Gessila. A Globalização é um fenomeno econômico mas, principalmente, um fenômeno e um processo social e cultural. Como fenômeno social, a Globalização representa a ocupação da totalidade do globo terrestre pela espécie humana e o fluxo contínuo desta espécie atraves do Globo, através do turismo, das migrações, dos ecorefugiados e etc. A enorme quantidade de pessoas no Planeta (quase sete bilhões de pessoas), este intenso fluxo humano e nossos hábitos de reuniões, aumentam os contatos entre as pessoas e entre os povos, aumentando suas trocas econômicas, culturais, sociológicas, tecnológicas e microbiológicas, difundindo mais rapidamente idéias, noções e conceitos, mas tambem doenças e epidemias, como a Gripe A.
      Rui Iwersen, editor de GaiaNet.

  2. Louisy said,

    14 de setembro de 2009 às 18:38

    Nosaaa isso é grandeeeeeeeeee demais, mais Vlw ajudou bastante!

    • gaianet said,

      15 de setembro de 2009 às 0:32

      Boa noite Louisy. Realmente, há muito material para se ler sobre a Gripe A desde que ela se constituiu como uma pandemia. Mas, no blogue GaiaNet, as noticias podem ser lidas pela data (sempre em verde) ou pelo título da matéria (sempre em negrito logo apos a data). Estamos pensando em mudar nosso modelo de apresentação, usando pequenas chamadas aparentes e as matérias no sistema leia mais.
      Rui Iwersen, editor.

  3. nathalia said,

    2 de setembro de 2009 às 14:19

    isso e muiiitoooooooooooooooooooooooo grande como alguem conssege ler ate canssa
    mais valew a ajuda.

    • gaianet said,

      3 de setembro de 2009 às 14:03

      Bom dia Nathalia.
      Realmente, há muita informação. Julgamos que essas informações são necessárias e uteis. Para melhor usá-las, recomendamos observar o título do assunto, que apresentamos sempre após a data de edição (que está sempre em cor verde).
      Rui Iwersen, editor de GaiaNet.

  4. brunynha said,

    2 de setembro de 2009 às 13:04

    bah gente tem muita coisa ai pra ler poxa tah loko mew!

  5. 23 de agosto de 2009 às 18:59

    […] Por: Rui Iwersen, editor do Boletim virtual de GaiaFloripa – Núcleo Florianópolis de GAIA – Grupo de Ação e Informação Ambiental – Link aqui […]

  6. Laleska Lopes said,

    17 de agosto de 2009 às 22:49

    ai, adorei esse site… MUITO BOM.

  7. Lenise Simões said,

    13 de agosto de 2009 às 13:35

    Continuo com dúvidas sobre a sobrevivencia do virus H1N1 fora do hospedeiro. Nosso Ministro Temporão afirma que o mesmo sobrevive em superfícies – não explicou se com, ou sem secreções – por 24 a 48 horas. Vocês falam acima(06/09) sobre as características dos virus em geral, em uma explanação científica e viável; mas alguém já fez uma pesquisa com relação específica a este virus? E em materiais porosos, tipo roupas de cama com secreções de pacientes infectados – qual o tempo de sobrevivência dos mesmos? A “falta” da temperatura do hospedeiro não é significativa para esta sobrevivência?
    Outra dúvida é com relação ao provável aparecimento de resistência do virus em relação ao uso do Tamiflu. Um amigo apresentou sintomas da gripe e não foi medicado, pois não tinha sintomas graves; mas os profissionais que o atenderam mencionaram que esta resistência seria tambem individual – pelo menos ele assim entendeu – quero dizer, ficou subentendido que, caso fosse submetido ao tratamento com o referido medicamento e na realidade não estivesse infectado com o H1N1, se, futuramente, vier a se infectar com o mesmo, ele – individualmente – poderia estar resistente. O medicamento não seria efetivo, teria se criado uma resistencia ao medicamento?. Não achei procedente, pois o virus muta e se torna resistente ao medicamento causando um problema global, não individual. Gostaria de saber a opinião de vocês. Obrigada.

    • gaianet said,

      20 de agosto de 2009 às 22:02

      Cara Lenise Simões. Obrigado pela visita a GaiaNet e pela pergunta.

      Apesar de minha especialização ser em psiquiatria, com o surgimento da AIDS, desde 1984 eu estudo esta síndrome e conheço mais sobre virologia. Nós sempre trabalhamos com a idéia de uma sobrevivência do vírus HIV por poucos minutos fora do organismo humano. Entretanto, com o Influenza A (H1N1) estamos trabalhando com a possibilidade de sobrevivência do virus por várias horas fora do hospedeiro, havendo infectologistas que falem em “até 72 horas” (como já divulgado em GaiaNet).

      Quanto a este aspecto, a tua 1ª pergunta contem um elemento importante: a porosidade de um tecido, ou de um objeto, poderia manter secreções, umidade, temperatura ou outros fatores adequados ao vírus, aumentando sua sobrevivência fora do hospedeiro.

      Tua 2ª pergunta merece também reflexão. A saída do vírus de seu hospedeiro pode fazê-lo sair de uma temperatura adequada para uma pior, prejudicando-o. Mas, considerando uma possível temperatura febril do hospedeiro, que nós consideramos como uma defesa do organismo infectado, a saída do hospedeiro e mudança de temperatura poderia até beneficiá-lo, ao menos temporariamente.

      Quanto à 3ª questão que tu apresentas, sobre a “resistência”, tens razão: em infecções bacterianas ou virais, não é o individuo que torna-se resistente à medicação específica para combate a um ou outro microorganismo. O microorganismo, dependendo de sua capacidade de adaptação, que é grande nos vírus, é que pode tornar-se resistente ao medicamento. Por esta razão insistimos para que se evite automedicação e que se façam adequadamente os tratamentos prescritos, especialmente no combate a infecções bacterianas e virais.

      Rui Iwersen editor.

  8. patricia do carmo pereira said,

    6 de agosto de 2009 às 23:59

    eu digo uma coisa eles nao querem alarma mais so nos hospital das clinicas ja morreu 6 medicos total de vitima da gripe 161 so no hospital das clinica

    • gaianet said,

      11 de agosto de 2009 às 20:12

      Boa tarde Patricia.

      Realmente, é melhor que não haja alarme entre nós. Temos que ter uma preocupação adequada. Devemos evitar o pânico.
      Os dados que tu forneces, pouco provaveis, são importantes. Se reais, sinto muito pelos colegas. Porém, convem evitar pânico e agir e reagir do melhor modo possivel.

      Ontem (10/08/2009), por exemplo, editei nesta página um comentário sobre vacinação no Hemisfério Norte e, principalmente, nos EUA, o símbolo do capitalismo internacional. Estas informações e reflexões podem ser úteis para nossa reflexão sobre preocupação adequada ou inadequada com o uso de nossos atuais recursos terapeuticos e preventivos, principalmente os antivirais e as vacinas.

      Tomara que aprendamos com as experiências dos nossos conterrâneos contemporâneos do Hemisfério Norte no próximo inverno deles e que, no futuro, trabalhemos bem para atenuar esta e as próximas epidemias que a Humanidade, infelizmente, terá que enfrentar.

      Rui Iwersen, editor

  9. marta rocha said,

    25 de junho de 2009 às 3:46

    Gostaria de tirar uma dúvida com relação à transmissão da gripe suina: O virus pode ficar em um ambiente por quando tempo mais ou menos? Qual a distancia que o virus atinge ao ser eliminado por tosse ou espirros?

    • gaianet said,

      6 de julho de 2009 às 19:38

      Os vírus são considerados os organismos menores, mais simples e menos autosuficientes do planeta Terra. Para alimentarem-se e reproduzirem-se precisam estar no interior de células animais ou vegetais vivas. Cada vírus tem suas células preferidas ou necessárias para sua existência e para a preservação de sua espécie. Por esta razão, uma infecção viral, no ser humano, por exemplo, pode causar uma gripe, uma conjuntivite, uma hepatite, uma encefalite ou uma imunodeficiência (como a AIDS).
      Fora de uma célula viva, que lhe é vital, os vírus sobrevivem segundos ou pouquíssimos minutos. Dentro de uma célula, como as da secreção nasal, da saliva ou do sangue, por exemplo, porem fora do organismo hospedeiro, sua sobrevivência depende da qualidade e da quantidade da secreção que o contem, e sua duração está diretamente relacionada com a duração desta secreção – seu meio ambiente. Como fora do organismo humano saliva, coriza, esperma, sangue e ouros elementos deterioram-se rapidamente, também rapidamente morrem os vírus ou outros microorganismos que elas contenham. Quando a quantidade destas secreções é pequena e espalhada, como normalmente acontece fora do corpo humano, sua deterioração, e a conseqüente morte de seus hospedes microscópicos, se dá em questão de minutos. Estima-se este tempo em pouquíssimas dezenas de minutos.
      Quanto à distância considerada segura para o vírus Influenza A (H1N1), causador da Gripe A, popular e erroneamente chamada de Gripe Suina, vários fatores devem ser considerados: 1. Este virus está presente nas secreções pulmonares, orais e nasais do infectado; 2. Esta infecção viral causa tosse; 3. Em geral esta tosse é forte; 4. A secreção pulmonar e bucal expelida pela tosse paira ou circula no ar, dependendo da presença ou não de vento no ambiente; 5. Embora se considere em media 1 metro uma distância segura para estar-se de uma pessoa gripada com tosse e espirros, a ausência de circulação do ar, como em ambientes fechados, pode não garantir segurança. A circulação do ar, que pode significar segurança, pode representar o contrário, dependendo de sua direção e de nossa posição. Na suposição de alguém com esta ou outras gripes ou infecções respiratórias no mesmo ambiente em que estejamos, posicionar-se longe da pessoa, fora da corrente de ar que possa transportar suas secreções ou próximo de janelas são atitudes recomendáveis.

      Rui Iwersen, por GaiaNet

  10. mediccall said,

    7 de junho de 2009 às 20:40

    Hi, this is a colaboration info health public, i read and consult the
    “Committee on Implementation of Antiviral Medication Strategies for an Influenza Pandemic, Institute of Medicine”,this is a medical textbook that provides a comprehensive overview of epidemic and pandemic influenza (download PDF).
    http://mediccall.blogspot.com/2009/06/antivirals-for-pandemic-influenza.html

  11. Janine said,

    14 de maio de 2009 às 13:29

    Bom dia pessoal do G.A.I.A.

    Estou com muitas dúvidas, pois o vírus mutante tem como vítimas preferidas crianças e adultos jovens:
    1) será que a vacinação em massa dos idosos fez com que o vírus pocurasse outros hospedeiros suscetíveis para poder continuar sua espécie?
    2) será que a região onde ele apareceu a primeira vez tem relação com a falta de higiene?
    3) será que por ser perto do país mais desenvolvido do mundo tem relação com a alta tecnologia genética e a enorme produção?
    4) ou, simplesmente aconteceu o “acaso” de que um menininho mexicano brincou com um porquinho americano e ficou gripado? Brincadeirinha…

    • gaianet said,

      15 de maio de 2009 às 19:51

      Boa tarde Janine.
      Ao que parece, o virus Influenza A (H1N1) não tem preferência por faixa etária humana. Ao contrário dos idosos, crianças e adultos jovens frequentam mais aglomerações, facilitando a contaminação entre humanos.
      Quanto à tua primeira dúvida, certamente não é a imunidade à Gripe Humana via vacina que evita a contaminação pelo Influenza A (H1N1). Acha-se que esta vacina não nos protege contra esta ‘Nova Gripe’. Talvez, no máximo, atenue uma possível infecção. Na realidade, a reação dos adultos jovens e fortes é que é extraordinariamente forte – “É o mesmo padrão da pandemia de Gripe Espanhola de 1918. Suas vítimas se concentram entre jovens adultos e saudáveis. Eles morrem justamente por ser mais forte, em decorrência de uma ultrarreação do sistema imune para se defender”, diz a revista Época de 4 de maio à página 109.
      Quanto à segunda dúvida, na realidade a Gripe Suina e a Nova Gripe – pelo Influenza A (H1N1) – estão diretamente relacionadas com confinamento de milhares, e às vezes milhões de porcos, em algumas centenas de metros quadrados e de milhões de seres humanos em alguns quilômetros quadrados: a cidade do México é a segunda mais populosa do Planeta, com 22 milhões de habitantes, e Nova York, a cidade americana com mais casos desta gripe, é a maior cidade dos Estados Unidos.
      Quanto à terceira dúvida, a foto da Granja Carrol, no México, onde as autoridades mexicanas acham que começou a epídemia, mostra porcos limpos, porém confinados, amontoados. Certamente são animais geneticamente alterados, assim como os porcos dos EUA e os nossos outros animais domésticos, confinados em currais, granjas, abatedouros, canis ou em nossas casas e apartamentos. Lembremo-nos, por exemplo, que do lobo o ser humano criou todas as raças atuais de cachorros.

      Rui Iwersen, por GaiaNet

      • Janine said,

        30 de maio de 2009 às 18:40

        Realmente, muitas coisas podem acontecer geneticamente, num processo silencioso, invisível aos nossos olhos.
        Numa edição de uma revista periódica semanal, posso ter encontrado a resposta:
        O vírus influenza comum humano está sempre em uma “mutação solitária”(essa expressão eu que inventei), ou seja, ele se transforma sozinho para ir se adaptando e driblando as vacinas e medicamentos.
        O que aconteceu com essa nova gripe foi que dois ou três vírus diferentes (da ave + do porco + do homem, talvez) se juntaram para ter um outo material genético diferente: o do A (H1N1).

        Por outro lado, o homem está manipulando genes e transformando um ser em outro através da “criação” de transgênicos (OMG) para produção em grande escala de alimentos beneficiando-se do menor custo com agrotóxicos.
        A natureza já faz transformações genéticas desde o seu início, desde a ocorrência do big bang, só que de uma forma que chamamos de mutação. Isso se dá para que os organismos se adaptem ecologicamente ao local em que vivem, na busca de melhores relações com seu meio na busca de alimentos, a daptações ao clima, e condições sanitárias para uma melhor saúde física e mental.
        Nós realmente não sabemos as reações que poderão ocorrer, por exemplo com essas lagartas que se alimentam de soja, do milho e das folhas da batata, e que agora estão impedidas de comerem o seu alimento para sobreviverem pois, como eu disse, o processo de mutação pode ser bem lento como Darwin descobriu e sacramentou através da TEORIA DA EVOLUÇÃO – “O mundo vivo não foi criado nem se recicla perpetuamente. Os organismos estão em um lento mas constante processo de mutação.” Ou muito, MUITO rápido, como o do vírus da gripe comum.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: